Pneumologia

Imunobiológicos no tratamento da asma

Tempo de leitura: 2 min.

A asma é uma doença inflamatória heterogênea caracterizada por endótipos que expressam fenótipos e são diferenciados pelas vias fisiopatológicas da doença. Atualmente a doença é dividida em inflamação T2 alta, caracterizada pela presença de eosinófilos e atopia, e a inflamação T2 baixa, em que predomina o padrão não eosinofílico. A diferenciação entre as duas vias é fundamental para utilização das drogas existentes para controle da asma, sobretudo os imunobiológicos.

Leia também: Corticoide oral no tratamento da asma: até onde podemos ir?

Medicamentos

O omalizumabe é um anti-IgE e foi o primeiro imunobiológico aprovado para tratamento da asma. Ele é indicado para pacientes acima de 6 anos, com asma moderada a grave, não controlada, e que possuam padrão alérgico. A droga é realizada de forma subcutânea, com intervalos de 2 a 4 semanas, e a dose varia de acordo com o peso e o nível de IgE do paciente. Os efeitos esperados são redução das exacerbações e sintomas,  discreta melhora em VEF1 e em qualidade de vida. O mepolizumabe e o reslibumabe são drogas anti-IL5 efetivas em pacientes com asma eosinofílica. Quanto maior a quantidade de eosinófilos, melhor a resposta em redução de exacerbações, sintomas, corticoide oral e qualidade de vida. O reslizumabe ainda não está disponível para uso no Brasil.

O benralizumabe é um anti-IL5R, usado de forma subcutânea a cada 4 semanas também para pacientes com asma grave eosinofílica não controlada. É indicado para pacientes com eosinófilos acima de 300 e também com polipose nasal. O dupilumabe é um anti-IL4R e com efeito inibitório na IL13 utilizado para pacientes com asma T2 alto, eosinofílicos e com quadros de dermatite atópica. Os principais efeitos observados são a redução de exacerbações, na dose de corticoide oral e melhora da qualidade de vida.

O tezepelumabe é utilizado de forma subcutânea a cada 4 semanas para pacientes acima de 12 anos com asma grave. Houve redução das exacerbações, melhora dos sintomas e da função pulmonar mesmo nos pacientes não eosinofílicos.

Saiba mais: Eficácia de longo prazo de um programa de autocuidado da asma em adolescentes

Das medicações, o omalizumabe, o mepolizumabe e o dupilumabe são as mais indicadas para crianças e adolescentes com asma eosinofílica alérgica não controlada. Meta-análises recentes indicam boa efetividade no controle da doença, redução dos cursos de corticoide oral e na dose de corticoide inalatório com bom perfil de segurança. Até o momento não existem estudos que comparem uma droga com a outra e a escolha deve ser baseada no perfil do paciente e no fenótipo predominante. Além disso, a resposta ao imunobiológico pode ser avaliada nos primeiros 4 a 6 meses de uso. Se o paciente for responder à terapia, a tendência é manter a medicação por no mínimo um ano, ainda sem período determinado para suspensão. No Brasil, as drogas disponíveis no sistema único de saúde são omalizumabe e o mepolizumabe.

Mensagens práticas:

  • O avanço no entendimento da fisiopatologia da asma permitiu o surgimento de diversas imunobiológicos.
  • Quando bem indicados, todos reduziram a quantidade de exacerbações e sintomas e a maioria reduz a quantidade de corticoide oral utilizada pelos pacientes.
  • O tempo de uso para avaliação de efeito da droga é de 4 a 6 meses e há a possibilidade de troca de imunobiológicos se falha.

Referências bibliográficas:

  • Brusselle GG, Koppelman GH. Biologic Therapies for Severe Asthma. N Engl J Med. 2022 Jan 13;386(2):157-171. doi: 10.1056/NEJMra2032506.
Compartilhar
Publicado por
Guilherme das Posses Bridi
Tags: asma

Posts recentes

Diazepam intrarretal após cirurgias de reconstrução pélvica

Foi publicado um estudo com a finalidade então de avaliar o uso de diazepam supositórios…

16 horas atrás

Governo Federal sanciona lei que cria bula digital e muda sistema de rastrear medicamentos

O Governo Federal sancionou a lei que obriga todo medicamento comercializado no Brasil a ter…

2 dias atrás

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

3 dias atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

3 dias atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

3 dias atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

3 dias atrás