Infectologia

Instituto Butantan inicia testes clínicos de vacina tetravalente contra a Influenza

Tempo de leitura: 2 min.

O Instituto Butantan, em São Paulo, iniciou um estudo clínico para avaliar a eficácia e a segurança de uma nova vacina tetravalente, mais potente, contra o vírus da Influenza. O imunizante inclui quatro cepas do vírus, sendo duas da linhagem A (H3N2 e H1N1) e outras duas da B (B Victoria e B Yamagata). A entidade já fornece ao Ministério da Saúde uma vacina trivalente da Influenza.

Cepas da vacina contra Influenza

A Organização Mundial da Saúde (OMS) escolhe anualmente em setembro as cepas participantes da vacina contra a Influenza sazonal do hemisfério sul, com base na circulação deste vírus no ano anterior.

No Brasil, o imunizante em uso na rede pública protege contra três tipos do vírus Influenza, sendo dois da linhagem A e um da B. Neste ano, o Butantan vai entregar ao Governo Federal um total de 80 milhões de doses da vacina trivalente para a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, que visa ampliar a proteção, especialmente em populações consideradas de risco para o agravamento da enfermidade.

“Com os resultados que serão obtidos a partir deste novo estudo clínico, poderemos incluir este novo imunizante no portfólio de vacinas disponibilizadas ao Ministério da Saúde”, disse Dimas Covas, presidente da entidade.

A fábrica de vacinas contra a gripe do Butantan é a maior do hemisfério sul e recebeu recentemente a pré-qualificação da OMS, certificação que reafirma o reconhecimento internacional pela produção de vacinas contra a gripe sazonal e a possibilidade do Butantan fornecer o imunizante em outros países.

“A Influenza é uma das maiores ameaças à saúde pública, não só por sua imprevisibilidade, mas por seus altos custos humanos e econômicos. A vacinação anual é a medida preventiva mais efetiva, e demonstrou segurança e eficácia em adultos, idosos, crianças, gestantes e grupos adicionais de risco”, explicou Mônica Tilli Reis Pessoa Conde, gerente de desenvolvimento clínico do Butantan.

Como será o estudo clínico

O estudo contará com cerca de 6.500 participantes voluntários, que incluirá crianças e adolescentes de 3 a 17 anos, adultos de 18 a 59 anos, e idosos de 60 anos ou mais. 

Onze centros de pesquisa brasileiros irão participar dos testes clínicos em cidades dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Ceará, Pernambuco e Sergipe.  

Leia também: Vacina contra influenza em alta dose em pacientes com alto risco cardiovascular

Quem quiser participar pode entrar em contato diretamente com os centros de pesquisa participantes para obter mais informações. Na última semana, o estudo começou no Centro de Saúde Escola da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto, e na Universidade Municipal de São Caetano do Sul.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referência bibliográfica: 

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Relembrando o que é o hipoparatireoidismo

O hipoparatireoidismo é uma condição relativamente rara, causada na maioria das vezes pelo dano cirúrgico…

3 horas atrás

Pandemia impactou no aumento de peso e controle da glicemia dos portadores de diabetes tipo 2

A pandemia de Covid-19 teve um impacto bastante negativo no aumento de peso e controle…

4 horas atrás

Anemia Falciforme: você pode ser um portador deste traço

A anemia falciforme atinge um grande número de brasileiros, dessa forma, os diretos do portador…

5 horas atrás

Escabiose: orientações para o sucesso do tratamento

É importante o paciente com escabiose seguir algumas orientações para tratar a dermatose. Saiba quais…

20 horas atrás

Outubro rosa: Câncer de vulva: update 2021

As neoplasias de vulva respondem apenas por 4% das neoplasias ginecológicas. Saiba mais.

20 horas atrás

Palpação convencional x ultrassom para procedimentos neuroaxiais

Procedimentos neuroaxiais, como punção lombar diagnóstica, são realizados através da palpação de pontos de referência…

21 horas atrás