Cirurgia

Inibidores SGLT2 e risco cirúrgico: o que fazer?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Os inibidores SGLT2 são uma nova classe medicamentosa no tratamento do diabetes melito, sendo os representantes mais famosos a empaglifozina, a dapaglifozina e a canaglifozina. Eles atuam no cotransportador de sódio e glicose SGLT2 presente nas células do túbulo contorcido proximal, promovendo glicosúria e natriurese. O resultado final é a redução da glicemia, com quedas absolutas de -0,5 a -0,8% na hemoglobina glicada.

Por outro lado, estes mesmos mecanismos podem ser a porta de entrada para eventos adversos, alguns potencialmente graves e fatais, como a cetoacidose diabética. O que fazer então? Primeiro, vamos conhecer os benefícios e malefícios.

*A cetoacidose é um evento particularmente temido, sendo o motivo da contraindicação para uso dos iSGLT2 em diabéticos tipo 1. Isso porque ela pode ocorrer com glicemias normais, sendo o diagnóstico mais difícil.

 

No paciente com insuficiência renal, deve-se suspender os iSGLT2 quando TFGe < 45 ml/min/m². Além disso, há sinergismo entre a ação diurética e os iSGLT2. Por isso, quando associados, os diuréticos devem ter sua dose reduzida.

Não há consenso sobre o manejo per-operatório dos pacientes em uso de iSGLT2, mas um excelente artigo de revisão recente sugere:

  1. Suspensão 24h antes da cirurgia.
  2. Dosagem da função renal, eletrólitos e gasometria no pré, per e pós-op imediato.
  3. Monitorização glicêmica deve seguir padrão usual, pois o risco de hipoglicemia com iSGLT2 é mínimo.
  4. Atenção à volemia. São pacientes que muitas vezes vão chegar “devendo volume” no centro cirúrgico. Esse efeito pode ser maior quando utilizada pressão positiva, como nas laparoscopias abdominais.

Mas uma dúvida que fica em aberto é se devemos rastrear infecção urinária mesmo em pacientes assintomáticos no pré-operatório. Para esta resposta, temos que aguardar novas evidências.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook.

 

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Ronaldo Gismondi

Posts recentes

Hiperprolactinemia: pontos de atenção [podcast]

A hiperprolactinemia é um aumento de prolactina circulante. Ouça o episódio e saiba os pontos…

12 horas atrás

Aférese terapêutica no ambiente da terapia intensiva: uma revisão narrativa

Neste artigo, focamos na análise da plasmaférese terapêutica (TPE), que é a retirada de plasma…

13 horas atrás

A relação entre Covid-19 e amamentação

Estudos comprovam que mães que já tiveram Covid-19 protegem o lactente do vírus ao transmitir…

14 horas atrás

Os oito subtipos clínicos de pacientes pediátricos com obesidade

A obesidade é uma questão de abrangência mundial. Conheça estudo que classifica os subtipos de…

15 horas atrás

Fatores relacionados à função física um ano após artroplastia total de joelho

Um estudo analisa os fatores associados ao pós-operatório da artroplastia total de joelho em pacientes…

16 horas atrás

Midazolam ou dexmedetomidina intranasais na anestesia pediátrica: Qual apresenta menos eventos adversos?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do uso intranasal de midazolan e…

17 horas atrás