Leia mais:
Leia mais:
ATS 2022: uso de albuterol-budesonida combinado como terapia de resgate na asma
Medbolus: doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)
Quiz: quais orientações de enfermagem podem ser realizadas a uma criança com asma?
Ter cachorro ou gato precocemente na infância não está associado à asma em idade escolar
Check-up semanal: paxlovid para uso no Brasil, updates em asma e Covid-19 e mais!

Imunobiológicos no tratamento da asma

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A asma é uma doença inflamatória heterogênea caracterizada por endótipos que expressam fenótipos e são diferenciados pelas vias fisiopatológicas da doença. Atualmente a doença é dividida em inflamação T2 alta, caracterizada pela presença de eosinófilos e atopia, e a inflamação T2 baixa, em que predomina o padrão não eosinofílico. A diferenciação entre as duas vias é fundamental para utilização das drogas existentes para controle da asma, sobretudo os imunobiológicos.

Leia também: Corticoide oral no tratamento da asma: até onde podemos ir?

Imunobiológicos no tratamento da asma

Medicamentos

O omalizumabe é um anti-IgE e foi o primeiro imunobiológico aprovado para tratamento da asma. Ele é indicado para pacientes acima de 6 anos, com asma moderada a grave, não controlada, e que possuam padrão alérgico. A droga é realizada de forma subcutânea, com intervalos de 2 a 4 semanas, e a dose varia de acordo com o peso e o nível de IgE do paciente. Os efeitos esperados são redução das exacerbações e sintomas,  discreta melhora em VEF1 e em qualidade de vida. O mepolizumabe e o reslibumabe são drogas anti-IL5 efetivas em pacientes com asma eosinofílica. Quanto maior a quantidade de eosinófilos, melhor a resposta em redução de exacerbações, sintomas, corticoide oral e qualidade de vida. O reslizumabe ainda não está disponível para uso no Brasil.

O benralizumabe é um anti-IL5R, usado de forma subcutânea a cada 4 semanas também para pacientes com asma grave eosinofílica não controlada. É indicado para pacientes com eosinófilos acima de 300 e também com polipose nasal. O dupilumabe é um anti-IL4R e com efeito inibitório na IL13 utilizado para pacientes com asma T2 alto, eosinofílicos e com quadros de dermatite atópica. Os principais efeitos observados são a redução de exacerbações, na dose de corticoide oral e melhora da qualidade de vida.

O tezepelumabe é utilizado de forma subcutânea a cada 4 semanas para pacientes acima de 12 anos com asma grave. Houve redução das exacerbações, melhora dos sintomas e da função pulmonar mesmo nos pacientes não eosinofílicos.

Saiba mais: Eficácia de longo prazo de um programa de autocuidado da asma em adolescentes

Das medicações, o omalizumabe, o mepolizumabe e o dupilumabe são as mais indicadas para crianças e adolescentes com asma eosinofílica alérgica não controlada. Meta-análises recentes indicam boa efetividade no controle da doença, redução dos cursos de corticoide oral e na dose de corticoide inalatório com bom perfil de segurança. Até o momento não existem estudos que comparem uma droga com a outra e a escolha deve ser baseada no perfil do paciente e no fenótipo predominante. Além disso, a resposta ao imunobiológico pode ser avaliada nos primeiros 4 a 6 meses de uso. Se o paciente for responder à terapia, a tendência é manter a medicação por no mínimo um ano, ainda sem período determinado para suspensão. No Brasil, as drogas disponíveis no sistema único de saúde são omalizumabe e o mepolizumabe.

Mensagens práticas:

  • O avanço no entendimento da fisiopatologia da asma permitiu o surgimento de diversas imunobiológicos.
  • Quando bem indicados, todos reduziram a quantidade de exacerbações e sintomas e a maioria reduz a quantidade de corticoide oral utilizada pelos pacientes.
  • O tempo de uso para avaliação de efeito da droga é de 4 a 6 meses e há a possibilidade de troca de imunobiológicos se falha.

Referências bibliográficas:

  • Brusselle GG, Koppelman GH. Biologic Therapies for Severe Asthma. N Engl J Med. 2022 Jan 13;386(2):157-171. doi: 10.1056/NEJMra2032506.
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.