Cardiologia

Keypoints do manejo de arritmia ventricular em pacientes com ICC

A insuficiência cardíaca (IC) é uma das principais causas de mortalidade no Brasil e no mundo. Apesar dos avanços no tratamento medicamentoso, muitos pacientes evoluem para sintomas refratários mesmo em repouso e/ou com pequenas atividades, o chamado estágio D da IC (lembrando que aqui estamos falando da ICFER, a IC com fração de ejeção reduzida).

As arritmias ventriculares são uma complicação frequente nesta população ocorrendo em 30 a 45% dos pacientes. As formas mais comuns são extra-sístoles (ESV, 1 ou 2 batimentos), taquicardia ventricular não sustentada (TVNS, 3 ou + batimentos, com duração < 30 seg e sem manifestações clínicas), taquicardia ventricular sustentada (TV) e fibrilação ventricular (FV).

O paciente com arritmia ventricular tem alto risco de morte súbita e por isso hoje é consenso que pacientes com IC e FE < 35%, a despeito do tratamento clínico otimizado, são candidatos à colocação de um desfibrilador implantável como profilaxia primária.

O problema é que mesmo com o desfibrilador implantado (CDI), o paciente pode continuar a apresentar arritmia ventriculares, havendo choques inapropriados e/ou repetidos. O que fazer então?

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Passo 1: identifique fatores desencadeadores ou descompensadores. Você deve avaliar eletrólitos (destaque para potássio, cálcio e magnésio), função renal, isquemia residual ativa, interações medicamentosas (atenção especialmente ao QT longo) e doença de base em progressão (ex: Chagas).

Passo 2: peça um ecocardiograma para avaliar a função sistólica geral e regional. Provavelmente será necessário complementar com ressonância, cujo detalhamento anatômico de áreas de cicatriz/fibrose é mais preciso. Diversos estudos mostram correlação entre a presença de cicatriz/fibrose na RM e maior risco de TV/FV. Aqui, há duas menções importantes:

  • Pacientes com QRS > 150 ms e padrão de BRE podem se beneficiar de ressincronização cardíaca (CRT). O CRT pode ser combinado a um CDI, caso o paciente ainda não tenha, e há evidências que pacientes ressincronizados têm menor risco de arritmias ventriculares.
  • Áreas de fibrose podem ser candidatas a estudo eletrofisiológico e se forem o único foco de uma arritmia ventricular, a ablação é uma excelente opção terapêutica como “primeira linha”. Ou seja, nestes casos peça o parecer de um cardiologista especialista em manejo invasivo de arritmias.

Passo 3: medicação. Em ambiente hospitalar, para uso parenteral, estão disponíveis a lidocaína e a amiodarona. Para uso oral, há apenas a amiodarona. Os demais antiarrítmicos, como sotalol, propafenona e procainamida, estão contraindicados em pacientes com ICFER avançada.

Passo 4: no paciente refratário à amiodarona, há indicação para estudo eletrofisiológico e tentativa de ablação dos focos de arritmia. Há dois problemas nesta estratégia: (1) a origem da arritmia pode ser multifocal ou não identificável, sendo inviável a ablação e (2) o próprio procedimento invasivo pode descompensar a IC. São fatores de risco para descompensação da IC neste contexto: idade > 60 anos, DPOC, anestesia geral, cardiopatia isquêmica, NYHA III ou IV, FE < 25%, diabetes melito ou tempestade elétrica (VT storm). O escore PAINEESD foi desenvolvido com base nestes fatores de risco e a proposta é que os pacientes de alto risco recebam monitorização hemodinâmica invasiva pré, per e pós procedimento e/ou assistência circulatória mecânica. Os pacientes são divididos em baixo (< 10 pontos), médio (10-16 pontos) ou alto (> 16 pontos) risco.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Variável Pontuação
DPOC 5
Idade > 60 anos 3
Anestesia geral 4
Cardiopatia isquêmica 6
NYHA III ou IV 6
FE < 25% 3
Tempestade elétrica 5
Diabetes melito 3

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Ronaldo Gismondi

Posts recentes

Uso da inteligência artificial para otimização do tratamento da sepse

Estudo avaliou modelo computacional no campo da Inteligência Artificial, capaz de sugerir tratamentos otimizados para…

8 minutos atrás

Check-up Semanal: semana da sepse, dieta vegetariana em crianças e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre semana da sepse, dieta vegetariana em crianças, apendicite…

1 hora atrás

Anestesia e síndrome carcinoide: o que precisamos saber?

A síndrome carcinoide pode surgir quando os peptídeos vasoativos secretados pelas células tumorais entram na…

2 horas atrás

Anvisa aprova uso de baricitinibe em pacientes hospitalizados com covid-19

A Anvisa aprovou uma nova indicação para o baricitinibe: o tratamento de adultos hospitalizados com…

3 horas atrás

Qual é a melhor combinação no tratamento conservador de lesões do manguito rotador?

Um estudo analisou o melhor regime de supervisão dos exercícios e o benefício das infiltrações…

4 horas atrás

AVC: como obter certificação online para aplicação da NIHSS

Foi criada uma escala para quantificar a magnitude e gravidade do AVC, a NIHSS, sendo…

5 horas atrás