Infecções que matam rapidamente: quais são e como combatê-las [ABRAMEDE 2018]

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

As infecções hospitalares são as principais causas de sepse e consequente morte de paciente. Causadas por bactérias resistentes ao tratamento, as doenças que costumam fazer mais vítimas fatais, e mais rapidamente, são meningite meningocócica, fasciíte necrosante, pneumonia necrosante e febres hemorrágicas. Este é o tema da palestra “Infecções que matam rapidamente: como identificar a salvar o dia”, do palestrante Christopher Doty.

Como identificar as infecções

A recomendação para identificar a presença dessas infecções é a aplicação de screening para a sepse, que verifica a história clínica, sinais vitais, qual o estado do paciente, e observações de marcadores como o déficit de bases (BE) e a procalcitonina (PCT). No entanto, muitos estudos têm destacado a importância de acompanhar a evolução da procalcitonina ao longo do quadro de sepse como um marcador evolutivo, mas também têm revelado a limitação no uso dessa dosagem na abordagem inicial, cujo valor absoluto não parece ter grande valor.

Infecções que matam rapidamente mais comuns

A fasciíte necrosante ocorre em 3-5 casos por 100 mil pessoas em países desenvolvidos. porém pode chegar a 15 casos por 100 mil pessoas nas regiões mais pobres. A doença causa mortalidade em 33% dos pacientes infectados e caracteriza-se por uma dor desproporcional ao exame físico. O risco para  a fasciíte necrosante é calculado por meio do escore LRINEC.

A infecção tem dois tipos característicos:

  •  Tipo 1 – Polimicrobiana: Aeróbios + anaeróbios; aparece em pacientes com doença subjacente, como diabetes, imunossupressão).
  • Tipo 2 – Monomicrobiana: Sem predisposição. As principais causas são estreptococos do grupo A, MRSA, clostrídio, Vibrio e cocos gram-negativos.

A infecção pode-se apresentar “top down”, começando como uma infecção superficial de pele que se aprofunda, cujas manifestações iniciais são lesões de pele; ou “bottom up” a partir de disseminação hematogênica, acometendo tecidos mais profundos, como o tecido muscular, antes de se tornar superficial, manifestando-se na pele tardiamente, quando o paciente já está em um estágio bem avançado e de pior prognóstico, caso ainda não tenha sido diagnosticado, sendo esta última a forma mais grave. Equimose ou bolhas superficiais e uma infecção profunda devem chamar a atenção do clínico, que pode estar diante de uma fasciíte necrosante, e deve indicar exame tomográfico para identificar a extensão desta infecção profunda.

A pneumonia necrotizante apresenta evolução mais dramática devido à maior virulência do agente etiológico. A infecção bacteriana costuma ser causada por tuberculose, anaeróbios, Nocardia, Klebsiella, estafilococos e pneumococo. O médico deve cogitar o diagnóstico da doença quando o paciente apresentar hipoxia profunda e o quadro infeccioso evoluir rapidamente, em 2 a 4 dias. Nestes casos, deve ser considerada a TC de tórax para identificar a doença.

A pneumonia pneumocócica, causada pelo Streptococcus pneumoniae, tem alta hiperperfusão que intensifica o shunt (distúrbio V/Q) e piora muito rapidamente o quadro clínico. Já a meningite meningocócica, causada pela bactéria Neisseria meningitidis, pode ser identificada pela presença de púrpuras difusas, esta infecção mata 10% dos indivíduos tratados e pode chegar a 50% de mortalidade se não for tratada corretamente.

Entre as febres hemorrágicas mais comuns estão o ebola, doença de Marburg, dengue, febre amarela, zika e o hantavírus, que causam febre acima de 38 Cº e sangramento pelos olhos, boca, nariz, ouvidos e na urina e ou fezes.

Take home messages

A mensagem final da palestra destaca as melhores maneiras de evitar a mortalidade causada pelas infecções que matam rapidamente, como o uso da experiência e intuição do médico e tratamento precoce com antibioticoterapia; e ainda levanta o alerta de que nem sempre a avaliação laboratorial ajuda na identificação dessas doenças e que sinais como dor desproporcional ao exame físico e púrpura devem ser analisados minuciosamente.

MAIS DO CONGRESSO ABRAMEDE 2018

Lombalgia:

Sepse:

Trauma:

Cetoacidose diabética:

Síndrome coronariana aguda:

Asma grave:

A PEBMED ESTÁ NO ABRAMEDE 2018

Entre os dias 25 e 28 de setembro, a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) promove em Fortaleza (CE) a 6ª edição do maior Congresso de Medicina de Emergência Adulto e Pediátrico da América Latina. O evento conta com workshops, cursos e palestras com os maiores especialistas da área. A PEBMED está em Fortaleza e vamos publicar aqui no Portal com exclusividade as principais novidades do evento.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Eduardo Cardoso de Moura

Posts recentes

ATS 2021: novos tratamentos contra patógenos resistentes – uma pitada de esperança

Uma palestra, no ATS 2021, veio para renovar esperanças com relação à abordagem de patógenos…

51 minutos atrás

ACC 2021: finerenone e redução de fibrilação atrial

Uma análise secundária do FIDELIO-DKD, que avaliou o finerenone em desfechos cardiovasculares e renais, foi…

15 horas atrás

Check-up Semanal: ondansetrona na gestação, mucormicose pós-Covid-19 e mais! [podcast]

Hoje no Check-up Semanal comentamos sobre ondansetrona na gestação, mucormicose pós-Covid-19 e mais. Confira!

16 horas atrás

Extração de colostro: como é em gestantes diabéticas?

Uma revisão selecionou estudos relevantes sobre extração de colostro no período gestacional em mulheres diabéticas.…

17 horas atrás

Inteligência artificial na medicina baseada em evidências: como é?

Através da inteligência artificial, os dados são analisados e interpretados a fim de encontrar padrões…

18 horas atrás

Avaliação placentária através do Doppler das artérias umbilicais

Um artigo da revista Elsevier discutiu possibilidades de avaliação placentária através do Doppler das artérias…

19 horas atrás