Lonsurf, novo medicamento de câncer colorretal chega ao Brasil

Tempo de leitura: 2 min.

Registrado em mais de 91 países, o Lonsurf (trifluridina + cloridrato de tipiracila), quimioterápico oral, já está disponível no país para pacientes adultos com câncer colorretal metastático que receberam outros tratamentos considerados padrão, como quimioterapia e anticorpos.

Os principais benefícios desse novo tratamento é prolongar a sobrevida dos pacientes e melhorar a qualidade de vida, com poucos efeitos colaterais, como explica melhor a oncologista gastrointestinal Rachel Riechelmann, presidente do Grupo Brasileiro de Tumores Gastrointestinais (GTG) e diretora do Departamento de Oncologia Clínica do A. C. Camargo Câncer Center, em São Paulo, em entrevista para o Portal PEBMED.

“Estamos falando de um tratamento de terceira, quarta linha, após o paciente já ter recebido os tratamentos que são considerados padrão disponíveis, ou naqueles pacientes não candidatos a tais terapias, que incluem quimioterapia e terapias de alvo molecular. Os resultados mostram que o tratamento prolonga a sobrevida dos pacientes e tem um perfil de eventos adversos, principalmente hematológicos, e na maioria das vezes assintomáticos e manejáveis. Portanto, é uma nova alternativa nesse cenário com poucos tratamentos disponíveis”.

Os principais efeitos colaterais apresentados no estudo Randomized trial of TAS-102 for refractory metastatic colorectal cancer foram anemia e baixa dos leucócitos, que são vistos nos exames de sangue. “Os pacientes não sentem muito, mas é um efeito que a gente monitora nos exames e eles já são esperados, pois esta nova medicação é um tipo de quimioterapia oral”, pontua Rachel Riechelmann.

De acordo com o Laboratório Servier, somente entre setembro de 2019 e setembro de 2020, 59 mil pacientes foram tratados com esse medicamento em todo o mundo.

Aprovação da Anvisa ao Lonsurf e estimativa de casos

A aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesse cenário, é baseada nos resultados de um grande estudo de fase III, o Recourse, onde Lonsurf prolongou significativamente a sobrevida global dos pacientes reduzindo em 31% o risco de morte, quando comparado ao placebo.  Pacientes que receberam o medicamento tiveram uma melhora em sua sobrevida global e foram capazes de permanecer em forma e ativos por mais tempo.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a estimativa da incidência de câncer colorretal no Brasil para 2020 é de 40.990 casos. É o segundo câncer mais incidente nos homens e nas mulheres. Este número somente é menor que o de câncer de próstata e mama respectivamente, mostrando a necessidade de novas terapias disponíveis no Brasil para esses pacientes.

Novidades terapêuticas para os pacientes oncológicos

Os tratamentos de alvo molecular e a imunoterapia para câncer colorretal são as grandes novidades terapêuticas para os pacientes oncológicos nos últimos anos.

“Estes dois tipos já são indicados para alguns tipos de tumores que apresentam alterações moleculares raras, mas onde o remédio tem um efeito muito importante com a redução do tumor e o prolongamento da sobrevida”, diz Rachel Riechelmann.

A especialista também acrescenta que, atualmente, existem muitas pesquisas em câncer e sempre aparecem novidades. Ela destaca que é importante que os médicos conversem com seus pacientes oncológicos e os mantenham informados.

“Inclusive, está em andamento uma pesquisa com o medicamento para pacientes que acabaram de ter o diagnóstico de câncer colorretal metastático e não apenas na atual indicação da Anvisa, que deve ser utilizado somente após a utilização de outros prévios. Muito provavelmente, os resultados deste trabalho devem ser concluídos e divulgados pelo próximo semestre”, adianta a médica.

Vamos aguardar! 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Relacionados