Psiquiatria

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

Tempo de leitura: 2 min.

Cada vez mais vem sendo reconhecido que sintomas de retirada após interrupção de antidepressivo são comuns e podem ocorrer a longo prazo, mantendo-se até meses após a descontinuação, além da possibilidade de ocorrência de sintomatologia grave. Um exemplo foi a atualização em 2019 pelo Royal College of Psychiatrists e National Institute for Health and Care Excellence (NICE) de recomendações a profissionais alertando para tal fato. Os sintomas de retirada após a suspensão do antidepressivo parecem ser mais comuns com uso de doses elevadas, uso crônico ou em classes específicas como os inibidores de recaptação de serotonina e noradrenalina (como a Venlafaxina).

Nesse contexto, é essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia mental pode ser semelhante, como: piora do humor, irritabilidade, agitação e ansiedade. Considerando esse novo entendimento destaca-se a importância de traçar recomendações para adequada identificação dos dois fenômenos na prática clínica.

Como diferenciar na prática clínica?

Sintomas de retirada podem ser identificados através das seguintes características:

  • Início dos sintomas mais frequentemente ocorre nos primeiros dias da redução do antidepressivo
  • Em caso de ocorrência de sintomatologia tende a existir melhora rápida (em dias) após reintrodução do antidepressivo
  • Mais comumente os sintomas mentais associam-se a sintomas físicos como: náusea, tontura ou sensações de choques no corpo (do termo em inglês “zaps”).
  • Possuem um padrão em forma de onda com tendência a atingir um pico após algumas semanas e em seguida diminuírem a intensidade gradativamente

Por outro lado, a recaída ou recorrência tende a ter um padrão mais constante de intensidade dos sintomas, iniciar com mais tempo após interrupção da medicação (semanas) e não possuir sintomas físicos associados.

Leia também: É seguro suspender antidepressivos na atenção primária?

Como minimizar os sintomas de retirada?

Não há consenso até o momento da melhor forma de realizar a redução dos antidepressivos. Tal fato é verdadeiro especialmente por estudos anteriores utilizarem reduções muito abruptas, de porcentagens grandes das drogas e desconsiderarem que há uma sobreposição dos sintomas entre os fenômenos.

Dessa forma, sugere-se redução de porcentagens pequenas da droga a cada duas a quatro semanas após a melhora completa dos sintomas de retirada. Destaca-se que antidepressivos com meia vida mais longa, como a fluoxetina, podem requerer mais tempo para estabilização da dose.

É importante destacar que há inúmeras limitações no campo e novos estudos serão necessários para abarcar essa mudança recente de entendimento acerca da síndrome de retirada. As sugestões acima também devem ser consideradas à luz das limitações no campo.

Compartilhar
Publicado por
Victor Grandi Bianco

Posts recentes

Barreiras de acesso à saúde de pessoas trans e não binárias no SUS [podcast]

Como profissionais de saúde podem abordar a redesignação de gênero com pessoas transexuais e orientação…

4 horas atrás

WONCA 2022: Como jovens médicos modificarão o futuro da medicina de família?

A última sessão plenária do WONCA 2022 encerrou o evento com esperanças em relação às…

22 horas atrás

Monkeypox: orientações aos profissionais de saúde

Monkeypox é um vírus cuja transmissão se dá por contato com secreções respiratórias e lesões…

1 dia atrás

Monkeypox e Epididimite são os destaques da semana no Whitebook

Monkeypox e Epididimite são os novos conteúdos do Whitebook. Confira a lista completa com os…

2 dias atrás

Síndrome pós-COVID-19: quais os desafios nos cuidados nutricionais?

Neste artigo, veja em detalhes o que os estudos recentes têm apontado acerca dos cuidados…

2 dias atrás

As taxas de infecção aumentam com o uso de técnicas de esterilização de uso imediato?

Neste estudo, confira se a esterilização a vapor de uso imediato aumenta as chances de…

2 dias atrás