Metformina pode causar deficiência de vitamina B12 em diabetes tipo 2?

Tempo de leitura: 3 min.

Metformina é um hipoglicemiante oral amplamente utilizado no tratamento de portadores de diabetes mellitus tipo 2, que age reduzindo a gliconeogênese hepática, a absorção intestinal de glicose e aumentando a sensibilidade à insulina. Dessa forma, é benéfica para o controle da glicemia basal e pós-prandial. Estudos já mostraram tais benefícios, que refletem em menor risco cardiovascular e, consequentemente, menor mortalidade.

A vitamina B12 é um nutriente necessário para hematopoiese e função neurológica, encontrado principalmente em alimentos de origem animal. Sua deficiência pode resultar em anemia e alterações neurológicas, como depressão, alteração de humor, insônia, amnésia, psicose, demência, parestesias e paresias. Algumas manifestações da síndrome anêmica são fadiga, dispneia, palidez, tonteira e palpitações. Se a vitamina não for reposta adequadamente, os sintomas podem piorar progressivamente, e o quadro neurológico pode tornar-se irreversível. Por conta disso, o diagnóstico precoce da deficiência é fundamental.

Recentemente, Oana Albai et al relataram o caso de um paciente que desenvolveu deficiência de vitamina B12 pelo uso de metformina.

Leia nossa revista especial sobre diabetes!

Caso clínico

Era um paciente obeso de 62 anos, previamente diabético em tratamento com metformina e sitagliptina, que se apresentou com fadiga, cefaleia, tonteira, dispneia aos moderados esforços e palpitações. O diagnóstico de diabetes tipo 2 foi feito em 2015 e, desde então, a metformina vinha sendo utilizada. Além dos antidiabéticos, o paciente fazia uso de bisoprolol, perindopril e indapamida.

Exames laboratoriais revelaram anemia macrocítica moderada, com contagens leucocitária e plaquetária normais, além de mau controle glicêmico com altos níveis de hemoglobina glicada. Na hematoscopia de sangue periférico, foram evidenciados anisocitose com hipocromia, macrócitos, codócitos e alguns grumos plaquetários. As concentrações de vitamina B12 encontravam-se muito abaixo dos valores de referência. Eletrocardiograma, radiografia de tórax, ultrassonografia de abdome e endoscopia digestiva alta foram inconclusivos.

Diante de tal quadro, os médicos assistentes substituíram a metformina por insulina e iniciaram reposição intramuscular de vitamina B12. Após a medida, houve progressiva melhora clínica e laboratorial.

Anemia por deficiência de vitamina B12

Pacientes idosos e com comorbidades estão sob maior risco de desenvolver anemia, e diversos fatores parecem contribuir para isso, como:

    • Alterações induzidas pela hepcidina no metabolismo do ferro, resultando em redução da oferta de ferro para a síntese da hemoglobina;
    • Incapacidade de aumento da eritropoiese em resposta à anemia, provavelmente devido à apoptose dos precursores eritroides;
    • Redução da produção de eritropoietina;
    • Aumento da atividade macrofágica, com consequente redução da sobrevida das hemácias.

Apesar de uma dieta saudável ser suficiente para manter adequados os níveis de vitamina B12, sua deficiência é relativamente frequente, particularmente em indivíduos idosos e vegetarianos. Entre as principais causas de deficiência do nutriente, destacam-se:

    • Anemia perniciosa: condição autoimune, na qual há produção de anticorpos anti-células parietais e anti-fator intrínseco;
    • Outras condições associadas à má absorção, como infecção por H. pylori, parasitose, doença de Crohn, doença celíaca e gastrectomia prévia;
    • Uso de drogas, como inibidores de bombas de prótons, anticonvulsivantes, metotrexato e metformina;
    • Baixa ingestão, como na dieta vegetariana;
    • Gestação e lactação.

Metformina e anemia megaloblástica

O primeiro relato de anemia megaloblástica, com o uso do hipoglicemiante, data de maio de 1980, porém, na ocasião, não foi possível confirmar a relação causa-consequência. Posteriormente, outros casos foram relatados na literatura, e tal associação foi ficando cada vez mais evidente. Kalitsa Filioussi et al, por exemplo, notaram que 9% dos pacientes tratados com metformina desenvolveram anemia megaloblástica, após quase doze anos de seguimento.

Tais evidências indicam a importância de um adequado acompanhamento dos pacientes em uso de metformina. Apesar dos benefícios, deve-se ter em mente os possíveis efeitos adversos, incluindo a ocorrência de anemia e manifestações neurológicas secundárias à deficiência de vitamina B12. Os autores recomendam dosagem anual de vitamina B12 para todos os indivíduos em tratamento.

Autor(a):

Referências Bibliográficas:

  • Albai, Oana, et al. “Metformin Treatment: A Potential Cause of Megaloblastic Anemia in Patients with Type 2 Diabetes Mellitus.” Diabetes, Metabolic Syndrome and Obesity: Targets and Therapy 13 (2020): 3873.
  • Katsaros, T., K. Filioussi, and S. Bonovas. “Should we screen diabetic patients using biguanides for megaloblastic anaemia?.” Australian family physician 32.5 (2003): 383.
  • Callaghan, T. S., D. R. Hadden, and G. H. Tomkin. “Megaloblastic anaemia due to vitamin B12 malabsorption associated with long-term metformin treatment.” British medical journal 280.6225 (1980): 1214.
Relacionados