Implicações a longo prazo de traqueostomia em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca

Traqueostomia é um dos procedimentos mais realizados em pacientes críticos (incluindo pacientes submetidos à cirurgia cardíaca) devido aos seus benefícios.

A traqueostomia é um dos procedimentos mais realizados em pacientes críticos em diversos contextos (incluindo pacientes submetidos à cirurgia cardíaca) objetivando-se seus potenciais benefícios sobre a toalete das vias aéreas, redução de sedação, prevenção de pneumonia relacionada a ventilação mecânica além de melhora na capacidade de comunicação e alimentação. A maior parte dos estudos atuais focam-se no melhor tempo de sua realização, melhor via (percutânea vs cirúrgica), além de sua influência nos desfechos intra-hospitalares, notadamente infecção do trato respiratório.

Pouco ainda se sabe quanto aos desfechos a longo prazo de pacientes traqueostomizados incluindo frequência e tempo de decanulação, especialmente em populações específicas. Resultados de coortes mistas, por exemplo, demonstram um tempo de decanulação aproximado de 25 dias, excluindo-se os pacientes que foram a óbito.

Em cirurgia cardíaca, apesar do procedimento não ser tão realizado, dados sugerem a traqueostomia como fator de pior prognóstico com mortalidade em 1 ano estimada em mais de 60% e taxas de sobrevida em 5 anos inferiores a 16%. O conhecimento destes dados específicos no grupo de pacientes que serão submetidos à cirurgia cardiovascular auxilia na discussão pré-operatória com o paciente e família, incluindo possíveis previsões de desfechos e tempo total de prótese traqueal. Visando a melhor compreensão desses desfechos, Krebs et al. da Universidade da Virigínia (EUA) relataram sua experiência ao longo de 20 anos com pacientes submetidos a procedimentos cardíacos e traqueostomia ainda na mesma internação.

Leia também: Como realizar traqueostomia em crianças durante a pandemia de Covid-19?

Métodos

O estudo realizado foi retrospectivo, em centro terciário único, com dados de pacientes submetidos a cirurgia cardíaca obtidos a partir bancos de dados e prontuário eletrônico, no período compreendido entre 1997 a 2016. Todos os pacientes analisados foram traqueostomizados até 60 dias da cirurgia índice, por técnica convencional ou percutânea; obtendo-se dados quanto técnica de traqueostomia, data do óbito e data da decanulação, incluindo dados médicos e do restante da equipe de saúde além de métodos radiológicos como evidência da decanulação. Pacientes que tiveram necessidade de nova traqueostomia, foram somente avaliados até a primeira decanulação.

Os desfechos primários analisados foram decanulação e sobrevida após a traqueostomia. Como secundários procurou-se a evidência de fatores preditivos de decanulação nesse grupo de pacientes.

Resultados

Durante o período estudado, 14.600 pacientes foram submetidos a cirurgia cardíaca (em sua maioria revascularização miocárdica e valvares), 309 (2,1%) realizaram traqueostomia até 60 dias da cirurgia inicial. Comparando-se com aqueles que não necessitaram do procedimento traqueal, os traqueostomizados eram mais idosos (mediana 68 anos vs 65 anos, p < 0,01), com maiores taxas de comorbidades incluindo insuficiência cardíaca, necessidade de diálise pré-operatória e doença pulmonar crônica (todos p < 0,01). A maior parte dos traqueostomizados realizaram a cirurgia cardíaca em contexto de urgência/emergência (60,7%), em comparação aos não traqueostomizados (50,9% eletivos). Além disso, também frequentemente realizarem implante ou retirada de dispositivos de assistência ventricular. Quanto ao pós-operatório, os desfechos foram piores nos traqueostomizados; com maior propensão a reintervenções (50,9% vs 5,9%), diálise pós-operatória (35,6% vs 1,9%) e maior tempo de internação hospitalar (40 dias vs 6 dias).

