Enfermagem

Leis trabalhistas e o retorno ao trabalho da mãe que amamenta: uma entrevista com Olga Carpi

Tempo de leitura: 4 min.

A volta ao trabalho depois que o bebê nasce pode ser um momento doloroso para mãe e, por isso, é importante o apoio de todos, inclusive dos empregadores, para que as dificuldades deste período sejam superadas tendo em vista que o desmame precoce e/ou ter a introdução alimentar antecipada não são recomendados e devem ser desaconselhados. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério de Saúde (MS) do Brasil orientam que o aleitamento materno deve ser exclusivo até os primeiros 06 (seis) meses de vida da criança, mas as mulheres que trabalham com carteira assinada no Brasil têm direito a 04 (quatro) meses de licença maternidade e após o final desse período a lactente tem respaldo por lei (artigo 396 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT) a dois intervalos de 30 (trinta) minutos cada para amamentar, até que o bebê complete os 06 meses de idade ou a sair uma hora mais cedo do trabalho para amamentar. Além disso, de acordo com a Lei nº 13.467/2017, que dispõe sobre a reforma trabalhista, esse direito pode ser prorrogado, a critério médico, quando a saúde da criança exigir.

Leia também: Recomendações para mulheres com suspeita ou Covid-19 confirmado e recém-nascidos nas maternidades

Pensando na importância dessa temática e em como o enfermeiro pode atuar e empreender nesse campo de atuação, convidamos a Olga Carpi, graduada em enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e que hoje atua como consultora em amamentação no Amamente Mais, para responder algumas perguntas:

  • Quais são os benefícios de continuar a amamentação após a volta ao trabalho?

Atualmente, no Brasil, a licença maternidade de trabalhadoras que estão vinculadas ao CLT é de 4 meses, a recomendação oficial dos principais órgãos de saúde no Brasil e no mundo é de se manter o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida do bebê, logo, essa conta não fecha. Não amamentar após a volta ao trabalho significa ofertar de forma indiscriminada a fórmula artificial, que é um ultraprocessado, podendo aumentar os riscos do bebê desenvolver alergias de pele, gastrointestinais e alimentares. Portanto os benefícios de continuar amamentando englobam a saúde do bebê do ponto de vista nutricional, imunológico, além de favorecer o vínculo entre mãe e bebê, já que estes, passarão horas afastados.

  • Como deve ser a preparação para a volta ao trabalho?

A mulher que precisará retornar precisa de planejamento, aliado a rede de apoio e ajustes de expectativas, desta forma, munida de informações ela começará a agir, para iniciar o estímulo ao seu corpo, aumentando a produção de leite com o objetivo de estocá-lo, organizar estoque de forma otimizada, evitando o desperdício do leite extraído, e entendendo o processo de oferta de leite materno de forma segura, para seguir amamentando em livre disponibilidade sempre que estiver com o bebê.

  • Como fica a produção do leite sem a livre demanda?

Nosso corpo tem a incrível habilidade de se ajustar, se calibrar de acordo com a demanda, que na falta da sucção potente do bebê, é substituída pelo estímulo da rotina de extração de leite.

  • Qual a melhor forma de armazenar, preparar e oferecer o leite para o bebê?

Idealmente armazenar em frascos de vidro com tampa plástica de rosca, congelados no freezer por 15 dias, ou na geladeira por 12 horas. Descongelar o leite em geladeira e ofertar uma porção, essa oferta pode ser com leite gelado mesmo, ou amornado em banho maria, com fogo desligado e com água morna. A oferta pode ser feita em copo de dose/pinga para proteger a amamentação e não interferir no padrão de sucção do bebê, o que acontece com a mamadeira, por exemplo, e que pode levar a uma confusão de bicos e fluxos, e posteriormente a um desmame precoce (todo desmame antes dos 2 anos de vida do bebê).

  • Até que idade do bebê é necessário manter a rotina de extração do leite materno?

