Influência do estilo de vida na microbiota vaginal e o papel dos probióticos

A microbiota é um conjunto de micro-organismos vivos que vivem no corpo humano em simbiose e a vagina também apresenta uma microbiota própria.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A microbiota é um conjunto de micro-organismos vivos que vivem no corpo humano em simbiose, ou seja, utilizam recursos do organismo para sobreviverem e, ao mesmo tempo, também podem ser benéficos para seu funcionamento. Isto é verdade em relação tanto ao aproveitamento de nutrientes até influência no sistema imunológico.

micro-organismos existentes na microbiota vaginal

Microbiota vaginal

A vagina, uma estrutura fibromuscular vigorosa, também apresenta uma microbiota própria, localizada nas diversas camadas do epitélio escamoso da mucosa, que varia de indivíduo para indivíduo. Estes micro-organismos, bactérias aeróbias e anaeróbias, com predominância das espécies de lactobacilos (bactérias gram positivas), são fundamentais para um ambiente vaginal saudável.

Isso porque eles são capazes de proteger a vagina de outros agentes que podem causar doença, tanto pela capacidade de se aderirem à mucosa quanto pela produção de ácido lático – o pH vaginal mais baixo é importante para essa proteção, por ter propriedade antimicrobiana. Nas diversas fases da vida da mulher, como puberdade, no período do ciclo menstrual, gestação e pós-menopausa, essa flora, de forma dinâmica pode ser modificada, pois também há a atuação dos estrogênios neste contexto.

Leia mais: Microbiota e exercício físico: uma relação ambígua

Quando há desequilíbrio na microbiota, há o que se chama de disbiose. No caso da mucosa vaginal, os principais fatores de risco associados à disbiose são: idade (especialmente na pós-menopausa, com a perda da produção de estrogênios), tabagismo, estresse, atividade sexual exagerada (pelo excesso de duchas vaginais e exposição a infecções sexualmente transmissíveis), uso de cosméticos locais (como sabonetes e lenços umedecidos), uso recorrente de antibióticos e estilo de vida (principalmente quanto aos hábitos alimentares).

Em relação aos hábitos alimentares, alguns estudos mostram que deficiência de alguns elementos como ferro, cálcio, zinco, vitamina D, vitamina A, vitamina C e vitamina E aumenta o risco de vaginose bacteriana em mulheres. O consumo de alimentos ricos em gordura saturada, bem como a hiperglicemia, também parecem ser desfavoráveis para a microbiota vaginal.

O papel dos probióticos

Conceitualmente, probióticos são micro-organismos vivos de origem humana que apresentam características benéficas para o hospedeiro. No caso da mucosa vaginal, os das espécies de lactobacilos são os mais estudados. Alguns estudos mostram que o uso de produtos formulados com estes agentes pode ajudar a restabelecer a flora vaginal normal em algumas situações, como em mulheres na pós-menopausa (nestas especialmente também se houver a terapia hormonal associada) e naquelas com infecções como candidíase e vaginose bacteriana.

Porém, ainda há grandes questões não esclarecidas: ainda não se sabe a cepa mais específica para cada caso, a quantidade a ser administrada, a duração do tratamento, bem como há a influência das condições de fabricação dos produtos para garantir a viabilidade.

Mais da autora: Existe relação entre selênio e câncer de tireoide?

Mensagens práticas

De qualquer forma, a orientação de uma alimentação equilibrada em nutrientes e pobres em gorduras saturadas e alimentos ultraprocessados, bem como a prática de atividade física como forma preventiva de doenças como diabetes é fundamental.

Além disso, há fontes naturais de probióticos como as encontradas em iogurtes, kefir e kombuchas, que consumidos de acordo com orientação profissional adequada podem ser aliados para manter a saúde vaginal.

Referências bibliográficas:

  • Barrientos-Durán, A.; Fuentes-López, A.; de Salazar, A.; Plaza-Díaz, J.; García, F. Reviewing the Composition of Vaginal Microbiota: Inclusion of Nutrition and Probiotic Factors in the Maintenance of Eubiosis. Nutrients 2020, 12, 419.
  • Alimentos Funcionais: Componentes Bioativos E Efeitos Fisiológicos. Editora Rubio; Edição: 2ª (15 de fevereiro de 2016).
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão