Infectologia

Jaleco de manga curta transmite menos patógenos que o de manga longa?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

No Brasil, tradicionalmente, os médicos usam jalecos de mangas longas, existe até um certo preconceito com o de mangas curtas. Os jalecos são fonte de contaminação por patógenos, porém, nenhuma evidência mostra que o uso mangas curtas reduz o risco de transmissão de patógenos.

Neste contexto, a SHEA (Society for Healthcare of American) fez um ensaio randomizado para testar a seguinte hipótese: a transmissão de agentes patogênicos ocorre com menor frequência quando os profissionais usam jaleco de manga curta quando comparado ao de manga comprida.

MÉTODOS

Um grupo de 34 funcionários de saúde foi randomizado para usar um jaleco branco limpo de mangas curtas ou longas e luvas enquanto realizam um exame padronizado em manequim de uma cama de hospital com uma mesinha de cabeceira adjacente. O tórax e dorso do manequim estavam contaminados com 1 μg de DNA do vírus do mosaico da couve-flor. O exame incluiu palpação e percussão do  tórax e abdômen e depois dorso e duraram aproximadamente 2 minutos.

Depois do primeiro exame, os participantes lavaram as mãos com sabão e água por 30 segundos e colocaram luvas limpas antes de realizarem um exame semelhante em um manequim não contaminado (lavagem e troca de luvas foram incluídas para eliminar a contaminação das mãos como fonte de transmissão). Os participantes usaram os mesmos jalecos durante os exames de ambos manequins.

Após o exame do segundo manequim, aplicadores esterilizados Fisherbrand Poliéster (Fisher, Waltham, MA) foram utilizados para testar os punhos, mangas dos jalecos e o segundo manequim, bem como superfícies adjacentes (ex: trilho de cama e mesa de cabeceira). Uma simulação idêntica foi conduzida enquanto o participante estava vestindo um jaleco branco com a manga alternativa. O teste exato de Fisher foi usado para comparar a frequência de transferência do marcador de DNA.

Para avaliar o potencial de transferência de agentes patogênicos pelas mangas de jalecos brancos em ambiente real, foram realizadas observações anônimas de grupos de médicos durante as rondas de trabalho. Avaliaram a frequência de contato entre as mangas de jalecos brancos e pacientes ou superfícies em salas de pacientes durante interações em que foram examinados.

Leia também: ‘Lavar as mãos com álcool ou antimicrobianos? Diretriz da OMS responde’

RESULTADOS

Durante exames simulados, os punhos de manga comprida de jalecos brancos frequentemente contataram tanto o primeiro quanto o segundo manequins (26 de 34, 77% e 23 de 34, 68% de simulações, respectivamente).

Contaminação com o marcador de DNA foi detectada significativamente mais frequentemente nas mangas e / ou punhos dos profissionais e em superfícies do ambiente adjacentes ao segundo manequim quando jalecos de manga longa foram usados. Embora as mãos sejam consideradas as principais fontes de transmissão de patógenos, formas de compartilhar os equipamentos portáteis também estão frequentemente direta ou indiretamente em contato com pacientes e podem contribuir para a transmissão de patógenos.

No estudo publicado, foram fornecidas evidências de que os punhos de jalecos brancos de mangas longas podem servir de vetor para a transmissão de patógenos. A transferência do marcador de DNA viral ocorreu significativamente mais frequentemente quando os jalecos de manga longa eram usados em relação aos de manga curta. Além disso, eles entraram em contato  com os pacientes e as superfícies mais frequentemente.

CONCLUSÃO

Os dados obtidos neste estudo ainda necessitam de complementação, mas fornecem suporte para recomendação de que os profissionais usem jalecos de mangas curtas.

Em 2007, o Reino Unido implementou a política de códigos de vestimenta dos cotovelos, recomendando que os profissionais usassem roupas de manga curta sem relógio de pulso ou jóias. Será que conseguiremos mudar a tradição de jaleco de manga longa no Brasil?

Emergência exige urgência. Consulte o Whitebook e adquira a informação necessária de forma rápida. É só clicar aqui para baixar.

Autora:

Referências:

  • John, A., Alhmidi, H., Gonzalez-Orta, M., Cadnum, J., & Donskey, C. (2018). A Randomized Trial to Determine Whether Wearing Short-Sleeved White Coats Reduces the Risk for Pathogen Transmission. Infection Control & Hospital Epidemiology, 39(2), 233-234. doi:10.1017/ice.2017.264
Compartilhar
Publicado por
Dayanna de Oliveira Quintanilha

Posts recentes

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

3 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

4 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

5 horas atrás

Tapentadol x Oxicodona para controle da dor pós-operatória

A busca por um opioide com maior perfil de segurança para dor pós-operatória é altamente…

6 horas atrás

Dor no ombro após cirurgia de vesícula: foi a posição?

A dor no ombro é uma queixa bastante frequente após a cirurgia laparoscópica. Foi estudada…

7 horas atrás

Micofenolato de mofetila no manejo inicial da púrpura trombocitopênica imune

Púrpura trombocitopênica imune é uma condição autoimune que autoanticorpos antiplaquetários promovem a destruição das plaquetas…

8 horas atrás