Categorias: Oncologia

Imuno-oncológico pode dobrar sobrevida de pacientes com câncer

Uma droga imuno-oncológica está sendo considerada um “divisor de águas” por pesquisadores de câncer após um ensaio clínico bem-sucedido. No estudo, as taxas de sobrevivência depois de um ano foram duas vezes maior entre pacientes tratados com a droga – Opdivo (nivolumabe) – em comparação aos que receberam quimioterapia.

Para o estudo, pesquisadores recrutaram 361 pacientes com câncer de cabeça e pescoço, que falharam em responder à quimioterapia. Normalmente, pessoas nessa condição tendem a viver por menos de seis meses.

Os autores do estudo trataram 240 desses participantes com nivolumabe e 121 com um dos três tipos diferentes de quimioterapia. Dos que receberam o medicamento, 36% permaneceram vivos após um ano, em comparação com apenas 17% das pessoas no grupo de quimioterapia.

Segundo os pesquisadores, o estudo indica que é possível estender a vida de um grupo de pacientes que não tem outras opções de tratamento existentes, sem piora na qualidade de vida.

Mais sobre câncer:

– Você sabe por que o excesso de peso aumenta o risco de câncer?
– ANS propõe novo modelo de atendimento ao câncer
– Outubro Rosa: revisão dos fatores de risco para o câncer de mama
– Vasectomia aumenta risco de câncer de próstata?
– Recomendações para o rastreio do câncer de pele
– Estatinas podem reduzir o risco de morte por câncer? Entenda

No geral, o tempo médio de sobrevivência para aqueles tratados com nivolumabe foi de 7,5 meses, em comparação com 5,1 meses para aqueles que receberam quimioterapia. Além disso, apenas 13% dos pacientes que receberam nivolumabe relataram efeitos colaterais físicos, sociais ou emocionais, em oposição a 35% das pessoas no grupo de quimioterapia.

Curiosamente, a droga foi particularmente bem sucedida no tratamento de doentes cujos tumores foram infectados com HPV, permitindo que essas pessoas possam sobreviver por um período médio de 9,1 meses. Em contraste, os pacientes de quimioterapia com tumores infectados com HPV viveram durante apenas 4,4 meses.

O nivolumabe foi aprovado pela ANVISA em abril desse ano.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1602252#t=articleTop
  • https://www.iflscience.com/health-and-medicine/game-changing-immunotherapy-drug-doubles-cancer-survival-rates/
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Cama compartilhada com recém-nascidos: Quais as evidências científicas?

Fazer ou não cama compartilhada com o bebê é um assunto recorrente nas consultas de…

10 horas atrás

Ondansetrona e antieméticos: Comparação entre seus tratamentos em gestantes

A ondansetrona tem sido recentemente estudada em coortes cada vez maiores, comparada com outros antieméticos.…

1 dia atrás

Whitebook: dor abdominal crônica em crianças

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook vamos falar sobre a apresentação clínica da…

2 dias atrás

Dia Internacional da Luta contra a Endometriose

A endometriose é uma doença ginecológica, descrita pela literatura científica como inflamatória, crônica, benigna e…

2 dias atrás

IM/ACP 2021: highlights do congresso de Medicina Interna do ACP [podcast]

Neste episódio do podcast da PEBMED, nossos médicos comentam sobre os destaques do congresso de…

2 dias atrás

Maio chegou e com ele muitas novidades no Nursebook! 

A partir de agora, o nosso app conta com uma Calculadora de Dimensionamento de Equipe…

2 dias atrás