Página Principal > Neurologia > Manejo da depressão pós-AVC: o que você precisa saber sobre as últimas evidências

Manejo da depressão pós-AVC: o que você precisa saber sobre as últimas evidências

A depressão pós-AVC afeta aproximadamente um terço dos sobreviventes, em qualquer momento após o incidente. Apesar da alta prevalência, ainda permanecem as incertezas em relação aos fatores de risco e estratégias de prevenção e tratamento. Pensando nisso, as American Heart Association e American Stroke Association fizeram uma revisão dos estudos publicados para ajudar o médico no manejo da condição.



Com base nas evidências disponíveis – mas que ainda precisam de estudos mais conclusivos -, os autores acreditam que os mecanismos envolvidos na depressão pós-AVC incluem fatores biológicos e psicossociais. Pacientes em maior risco são aqueles com histórico de depressão antes do incidente, que tiveram AVC grave ou que tenham comprometimento cognitivo.

Identificando pacientes em risco

Algumas ferramentas simples de rastreamento podem ser úteis para identificar pacientes em risco; três delas se mostraram mais eficazes:

  • a escala de depressão do Center for Epidemiological Studies
  • a escala de Hamilton para depressão
  • e o questionário do Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9)

Entre elas, os autores destacam o PHQ9, que consiste apenas de 9 perguntas, sendo a mais indicada para uma clínica com muitos pacientes.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Tratamento

Em relação ao tratamento, 12 ensaios com um total de 1.121 pacientes sugerem que os antidepressivos podem ser eficazes, embora a escolha do agente deve ser feita cuidadosamente, já que alguns fármacos interagem com os medicamentos de prevenção secundária prescritos para pacientes com AVC.

Além disso, outros 7 ensaios, totalizando 775 doentes, sugerem que breves intervenções psicossociais podem ser úteis e eficazes no tratamento.

Prevenção

Entre os estudos analisados sobre prevenção da depressão pós-AVC, os autores destacaram 8 ensaios, total de 776 pacientes, que sugerem que o tratamento farmacológico pode ser eficaz. No entanto, estudos adicionais são necessários para determinar o momento ideal e a duração.

Outros 5 ensaios, com 1.078 doentes no total, sugerem que as terapias psicossociais podem prevenir a depressão pós-AVC, mas os estudos apontados ainda precisam de mais validação.

Referências:

  • Poststroke Depression: A Scientific Statement for Healthcare Professionals From the American Heart Association/American Stroke Association. Towfighi A Ovbiagele B El Husseini N Hackett M Jorge R et. al.
    Stroke, 2016. DOI: https://doi.org/10.1161/STR.0000000000000113
  • New AHA/ASA Scientific Statement on Depression After Stroke. Medscape. Dec 21, 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.