Liproteina a, proteína C reativa e risco cardiovascular

Um estudo teve o objetivo de avaliar a relação da Lp(a) e PCR-us em pacientes em prevenção primária e secundária. 

A lipoproteína(a) (Lp(a)) é uma partícula pró-aterogênica e seus níveis aumentados têm relação com doença cardiovascular (DCV) aterosclerótica, como doença arterial coronariana e doença arterial obstrutiva periférica (DAOP).  

Ainda, inflamação tem papel central no desenvolvimento de DCV aterosclerótica e alguns estudos já mostraram benefício de medicações que atuam nas vias de resposta imune que incluem a proteína C reativa (PCR) ultrassensível (us). 

Estudos pequenos encontraram relação da Lp(a) e PCR-us, sugerindo que Lp(a) aumentada levaria a maior risco cardiovascular apenas em pacientes com PCR-us aumentada. Assim, foi feito um estudo para avaliar essa relação em pacientes em prevenção primária e secundária. 

Representação gráfica de um coração que pode sofrer de Insuficiência cardíaca devido a anormalidades no nível de potássio

Métodos do estudo e população envolvida

Foram incluídos pacientes em prevenção primária, sem DCV aterosclerótica, de um banco de pacientes do Reino Unido, e pacientes em prevenção secundária, com dados de pacientes de dois estudos TIMI, o FOURIER e o SAVOR, que tinham DCV aterosclerótica.  

Os desfechos foram risco de eventos cardiovasculares adversos maiores (MACE), que consistiu de morte cardiovascular, infarto agudo do miocárdio (IAM) ou acidente vascular cerebral isquêmico (AVCi); componentes individuais do MACE e DAOP. 

Os pacientes foram dicotomizados em grupos de acordo com a PCR-us: ≥ 2mg/L ou < 2mg/L. Esses pacientes foram avaliados em relação a ocorrência de eventos de acordo com o valor de Lp(a), a partir de 50nmol/L. 

Resultados

Foram avaliados 357.220 pacientes em prevenção primária. Desses, 35% tinham PCR-us ≥ 2mg/L e 65% < 2mg/L. No seguimento de 11 anos houve 37.575 pacientes com MACE e tanto Lp(a) quanto PCR-us aumentados tiveram associação com eventos, sendo o risco maior quanto maior o seu valor. 

Maiores níveis de Lp(a) foram associados a maior risco de MACE, IAM, AVCi e DAOP, independente do PCR-us basal. Não houve associação de Lp(a) e morte cardiovascular. 

Já os pacientes em prevenção secundária foram 34.020 e tanto Lp(a) quanto PCR-us foram associados a ocorrência de MACE, sendo também o risco maior quanto maior o seu valor. No seguimento médio de dois anos houve 2.412 pacientes com MACE. Maior valor de Lp(a) foi associado a maior risco de MACE, IAM e DAOP, independente do PCR-us basal. Não houve relação com a ocorrência de morte ou AVCi.  

Ao comparar pacientes com Lp(a) e PCR-us normais, ter os dois aumentados resultou em maior risco, com aumento de 1,6 vezes na chance de IAM e 1,8 vezes na chance de DAOP. Aumento de apenas um dos dois tiveram risco intermediário, configurando uma relação aditiva entre Lp(a) e PCR-us no contexto de risco cardiovascular.

Proteína C reativa (PCR): o que saber para a prática clínica

Comentários e conclusão

Esse estudo mostrou que maiores níveis de Lp(a) foram associados a maior ocorrência de MACE, IAM e DAOP, independente da PCR-us basal em uma grande amostra de pacientes sem DCV estabelecida e em pacientes em prevenção secundária. 

O estudo tem algumas limitações, como a o fato de ter utilizado um banco de dados que baseia o diagnóstico em códigos, podendo haver viés de seleção. Pacientes em prevenção secundária foram pacientes de estudos prévios e os resultados encontrados foram consistentes.  

A partir desses dados, a Lp(a) pode ser considerada um fator de risco cardiovascular e a PCR-us um marcador inflamatório, que pode não refletir completamente esse risco.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Small AM, Pournamdari A, Melloni GEM, Scirica BM, Bhatt DL, Raz I, Braunwald E, Giugliano RP, Sabatine MS, Peloso GM, Marston NA, Natarajan P. Lipoprotein(a), C-Reactive Protein, and Cardiovascular Risk in Primary and Secondary Prevention Populations. JAMA Cardiol. 2024 Feb 14:e235605. doi: 10.1001/jamacardio.2023.5605. Epub ahead of print. PMID: 38353970; PMCID: PMC10867772.