Clínica Médica

IM/ACP 2021: na internação, quando suspender antidiabéticos orais e como realizar o controle glicêmico?

Tempo de leitura: 5 min.

A programação do congresso do Internal Medicine Meeting da American College of Physicians (IM/ACP 2021) está recheada de temas práticos. Várias palestras com evidências atualizadas de situações que vivenciamos diariamente em enfermarias, emergências e unidades de terapia intensiva. O manejo do diabetes em pacientes internados foi tema de uma das conferências do segundo dia do evento.

Manejo do diabetes na internação

A conferência intitulada, “Inpatient Diabetes Management: The Sweetest Patients”, foi realizada pela Dra. Lillian Lien, endocrinologista chefe da Divisão de Endocrinologia, Metabolismo e Diabetes da Universidade de Mississippi.

A conferência se propôs a responder grandes perguntas sobre o manejo do diabetes. Vamos abordar as principais em uma sequência de dois textos, aqui no Portal.

1. Quais valores ideais da glicemia para pacientes internados em enfermaria e UTI?

O controle glicêmico adequado está associado a melhor função leucocitária, além de facilitar cicatrização de feridas. Avanços no controle das hiperglicemias têm sido associados a redução de morbimortalidade. Os estudos sobre controle glicêmico da professora Greet Van den Berghe (2001 e 2006), assim como o mega trial NICE-SUGAR (2009, com mais de 6 mil pacientes), ilustraram na conferência os conceitos e evidências a respeito do controle glicêmico em pacientes internados.

A conferencista, tendo por guia os guidelines da American Diabetes Association¹, trouxe recomendações que ajudarão a responder o questionamento acima:

  • Em pacientes hospitalizados, a terapia com insulina deve ser iniciada em pacientes com hiperglicemia persistente a partir de níveis acima de 180 mg/dL;
  • Níveis de glicemia entre 140-180 mg/dL são recomendados para a maioria dos pacientes graves e não graves no cenário intra-hospitalar.

Em casos selecionados, o controle glicêmico mais estrito (110 a 140 mg/dL) pode ser apropriado para alguns pacientes, no entanto desde que seja atingido sem hipoglicemias significantes.

Outros temas relacionados à diabetes você encontra na Revista PEBMED. Baixe grátis!

2. No cenário do paciente internado, devo sempre suspender medicações orais nos pacientes com diabetes?

A insulina é a estratégia preferencial para controle glicêmico na maioria dos pacientes hospitalizados com diabetes tipo 2. A preocupação relacionada à continuidade de medicamentos ambulatoriais como hipoglicemiantes orais ou agentes injetáveis não insulínicos deve-se à potenciais mudanças nutricionais e hemodinâmicas que tais pacientes podem vivenciar no hospital.

Então, quando seria seguro reintroduzir regimes domiciliares, incluindo agentes orais?

Quando houver estabilidade do estado nutricional e hemodinâmico do paciente, além de reestabelecimento das funções orgânicas (especialmente a hepática e renal).

Quais agentes hipoglicemiantes orais são seguros e efetivos para uso no paciente internado?

A conferencista explica que a eficácia de terapias hipoglicemiantes não insulínicas no ambiente intra-hospitalar é uma área de pesquisa ativa. Estudos tem mostrado eficácia para inibidores da dipeptidil peptidase 4 (IDPP4) e agonistas GLP1. No entanto, conforme report da FDA, deve ser considerada a suspensão do uso de saxagliptina e alogliptina em pacientes que desenvolvam insuficiência cardíaca.

Já os inibidores da SGLT-2 não devem ser utilizados de forma rotineira em pacientes internados nas seguintes situações: doença grave, durante períodos de jejum e procedimentos cirúrgicos. Além disso, antes de cirurgias eletivas, suspenda três dias antes os inibidores da SGLT-2.

A metformina (quando não contraindicada) é considerada estratégia medicamentosa efetiva. Menos custosa e mais efetiva que outros agentes farmacológicos, além de não resultar em aumento de peso. A associação de um segundo agente ao esquema com metformina pode fornecer benefícios terapêuticos adicionais, no entanto nem sempre é possível pelo alto custo, para alguns pacientes. Por fim, a conferencista reforça que para o uso seguro da metformina é necessário função renal adequada.

