Inibidores SGLT2 e risco cirúrgico: o que fazer?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Os inibidores SGLT2 são uma nova classe medicamentosa no tratamento do diabetes melito, sendo os representantes mais famosos a empaglifozina, a dapaglifozina e a canaglifozina. Eles atuam no cotransportador de sódio e glicose SGLT2 presente nas células do túbulo contorcido proximal, promovendo glicosúria e natriurese. O resultado final é a redução da glicemia, com quedas absolutas de -0,5 a -0,8% na hemoglobina glicada.

Por outro lado, estes mesmos mecanismos podem ser a porta de entrada para eventos adversos, alguns potencialmente graves e fatais, como a cetoacidose diabética. O que fazer então? Primeiro, vamos conhecer os benefícios e malefícios.

inibidores SGLT2
*A cetoacidose é um evento particularmente temido, sendo o motivo da contraindicação para uso dos iSGLT2 em diabéticos tipo 1. Isso porque ela pode ocorrer com glicemias normais, sendo o diagnóstico mais difícil.

 

No paciente com insuficiência renal, deve-se suspender os iSGLT2 quando TFGe < 45 ml/min/m². Além disso, há sinergismo entre a ação diurética e os iSGLT2. Por isso, quando associados, os diuréticos devem ter sua dose reduzida.

Não há consenso sobre o manejo per-operatório dos pacientes em uso de iSGLT2, mas um excelente artigo de revisão recente sugere:

  1. Suspensão 24h antes da cirurgia.
  2. Dosagem da função renal, eletrólitos e gasometria no pré, per e pós-op imediato.
  3. Monitorização glicêmica deve seguir padrão usual, pois o risco de hipoglicemia com iSGLT2 é mínimo.
  4. Atenção à volemia. São pacientes que muitas vezes vão chegar “devendo volume” no centro cirúrgico. Esse efeito pode ser maior quando utilizada pressão positiva, como nas laparoscopias abdominais.

Mas uma dúvida que fica em aberto é se devemos rastrear infecção urinária mesmo em pacientes assintomáticos no pré-operatório. Para esta resposta, temos que aguardar novas evidências.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook.

Autor:

 

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Um comentário

  1. Dr. e no caso de pessoas normais, digo sem diabetes alguma e que resolvem tomar inibidores de SGLT-2, para emagrecer (eliminar a glicose e assim produzir menos insulina e daí não engordar). Quais os efeitos colaterais disso? Pode provocar infecções urinárias graves? mesmo tomando esses inibidores não por muito tempo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar