Pediatria

Influenciadores mirins e propagandas de produtos não saudáveis

Tempo de leitura: 3 min.

Segundo um estudo recente publicado no jornal Pediatrics, os influenciadores mirins geram milhões de impressões para propagandas de marcas de alimentos e bebidas não saudáveis.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

O estudo sobre as propagandas de produtos não saudáveis

Pesquisadores do Department of Population Health, School of Medicine and School of Global Public Health, da New York University, em Nova Iorque, usaram os dados da empresa de marketing de mídia social Socialbakers para identificar os cinco influenciadores mirins, com idades entre 3 e 14 anos, mais assistidos no YouTube em 2019. Foram pesquisados 50 de seus vídeos mais assistidos e 50 de seus vídeos que apresentavam alimentos e/ou bebidas na imagem em miniatura.

Os pesquisadores também codificaram se as crianças influenciadoras consumiram ou brincaram com alimentos ou brinquedos, quantificaram o número de minutos em que alimentos e/ou bebidas apareceram e registraram os nomes das marcas. Além disso, foi avaliada a qualidade nutricional dos alimentos por meio do “Modelo de Perfil Nutricional” e identificado o número de bebidas com adição de açúcar.

Um total de 418 vídeos do YouTube atendeu aos critérios de pesquisa, sendo que 179 desses vídeos apresentavam alimentos e/ou bebidas. Os alimentos e/ou as bebidas foram apresentados nesses vídeos 291 vezes. Os cinco canais de influenciadores mirins mais assistidos foram: Ryan’s World, Sandaroo Kids, The Engineering Family, Daily Bumps e The Tube Family. Os vídeos desses influenciadores no YouTube foram vistos coletivamente 48,2 bilhões de vezes, e os vídeos com alimentos e/ou bebidas foram vistos 1 bilhão de vezes. 

Os resultados

A maioria dos alimentos e/ou bebidas eram: 

  • Itens não saudáveis de marcas: n = 263; 90,34% (por exemplo, McDonald’s);
  • Itens não saudáveis sem marca: n = 12; 4,1% (por exemplo, cachorros-quentes);
  • Itens saudáveis sem marca: n = 9; 3,1% (por exemplo, frutas);
  • Itens saudáveis de marcas: n = 7; 2,4% (por exemplo, iogurte Yoplait).

Pontos fortes do estudo incluem o fato de ser o primeiro a analisar uma amostra de vídeos para determinar a frequência de exibição de alimentos e/ou bebidas, a inclusão dos canais mais assistidos voltados para crianças e o uso de ferramentas de pontuação nutricional objetivas. Entretanto, o estudo tem algumas limitações. A amostra incluiu um subconjunto (n = 418) dos 10.058 vídeos postados nesses canais, o que pode ter subestimado a quantidade de produtos exibida pelos influenciadores mirins.

Veja mais da autora: https://pebmed.com.br/jogos-no-computador-ajudam-na-memoria-de-criancas-hiperativas/

Embora os pesquisadores tenham relatado que instruíram os programadores a pausar o vídeo quando alimentos e/ou bebidas aparecessem, algumas podem ter sido perdidas. Além disso, foi calculado o número de minutos em que alimentos e bebidas apareceram nos vídeos, mas os pesquisadores sugerem que, em estudos futuros, poderia haver maior precisão se o número de segundos for calculado.

Uma outra limitação é que, embora os dados sugiram que o McDonald’s seja responsável pela maior parte dos produtos, é possível que a metodologia não tenha permitido encontrar outras marcas. Ademais, os dados sobre quanto as famílias receberam pela exibição desses produtos não estão disponíveis publicamente. Uma família supostamente ganhou US$ 26 milhões em seu canal no YouTube incluindo, pelo menos, US$ 1 milhão em vídeos de patrocínio pago. Por fim, os pesquisadores não avaliaram como a exposição desses produtos pode afetar as escolhas alimentares.

Concluindo

Portanto, este é o primeiro estudo a documentar a ampla gama de marcas de alimentos e bebidas não saudáveis que são promovidas por meio de vídeos do YouTube com influenciadores mirins. A maioria das pesquisas de publicidade de alimentos tem se concentrado em comerciais de televisão ou anúncios online produzidos por empresas.

Segundo os pesquisadores, essa nova fronteira da publicidade não tem sido amplamente estudada e é pouco regulamentada, sugerindo a necessidade de estudos experimentais futuros para avaliar até que ponto assistir a esses tipos de vídeos aumenta o consumo de alimentos não saudáveis e se o endosso de influenciadores mirins aumenta as preferências pelo produto entre bebês, crianças pequenas e pais. 

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Alruwaily A, Mangold C, Greene T, Arshonsky J, Cassidy O, Pomeranz JL, Bragg M. Child Social Media Influencers and Unhealthy Food Product Placement. Pediatrics. 2020 Nov;146(5):e20194057. doi: 10.1542/peds.2019-4057. PMID: 33106342
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Origens e fundamentos da MBE – Parte 1: Relação entre o tratamento precoce com antibióticos para sepse e ida à feira

Nesse artigo, vamos analisar mais detalhadamente o primeiro princípio fundamental da medicina baseada em evidências…

54 minutos atrás

Infecção puerperal e sepse materna: um evento prevenível?

A sepse puerperal é cinco causas mais frequentes de morte materna no mundo, sendo responsável…

15 horas atrás

Podcast Integrado: O papel do SUS para o profissional de saúde [podcast]

Confira o podcast dos canais da PEBMED sobre o papel do SUS para o profissional…

16 horas atrás

O que pode te ajudar no tratamento do paciente séptico?

Como manejar o paciente séptico do ponto de vista hemodinâmico ao longo das próximas horas…

17 horas atrás

SBIm se posiciona sobre a suspensão da vacinação contra a Covid-19 em adolescentes sem comorbidades

Em 15 de setembro, o Ministério da Saúde (MS) ordenou que a suspensão da vacinação…

18 horas atrás

Ministério da Saúde recomenda suspensão da vacinação de adolescentes sem comorbidades

O Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica recomendando a suspensão da vacinação de adolescentes…

19 horas atrás