Ginecologia e Obstetrícia

Menopausa: terapia cognitivo-comportamental reduz sensação de calor

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A menopausa é um evento que traz diversas repercussões na vida da mulher. Cerca de 85% delas que estão no climatério apresentam sintomas vasomotores (fogachos, sudorese noturna); 60% reportam alguma queixa genito-urinária (ressecamento vaginal, dispareunia) e ocorre disfunção sexual em até 87% dos casos, com diminuição da libido e dificuldade em atingir o orgasmo. Nos casos de menopausa induzida por tratamento (ooforectomia, quimioterapia, radioterapia), os sintomas são ainda mais intensos do que nas mulheres que menopausaram naturalmente.

A terapia de reposição hormonal (TRH) é considerada o tratamento mais efetivo e é geralmente prescrita para alívio dos sintomas climatéricos. No entanto, a busca por opções não hormonais para manejo do climatério tem ganhado espaço, seja por demanda da paciente ou por contraindicação ao tratamento hormonal, como nas mulheres com história de câncer de mama, por exemplo.

Nesse contexto, a terapia cognitivo-comportamental e a técnica de mindfullness vem ganhando espaço, na tentativa de redução do estresse, que pode ser um gatilho para esses sintomas. Uma metanálise de 10 ensaios clínicos randomizados controlados publicada no Brittish Journal of Obstetrics and Gynaecology avaliou o efeito dessas técnicas na frequência dos fogachos, incômodo referido pelos fogachos e outros sintomas climatéricos.

Foi encontrada uma redução, de pequena a moderada, em relação ao desconforto dos fogachos, a curto e médio prazo, com o uso das intervenções descritas, tanto para as pacientes com menopausa natural quanto iatrogênica. A redução da frequência dos fogachos, no entanto, não foi estatisticamente significativa. Não foram reportados efeitos adversos.

Houve algumas limitações, como por exemplo a falta de estudos sobre desfechos a longo prazo e, contraditoriamente, falta de dados sobre os efeitos na função sexual, que é extremamente importante e prevalente nessa população. Além disso, o câncer de mama foi a única causa de menopausa induzida investigada nos estudos incluídos na metanálise. Ainda não há ensaios clínicos comparando a eficácia entre as técnicas.

A metanálise conclui que a meditação e psicoterapia parecem ser opções seguras e eficazes na redução do desconforto dos fogachos, mas que são necessários mais estudos, focando principalmente nos desfechos sexuais.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Van Driel CM, Stuursma A, Schroevers MJ, Mourits MJ, de Bock GH. Mindfulness, cognitive behavioural and behaviour-based therapy for natural and treatment-induced menopausal symptoms: a systematic review and meta-analysis. BJOG 2019;126:330–339.
Compartilhar
Publicado por
Julianna Vasconcelos Gomes
Tags: menopausa

Posts recentes

20 de janeiro – Dia Nacional da Parteira Tradicional

O dia 20 de janeiro é considerado o Dia Nacional da Parteira Tradicional, em homenagem…

37 minutos atrás

Casos de diabetes no Brasil aumentam 26,61% em dez anos, revela levantamento

Nos últimos dez anos houve um aumento de 26,61% no número de casos de diabetes…

37 minutos atrás

Mão-pé-boca: doença do verão

No verão, o número de casos de crianças com a doença mão-pé-boca aumenta. O blog…

15 horas atrás

Sobrecarga médica no cenário atual da Covid-19

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, confira sobre o cenário atual da Covid-19…

16 horas atrás

Medicina Baseada em Evidências: como não afundar no oceano de informações?

A 7 edição da Revista PEBMED será sobre Medicina Baseada em Evidências. Aqui, mapeamos os caminhos…

17 horas atrás

Encefalopatia hepática encoberta: o que é?

A encefalopatia hepática é uma alteração metabólica e reversível de déficit cognitivo ou alteração de…

18 horas atrás