Clínica Médica

IM/ACP 2021: como manejar pacientes diabéticos no cenário perioperatório?

Tempo de leitura: 3 min.

O manejo do diabetes em pacientes internados e no perioperatório foi tema de uma das conferências do segundo dia do Internal Medicine Meeting da American College of Physicians (IM/ACP 2021). A conferência intitulada, “Inpatient Diabetes Management: The Sweetest Patients”, foi realizada pela Dra. Lillian Lien, endocrinologista chefe da Divisão de Endocrinologia, Metabolismo e Diabetes da Universidade de Mississippi.

Em texto anterior, abordamos alguns tópicos dessa conferência, como: controle glicêmico, quando suspender hipoglicemiantes orais, além de considerações sobre o tratamento com insulina.

Agora vamos nos direcionar a um outro ponto de grande interesse prático que a conferência nos trouxe.

Como lidar com o paciente diabético no cenário perioperatório?

Para responder à pergunta acima, a conferencista utilizou como base as recomendações de guideline da American Diabetes Association¹.

Controle glicêmico

O controle glicêmico no perioperatório deve objetivar níveis entre 80 e 180 mg/dL. Revisão sistemática recente concluiu que controle glicêmico mais estrito que a faixa acima não resultou em melhores desfechos e esteve associado a maior número de episódios de hipoglicemia.

Manejo de agentes não insulínicos: quando suspender?

  • Metformina: deve ser suspensa no dia da cirurgia;
  • Inibidores SGLT-2: devem ser descontinuados antes da cirurgia (idealmente três a quatro dias antes);
  • Qualquer outro hipoglicemiante oral deve ser suspenso na manhã da cirurgia.

Outros temas relacionados à diabetes você encontra na Revista PEBMED. Baixe grátis!

Manejo da insulina no perioperatório

No paciente em jejum, insulinas rápidas prévias à refeições devem ser suspensas.

Quanto às insulinas de longa ação, a American Diabetes Association sugere:

  • Administre metade da dose da NPH na manhã da cirurgia;
  • Para as outras insulinas análogas de longa duração, administre 75 a 80% da dose na manhã da cirurgia.

Na noite anterior à cirurgia: redução em 25% da dose da insulina da noite prévia à cirurgia esteve associada a maior controle glicêmico com menor risco de hipoglicemia.

Cuidados adicionais

Monitore a glicemia arterial pelo menos a cada 2 a 4 horas, enquanto o paciente não estiver com nenhuma ingesta oral, e caso necessário, controle a glicemia com insulinas de ação rápida.

Já conferiu a parte 1 dos textos desta palestra? Falamos sobre controle glicêmico e suspensão de hipoglicemiantes orais no paciente internado. Veja aqui.

Veja mais do congresso:

Autor:

Referências bibliográficas:

  1. American Diabetes Association. 15. Diabetes Care in the Hospital: Standards of Medical Care in Diabetes-2019. Diabetes Care. 2019 Jan;42(Suppl 1):S173-S181. doi: 10.2337/dc19-S015. PMID: 30559241.
Compartilhar
Publicado por
Filipe Amado

Posts recentes

Uso da ventilação não invasiva no tratamento da bronquiolite: existe melhora do prognóstico?

A bronquiolite é uma das principais doenças na pediatria, acometendo geralmente crianças abaixo de dois…

8 minutos atrás

Monitorização de longo prazo para FA subclínica após AVCi

Pacientes com AVCi devem ser monitorizados para eventos cardíaco nas primeiras 24 horas após o…

1 hora atrás

Albumina na cirrose hepática: usos além da função de coloide

Apesar de conhecermos a albumina como um coloide, pesquisas mais recentes vêm descobrindo que ela…

2 horas atrás

Uso de pessário associado a progesterona para prevenção de partos prematuros

Artigo publicado apresentou a possibilidade da associação entre pessário e o uso de progesterona na…

3 horas atrás

Psicofobia: O que podemos fazer para que haja mudança social?

A psicofobia é um termo que possui seu significado ligado ao preconceito contra pessoas que…

4 horas atrás

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti

O Ministério da Saúde lançou a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor…

23 horas atrás