ABRAMEDE 2018

Insuficiência Cardíaca na emergência: quando internar e dar alta? [ABRAMEDE 2018]

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

As causas de insuficiência cardíaca (IC) no Brasil e nos Estados Unidos são diferentes. Aqui, há uma incidência maior de Chagas e doenças isquêmicas, e também maior mortalidade. A palestra “IC: quando internar e quando dar alta direto do departamento de emergência”, com participação de Glauber Gean de Vasconcelos, abordou diversos aspectos sobre a doença.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Risco de morte súbita na IC

Os pacientes com maior risco de morte súbita são justamente os que estão no domicílio, mesmo sendo classe funcional II. É também um paciente caro para o sistema de saúde, devido às reinternações constantes e prolongadas. Ou seja, um doente de alta morbidade, alta mortalidade e alto custo.

Qual é o perfil de atendimento de emergência da IC?

– 80% dos pacientes atendidos na emergência são internados
– 90-95% apresentam congestão à admissão, sendo que 60-70% destes são crônico agudizados, 50% poderiam ter alta em 24 horas e até 80% poderiam receber alta em 72 horas caso tenha sido feita a terapêutica adequada;
– 60% são de baixo risco prognóstico, e que podem ser liberados após otimização em até 24 horas;
– 40% têm disfunção orgânica associada à admissão;
– Apenas 4% se apresentam em choque cardiogênico.

Estratégia de atendimento da IC otimizado

A evolução da IC é dramática: 20% dos pacientes que internam e recebem alta retornam à emergência em 20 dias. O que fazer para reduzir a internação?

1. Estabelecer metas de controle da IC
2. Identificar a etiologia
3. Identificar fatores desencadeantes: infecção? Má aderência terapêutica?
4. Pesquisar comorbidades
5. Caracterizar o perfil hemodinâmico
6. Estratificar os pacientes e identificar os de alto risco
7. Fazer terapêutica precoce

A IC exige um envolvimento de todo o time da emergência, por isso, deve-se adotar um “time de resposta rápida”, a partir de um protocolo sistematizado com tratamento intensivo e metas terapêuticas claras. A adoção de time de IC na emergência comprovadamente reduz o tempo de internação e melhora os desfechos do doente.

Critérios para hospitalização imediata:

  • Edema visível: ascite, edema de membros inferiores (refletem o grau de congestão do paciente);
  • Adesão terapêutica;
  • Hipoxemia;
  • PAS < 75 mmHg;
  • Alteração mental atribuída a hipoperfusão.

Objetivos de tratamento:

  • Estabilização dos pacientes: oxigenação, tratamento da congestão, equilíbrio da hemodinâmica, disfunção de órgãos;
  • Estabilização da doença: prevenir a re-internação;
  • Prevenir progressão;
  • Antagonismo neuro-hormonal.

Tratamento estabelecido da IC

O tratamento da IC consiste em:

1) Dieta hipossódica;
2) Diuréticos em doses plenas (PAS < 110 não contraindica diurético, o médico deve avaliar o perfil);
3) IECA / BRA / inibidor da neprilisina;
4) Betabloqueador para todos (exceto intolerantes): suspender apenas no choque cardiogênico, reiniciando após resolução com metade da dose;
5) Poupador de potássio.

*Obs.: Sempre preferir medicação venosa. O paciente com IC descompensada tem edema de alça e não absorve bem medicação oral.

– Exames usuais: ECG, laboratório (função renal, eletrólitos, hemograma, BNP ou pró-BNP, ecocardiograma e radiografia de tórax).

Orientações de alta: o paciente deve procurar o médico assistente com 1 semana após a alta e realizar os exames laboratoriais.

Take-home message:

A abordagem da IC deve ser sistematizada com adoção de protocolos no serviço de emergência. Pacientes com risco baixo e intermediário podem ser tratados e receberem alta da emergência em até 72 horas, desde que atingidas as metas de tratamento intensivo.

MAIS DO CONGRESSO ABRAMEDE 2018

Insuficiência cardíaca:

Medicina Interna:

Lombalgia:

Sepse:

Trauma:

Cetoacidose diabética:

Síndrome coronariana aguda:

Asma grave:

A PEBMED ESTÁ NO ABRAMEDE 2018

Entre os dias 25 e 28 de setembro, a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) promove em Fortaleza (CE) a 6ª edição do maior Congresso de Medicina de Emergência Adulto e Pediátrico da América Latina. O evento conta com workshops, cursos e palestras com os maiores especialistas da área. A PEBMED está em Fortaleza e vamos publicar aqui no Portal com exclusividade as principais novidades do evento.

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Eduardo Cardoso de Moura

Posts recentes

Como a alimentação pode influenciar no sistema imune infantil?

O Jornal de Gastroenterologia e Nutrição Pediátrica abordou qual seria o papel da alimentação no…

9 horas atrás

Síndrome do refluxo faringolaríngeo: panorama clínico [podcast]

Neste podcast, o Dr. Gabriel Caetani falará sobre a síndrome do refluxo faringolaríngeo. Saiba mais…

9 horas atrás

Check-up Semanal: vacina da Pfizer no paciente com DRC, mnemônicos úteis no plantão e mais! [podcast

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre vacina da Pfizer em pacientes com DRC, mnemônicos…

10 horas atrás

É possível tratar endocardite infecciosa esquerda com antimicrobianos orais?

Endocardite infecciosa é uma doença que pode envolver tanto a estrutura natural do coração, quanto…

11 horas atrás

Ministério da Saúde aprova dose de reforço para profissionais de saúde

Ministério da Saúde anunciou a dose de reforço contra Covid-19 para profissionais de saúde. A…

12 horas atrás

A sustentação de carga ou mobilidade precoce após fraturas de tornozelo aumentam a chance de complicações?

As fraturas de tornozelo são lesões ortopédicas comuns, sendo tratadas, quando há indicação cirúrgica, com…

13 horas atrás