Pediatria

Infecção do trato urinário (ITU) em pediatria — atualização 2021 

Tempo de leitura: 4 min.

No dia 22 de setembro, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou um documento científico contendo as novas diretrizes na abordagem da infecção do trato urinário (ITU) em pacientes pediátricos. O documento visa apresentar informações mais práticas para o tratamento de ITU febril em lactentes.

A ITU é caracterizada como um processo inflamatório do trato urinário por patógenos.  É a segunda causa de infecção bacteriana mais prevalente na faixa etária pediátrica, com  picos de incidência em lactentes, pré-escolares e adolescentes. Alguns fatores, como anomalias estruturais do sistema urinário e refluxo vesicoureteral, predispõem a maiores chances de desenvolver tal infecção.

Leia também: Atualizações sobre o tratamento de infecções no trato urinário baixo em gestantes e não gestantes

Apresentação clínica

Os sintomas mais comuns podem variar de acordo com a faixa etária. Em recém-nascidos (RN) e lactentes, devemos estar atentos a febre, vômito, icterícia e sinais de sepse. Em pré-escolares, escolares e adolescentes, é comum haver dor abdominal, disúria, polaciúria, odor fétido da urina, febre, dor lombar e urgência miccional. 

Diagnóstico

Para diagnosticar corretamente, é necessário a coleta de urina de forma adequada por cateterismo vesical, punção suprapúbica ou pelo método “clean catch”. A urocultura permanece como padrão ouro para o diagnóstico de ITU. Esta deve ser considerada como positiva para > 50 mil UFC/mL por jato intermediário, > 1000 UFC/mL por cateterismo vesical ou qualquer contagem de colônias por punção suprapúbica. 

Podemos lançar mão também de outros testes, como teste da fita reagente, bacterioscopia e sedimento urinário. Este último mostra-se sugestivo de ITU quando apresenta nitrito positivo, esterase leucocitária positiva ou acima de 5 a 10 leucócitos por campo. 

Tratamento

Inicialmente, a antibioticoterapia empregada deve ser empírica de menor espectro, de preferência, guiada pela coloração de Gram. Se a bacterioscopia não estiver disponível, priorizar cobertura para E. coli

Em lactentes maiores de três meses, dar preferência para antibioticoterapia oral. Se houver febre, tratar como pielonefrite suspeita (lembrem-se: está contraindicado a nitrofurantoína e ácido nalidíxico na suspeita de pielonefrite). Em lactentes menores de dois meses, se não houver adesão ao tratamento oral ou em caso de pacientes criticamente doentes, é necessária antibioticoterapia venosa.   

O documento sugere revisão da terapia antimicrobiana em 48 a 72 horas, atentando para o descalonamento da terapia com base no antibiograma. Em caso de piora clínica ou não melhora em 48 horas, deve-se ampliar cobertura antibiótica e avaliar malformações urinárias.  Se não houver melhora clínica ou sensibilidade do antibiótico em uso, não é necessária nova urocultura. 

Saiba mais: Como diagnosticar e tratar casos de disfunção neurogênica do trato urinário inferior?

Não há consenso sobre o tempo de tratamento, porém a maioria das diretrizes internacionais orienta na ITU febril de 10 a 14 dias de tratamento. Drogas parenterais sugeridas: cefuroxime, gentamicina, amicacina, cefotaxime ou piperacilina-tazobactam. Drogas orais sugeridas: cefuroxime, cefaclor, nitrofurantoína, cefalexina e sulfametoxazol-trimetoprima.  

Profilaxia

Até o momento não existe consenso sobre a profilaxia. Alguns autores recomendam profilaxia até o término da investigação nos casos de: alterações ultrassonográficas, ITU febril com PCR positiva, refluxo vesico ureteral grau 4 ou 5, uropatias obstrutivas e ITU recorrente (mais que 3 episódios de cistite, mais que dois episódios de pielonefrite e um episódio de cistite com um de pielonefrite). As drogas sugeridas são nitrofurantoína e sulfametoxazol-trimetoprima.

Investigação complementar: tem o intuito de identificar malformações em trato urinário. A maioria dos autores sugere que se a pielonefrite ocorrer em menores de 2 anos de idade, o exame de escolha deva ser o ultrassom (USG) renal e de vias urinárias. A solicitação de retrocistografia miccional e cintilografia renal com DMSA (ácido dimercaptossucínico marcado com tecnécio 99) se divergem por algumas diretrizes internacionais.

Prognóstico

A ITU possui bom prognóstico se tratada adequadamente. ​ Malformações renais congênitas ou função renal alterada são as que têm a maior probabilidade de doença renal crônica

Nota da autora

O guideline americano da American Academy of Pediatrics (AAP) sugeriu como limite apropriado a contagem de 50.000 UFC/mL para os casos de coleta por cateterismo vesical.

Autor(a):

Referências bibliográficas: 

  • Sociedade Brasileira de Pediatria. ​Infecção do Trato Urinário em Pediatria – Existe consenso entre os consensos? – Atualização 2021. Disponível em: https://www.sbp.com.br . Acesso em 29/09/2021
  • INFECTION SOUT. Reaffirmation of AAP Clinical Practice Guideline: The Diagnosis and Management of the Initial Urinary Tract Infection in Febrile Infants and Young Children 2-24 Months of Age. Pediatrics. 2021;138(6):
Compartilhar
Publicado por
Larissa Pires Marquite da Silva

Posts recentes

Índice de massa corporal aumentado pode estar associado à neoplasia colorretal precoce

Pesquisadores conduziram estudo de revisão sistemática com metanálise para avaliar a associação do IMC com…

43 minutos atrás

Aspirina em dose baixa como prevenção primária de desfechos adversos em gestações gemelares

Devemos prescrever aspirina só para as pacientes com alterações na ultrassom ou para todas as…

2 horas atrás

Acondroplasia: integralidade nos cuidados à saúde e acessibilidade social

A acondroplasia (AC) é considerada uma das mais frequentes osteocondrodisplasias (displasia esquelética – DE) entre os…

2 horas atrás

Revacinação contra a covid-19 para não respondedores portadores de doenças autoimunes sistêmicas é eficaz?

A resposta vacinal pode ser influenciada por doença autoimune. Por isso, um estudo avaliou se…

3 horas atrás

Enfermagem: piso salarial nacional é aprovado por unanimidade no Senado segue para a Câmara

Foi aprovado no Plenário do Senado Federal o projeto de lei que institui o piso…

4 horas atrás

Milvexian, um novo anticoagulante

Foi feito um estudo para testar um novo anticoagulante chamado milvexian, que atua de forma…

5 horas atrás