Página Principal > Neurologia > Manifestações neurológicas nas doenças gastrointestinais
doenças gastrointestinais

Manifestações neurológicas nas doenças gastrointestinais

Tempo de leitura: 2 minutos.

As manifestações gastrointestinais como disfagia; diarreia, gastroparesia, obstipação entre outras, são comuns nas doenças neurológicas de uma forma geral. Com certeza você já presenciou casos destas alterações secundárias às doenças cerebrovasculares; doença de Parkinson; esclerose múltipla ou lesões medulares, por exemplo.

O inverso também é importante e o médico deve estar atento às manifestações neurológicas das doenças gastrointestinais. Em alguns casos, estas antecedem o aparecimento do quadro intestinal típico da doença. Podem ser primárias, onde as manifestações neurológicas fazem parte do quadro clínico, ou secundárias a uma síndrome de má absorção causada pela doença de base. Dois grandes exemplos são: doença de Whipple e a doença celíaca.

Manifestações neurológicas na Doença de Whipple

A doença de Whipple é multissistêmica, causada pelo Tropheryma whipplei, caracterizado por sintomas articulares, diarreia crônica, má absorção e perda de peso. O envolvimento isolado de outros órgãos, principalmente o sistema nervoso central (SNC) e as válvulas cardíacas, podem ocorrer na ausência dos achados clássicos da doença de Whipple.

Normalmente, o envolvimento do SNC é assintomático e diagnosticado apenas pela detecção de PCR de T. whipplei no líquido cefalorraquidiano (LCR). Entre os pacientes com envolvimento sintomático do SNC, a disfunção cognitiva, incluindo demência, é a anormalidade mais comum.

Leia maisComo ocorrem as manifestações neurológicas em doenças gastrointestinais? [PEBMEDCast]

Dois achados, dos quais pelo menos um está presente em aproximadamente 20% desses pacientes, são considerados patognomônicos para a doença de Whipple: miorritmia oculomastigatória (movimentos rítmicos contínuos de convergência ocular com contrações concomitantes dos músculos mastigatórios) e miorritmia oculo-facial-esquelética. Essas anormalidades são quase sempre acompanhadas por paralisia do olhar vertical.

O envolvimento neurológico isolado é raro e de difícil diagnóstico, porém, uma variedade de achados neurológicos foram descritos em séries de casos, incluindo ataxia, mioclonia; hemiparesia; neuropatia periférica; convulsões e disfunção hipotalâmica.

Manifestações neurológicas na doença Celíaca

A doença celíaca, que classicamente é definida como uma enteropatia sensível ao glúten, apresenta as seguintes características: atrofia das vilosidades; sintomas de má absorção, como esteatorreia; perda de peso ou outros sinais de deficiência de nutrientes e/ou vitaminas. Uma importante ferramenta diagnóstica é a presença do anticorpo contra a transglutaminase tecidual.

Vários estudos descrevem uma associação entre doença celíaca e sintomas neurológicos ou psiquiátricos, como: cefaleia; neuropatia periférica; ataxia; depressão; distimia; ansiedade e epilepsia. As neuropatias periféricas, caracterizadas por queimação, formigamento e dormência nas mãos e pés, são bem descritas nos pacientes com doença celíaca e podem preceder seu diagnóstico.

Em pacientes com doença celíaca, as neuropatias também podem estar associadas a linfoma e deficiências de vitaminas B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B3 (niacina), B6 ​​(piridoxina), B12 (cobalamina) e E.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Ronald F. Pfeiffer. Gastroenterology and Neurology. Neurology of Systemic disease p. 744-761. June 2017, Vol.23,No3.
  • Bally JF, Méneret A, Roze E, et al. Systematic review of movement disorders and oculomotor abnormalities in Whipple’s disease. Mov Disord 2018; 33:1700.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.