Manejo da hiperglicemia na emergência em pacientes com diabetes tipo 2 - PEBMED

Manejo da hiperglicemia na emergência em pacientes com diabetes tipo 2

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Paciente com diabetes tipo 2 frequentemente se apresentam na emergência com hiperglicemia grave. Apesar de ser uma adversidade comum, ainda não há consenso sobre os cuidados antes da alta hospitalar. Por isso, pesquisadores realizaram um estudo para determinar se existe uma associação entre a redução da glicemia e os desfechos adversos após um período de sete dias.

Pesquisadores realizaram um estudo retrospectivo de 566 visitas à emergência em que os pacientes com diabetes tipo 2 tiveram níveis iniciais de glicose no sangue ≥ 400 mg/dL. A hiperglicemia foi a principal queixa em metade dos casos. Nenhum paciente apresentou cetoacidose diabética ou sintomas hiperosmolares. A maioria dos pacientes recebeu insulina subcutânea, fluidos intravenosos ou ambos.

O nível médio de glicose no momento da alta hospitalar foi de 334 mg/dL, com uma ampla gama (48-694 mg / dL). Nove pacientes desenvolveram hipoglicemia iatrogênica durante suas estadias na emergência. Nas análises ajustadas para variáveis, o nível de glicose na alta não foi associado com risco para visita repetida ([OR] 0,997; [IC] 95% = 0,993 – 1,001) ou hospitalização por qualquer causa ([OR] 0,998; [IC] 95% = 0,995 – 1,002) em sete dias, o que ocorreu em 13% e 7% dos casos, respectivamente.

Veja também: ’10 fatos que você precisa saber sobre o controle glicêmico intra-hospitalar’

Os riscos para visitas repetidas ou hospitalização em sete dias não foram maiores em pacientes com níveis de glicose na alta de > 350 mg/dL. Durante o seguimento de sete dias, apenas dois pacientes apresentaram cetoacidose e nenhum apresentou hiperglicemia hiperosmolar.

Os resultados indicam que a hiperglicemia na emergência não necessariamente necessita de redução aguda/intensa.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • Discharge Glucose Is Not Associated With Short-Term Adverse Outcomes in Emergency Department Patients With Moderate to Severe Hyperglycemia. Driver B Olives T Bischof J Salmen M Miner J. Annals of Emergency Medicine, 2016 vol: 68 (6) pp: 697-705.e3. DOI: 10.1016/j.annemergmed.2016.04.057
  • https://www.jwatch.org/na42972/2016/12/08/managing-hyperglycemia-emergency-department-patients?query=etoc_jwgenmed&jwd=000020039906&jspc=IM

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar