Home / Colunistas / Métodos de pesquisa das larvas de Strongyloides stercoralis nas fezes

Métodos de pesquisa das larvas de Strongyloides stercoralis nas fezes

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Primariamente, a observação direta dos vários tipos de parasitas intestinais pode ser feita por meio de alguns métodos de rotina utilizados para a pesquisa de protozoários (cistos, oocistos e trofozoítos) e helmintos (ovos e larvas).

A análise microscópica de preparações “a fresco” de fezes, aliada a um método de concentração (ex.: Hoffman, Faust, Willis etc.) e de coloração permanente (ex.: Hematoxilina Férrica, Tricomo de Wheatley), é suficiente para o diagnóstico da maioria das parasitoses humanas. Portanto, com algumas variações, é o mínimo recomendado para uma pesquisa inicial desses patógenos, no exame parasitológico de fezes (EPF).

Entretanto, para a identificação de alguns tipos de parasitas intestinais e de suas formas evolutivas, é necessário o emprego de técnicas especiais específicas, já que os métodos de rotina empregados pelos laboratórios clínicos podem não ser capazes de recuperá-los satisfatoriamente.

Leia mais artigos do autor

Métodos de pesquisa das larvas de Strongyloides stercoralis

Os métodos para pesquisa das larvas de Strongyloides stercoralis

A metodologia original, descrita em 1917 por Baermann, foi concebida para a pesquisa de larvas de nematoides no solo. Posteriormente modificada e adaptada por Moraes para o uso em fezes humanas, passou a ser chamada de Baermann-Moraes. Já em 1954, Rugai, Mattos e Brisola simplificaram ainda mais a técnica de Baermann-Moraes, tornando-se uma variante dela.

Ambas as técnicas são fundamentadas no princípio do termohidrotropismo positivo das larvas dos nematódeos, como a dos ancilostomídeos (Necator americanus e Ancilostoma duodenale) e do Strongyloides stercoralis. O princípio leva em consideração que as larvas dos nematódeos são atraídas por temperaturas mais “mornas” (até um certo limite) e pela água (umidade), migrando ativa e facilmente para esses locais, sedimentando-se no fundo do recipiente utilizado (“cálice de sedimentação”) pela força gravitacional.

Conclusão

Para a maioria das parasitoses humanas, as metodologias e procedimentos empregados de rotina são satisfatórias para o diagnóstico etiológico dessas patologias. Quando da suspeita de determinados agentes, no caso para a pesquisa de larvas do Strongyloides stercoralis (causador da Estrongiloidíase) e de ancilostomídeos, se faz necessária a especificação explícita dessa suspeita diagnóstica (ou dos métodos) no pedido médico.

Dessa forma, o laboratório clínico pode lançar mão de vários recursos especiais, realizando os procedimentos mais adequados para a identificação do patógeno, aumentando de sobremaneira a probabilidade do diagnóstico.

Autor:

Referências Bibliográficas:

  • De Carli, GA. Parasitolologia Clínica: Seleção de Métodos e Técnicas de laboratório para o Diagnóstico das Parasitoses Humanas. São Paulo, SP; Atheneu; 2001.
  • Jacobs DS, DeMott WR, Oxley DK. Jacobs & Demott Laboratory Test Handbook with Key Word Index, 5th ed. Hudson, OH: Lexi-Comp, Inc; 2001.
  • McPherson RA, Pincus MR, eds. Henry’s Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods. 23rd ed. St. Louis, MO: Elsevier; 2017.
  • Rugai E, Mattos T, Brisola A. Nova técnica para isolar larvas de nematóides das fezes – modificação do método de Baermann. Revista do Instituto Adolfo Lutz 14: 5-8, 1954.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.