Pelo menos até 1 ano de vida do bebê, é aconselhável, considerando que o leite é o principal alimento até então, e que os bebês estão em processo de introdução alimentar. Claro que vale observar individualmente cada caso, e fazer essa transição gradualmente, após os 12 meses. Lembrar que em muitos momentos, o bebê pode aceitar apenas o leite materno, como no caso de viroses, incômodo por dentes nascendo e etc.

  • O que você considera como mais importante nesse processo da volta ao trabalho da mulher que amamenta?

O acesso a informação de qualidade, relevante e atualizada. Muitas, por desconhecer as possibilidades, ou por orientações equivocadas de profissionais que banalizam a amamentação, atrelam o retorno ao trabalho ao desmame, introdução de fórmula, ou pior: introdução alimentar precoce. Munidas de informação, essas mulheres se empoderam, entendem o processo de produção de leite, começam a confiar na potência de seus corpos, e vivenciam a revolução na cultura da amamentação.

  • Como foi a sua experiência de retornar ao trabalho depois de ser mãe?

Voltei a trabalhar quando Olívia tinha de 4 para 5 meses, passava cerca de 12 horas fora todos os dias. Consegui mantê-la em aleitamento materno exclusivo até os 6 meses. Fiz minha rotina de extração até os 18 meses dela, e sigo amamentando, hoje ela tem 3 anos e 2 meses e sem sinais de desmame por aqui! Na época, como eu não estava munida de informações, foi bem caótico. Demorei para começar a estimular meu corpo, não entendia a oferta do leite como um processo, e nutria expectativas completamente irreais. Só depois de voltar a trabalhar e entender onde eu tinha acertado, e onde eu tinha muito a melhorar que foi ficando mais proveitoso esse momento. Sempre gostei muito de trabalhar, mas a insegurança de pensar que minha filha poderia passar fome, não me deixava focar no trabalho. Foram longas semanas, meses assim. Sem contar na privação de sono, e o cansaço de horas de trânsito diariamente. Posteriormente, vi que não me encaixava mais naquelas metas, ambiente corporativo e viagens, congressos e jantares intermináveis. Fundei a Amamente Mais, empresa que tem como objetivo levar informação para mulheres que desejam amamentar após o fim da licença-maternidade. Hoje são mais de 2500 alunas espalhadas por mais de 12 países, e mais de 40 mil pessoas impactadas pelos conteúdos disponíveis nas redes sociais.  

Através das menções legislativas citadas e as experiências descritas pela entrevistada, o presente texto visa corroborar com mulheres que vivenciam o processo de amamentação e que tiveram que retornar ao mercado de trabalho assim como os profissionais de saúde que no desenvolvimentos de suas atividades poderão orientar sua clientela sobre seus direitos e ao mesmo tempo promover a amamentação.

 

Compartilhar
Publicado por
Isabelle Gaspar

Posts recentes

O sofrimento psíquico causado pelo ódio racial contra negros

O discurso de ódio racial é antigo na história mundial e possui notável dano àqueles…

33 minutos atrás

Chikungunya pode causar comprometimento cognitivo em idosos, aponta estudo

Um estudo conseguiu demonstrar um declínio significativo dos processos cognitivos em idosos que foram infectados…

2 horas atrás

Suplementos Alimentares no Idoso: pontos de atenção

Os idosos são um grupo de atenção quando o assunto é suplementos alimentares. Saiba mais…

15 horas atrás

Morte encefálica: faz sentido um anestesista em uma cirurgia para doação de órgãos?

A anestesia é usada para amenizar a resposta fisiológica resultante da morte encefálica e otimizar…

16 horas atrás

Você conhece a sequência atrasada de IOT? [podcast]

Neste episódio, o intensivista Vinicius Zofoli conversa sobre a realização da sequência atrasada de intubação…

17 horas atrás

SUS: Sancionada lei que amplia prevenção de câncer em mulheres

Foi sancionada a lei que amplia a prevenção, a detecção e tratamento de diferentes tipos…

18 horas atrás