3. Insulina: o padrão-ouro para terapêutica do diabetes no paciente internado

Vamos organizar por tópicos os principais pontos de destaque da conferência nesse tema.

Esquema preferencial em pacientes internados não críticos: insulina basal (glargina ou detemir) associada à insulina prandial (“bolus” – Aspart ou Lispro).

Como manejar as doses? A sugestão é utilizar o ajuste da dose total diária pelo peso. Para o diabetes tipo 1, inicie a 0,3 a 0,5 unidades/kg/dia. Já para o diabetes tipo 2, inicie a 0,3 a 0,7 unidades/kg/dia (alguns pacientes podem necessitar > 1 unidade/kg/dia).

Esquema sugerido: 4 doses por dia, usando insulina de ação rápida (bolus) e insulina de longa ação (basal).

  1. Insulina de ação longa (basal): metade da dose total diária, 1x ao dia;
  2. Insulina de ação rápida: um sexto da dose total é administrada antes do café, almoço e jantar.

Vamos a um exemplo que te ajudará a entender o esquema sugerido na conferência.

  • Peso: 100 kg – 0,6 unidades/kg/dia > 60 unidades/dia (dose total diária);
  • Basal: 30 unidades/dia;
  • Bolus: 10 unidades antes do café da manhã;
  • Dez unidades antes do almoço;
  • Dez unidades antes do jantar.

Insulinoterapia no paciente diabético tipo 1: informações importantes!

  • Sempre administre a insulina basal (lantus, levemir ou NPH) no paciente diabético tipo 1;
  • Nunca suspenda a insulina basal do diabético tipo 1, exceto se glicemia < 80 mg/dL. Nesse caso, trate a hipoglicemia e administre assim que possível a insulina basal (desde que glicemia > 80 mg/dL), para evitar um quadro posterior de cetoacidose diabética;
  • Lembrete: mesmo quando o paciente estiver em jejum, a insulina basal é necessária para todos os pacientes com diabetes tipo 1 (desde que glicemia > 80 mg/dL);
  • Caso o seu paciente esteja utilizando bomba de infusão venosa de insulina, assim que for possível desmame da bomba de insulina, administre a insulina basal (idealmente antes de desligar a infusão contínua).

Mensagens práticas

  1. O manejo intra-hospitalar de pacientes com diabetes impõe vários desafios, mas também uma janela única de oportunidades para otimizar o controle glicêmico e cuidado desses pacientes.
  2. A adequada suspensão de hipoglicemiantes orais e administração de insulinas pode reduzir o tempo de internação desses pacientes e também promover impacto na morbimortalidade.

Não deixe de acessar o próximo texto sobre a palestra. Falamos sobre o manejo da diabetes e hiperglicemias no cenário perioperatório.

Veja mais do congresso:

Autor:

Referências bibliográficas:

  1. American Diabetes Association. 15. Diabetes Care in the Hospital: Standards of Medical Care in Diabetes-2019. Diabetes Care. 2019 Jan;42(Suppl 1):S173-S181. doi: 10.2337/dc19-S015. PMID: 30559241.
Compartilhar
Publicado por
Filipe Amado

Posts recentes

Monitorização de longo prazo para FA subclínica após AVCi

Pacientes com AVCi devem ser monitorizados para eventos cardíaco nas primeiras 24 horas após o…

37 minutos atrás

Albumina na cirrose hepática: usos além da função de coloide

Apesar de conhecermos a albumina como um coloide, pesquisas mais recentes vêm descobrindo que ela…

2 horas atrás

Uso de pessário associado a progesterona para prevenção de partos prematuros

Artigo publicado apresentou a possibilidade da associação entre pessário e o uso de progesterona na…

3 horas atrás

Psicofobia: O que podemos fazer para que haja mudança social?

A psicofobia é um termo que possui seu significado ligado ao preconceito contra pessoas que…

4 horas atrás

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti

O Ministério da Saúde lançou a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor…

23 horas atrás

Síndrome de anticorpo antifosfolipideo: o que precisamos saber?

A síndrome de anticorpo antifosfolípideo é definida cumprindo pelo menos um clínico e um critério…

1 dia atrás