Quanto ao método do procedimento traqueal houve maior proporção da via percutânea (68%) em comparação a 27,8% convencional (4,2% não definidos). Do total um terço foi de realização precoce (adotando-se no estudo o limite de 10 dias da cirurgia).

A realização da traqueostomia esteve associada a pior prognóstico com sobrevida mediana de 152 dias, com taxas de sobrevida estimadas pelo método de Kaplan-Meier de 42,5% em um ano e 29.1% em 5 anos. Daqueles que evoluíram para óbito, 41,8% não foram decanulados até o óbito.

Do total de traqueostomizados, 46% foram decanulados no seguimento, sendo normalmente mais jovens (67 vs 70 anos) e com menor incidência de pneumopatias crônicas. A mediana de tempo até a decanulação foi de 59 dias. A estimativa de sobrevida dos decanulados de 80.5% em um ano; sendo identificados como preditores de decanulação precoce idade menos avançada, ausência de pneumopatia crônica ou diálise peroperatória.

Saiba mais: Traqueostomia: como fazer e quais as contraindicações

Discussão

Notadamente o número de fatores de risco e complicações pós-operatórias predisseram um maior risco de mortalidade, porém a traqueostomia em si, não foi demonstrada como fator independente de maior risco de óbito.

Comparando-se o grupo de pacientes de cirurgia cardíaca com outros pacientes críticos em unidades de cuidados intensivos nota-se que o tempo de utilização da prótese traqueal é maior nos primeiros (59 dias vs 14-25 dias), possivelmente pela maior dificuldade de reabilitação dos pacientes cardiopatas e maior associação com pneumopatias em comparação com a população geral. No entanto, a taxa de decanulação desse grupo após um ano foi maior até que em outros grupos. Como naqueles que sofreram acidentes vasculares encefálicos (80% vs 60%, respectivamente).

Dos fatores preditores de decanulação precoce, avaliações prévias em populações heterogêneas apontaram a ausência de coma, indicação por via aérea instável ou obstruída e cirurgia cardiotorácica. No estudo em questão esses preditores diferiram um pouco, no entanto, também podem corresponder a marcadores de maior incapacidade e/ou recuperação mais prolongada.

A mortalidade mais elevada nos pacientes traqueostomizados foi consistente com outros dados da literatura. Entretanto, esse achado é reproduzido em populações críticas mistas, com sobrevida aproximada de 30% em 8 anos. Possivelmente representam mais a gravidade da doença subjacente do que o procedimento cirúrgico sobre a traqueia, o qual ainda possui baixas taxas de complicações.

Limitações

Limitações do estudo em questão incluem: sua natureza retrospectiva; pequena amostra; heteregeneidade dos grupos analisados; indicações diversas da cirurgia traqueal; longo período de análise podendo ser influenciado por mudanças nos paradigmas de cuidados do paciente; fraqueza nos dados analisados; além baixa reprodutibilidade externa devido sua realização em um único centro de cuidado terciário.

Conclusão

Análises como esta podem servir de guias para melhor discussão pré-operatória com os envolvidos nos cuidados pós-operatórios do paciente que necessita de uma cirurgia cardíaca. Podem eventualmente permitir um melhor planejamento em cirurgias eletivas de intervenções pré-operatórias como reabilitação ou otimização da função pulmonar para se minimizarem os riscos, desfechos adversos e necessidade de uma eventual traqueostomia a qual está relacionada a pior sobrevida no período de um ano. Vale ainda discutir com o paciente, que, quando necessária, a traqueostomia é reversível em grande parte dos pacientes; chegando a taxas de decanulação de 80% em um ano e um tempo mediano até sua efetivação de cerca de 2 meses.

Referências bibliográficas:

  • Krebs ED, Chancellor WZ, Beller JP, Mehaffey JH, Hawkins RB, Sawyer RG, et al . Long-Term Implications of Tracheostomy in Cardiac Surgery Patients: Decannulation and MortalityAnn Thorac Surg. 2020

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.