Pneumologia

Microbioma pulmonar: a importância da flora bacteriana nos pulmões

Tempo de leitura: 3 min.

Em 2007 teve início o Human Microbiome Project (HMP) pelo NIH americano com intuito de mapear todos os genes em simbiose com o corpo humano, sobretudo relacionados a bactérias e vírus. Atualmente, sabe-se que possuímos mais genes não humanos do que humanos propriamente ditos vivendo em simbiose em todo o nosso corpo e modulando diversas reações fisiológicas incluindo nosso sistema imunológico.

Leia também: Biópsia nas Doenças Pulmonares Intersticiais: como estamos?

Função da microbioma pulmonar

Com o desenvolvimento de técnicas de sequenciamento genético e reação em cadeia da polimerase (PCR) em detrimento dos meios de cultura foi possível identificar inúmeros micro-organismos em praticamente todos os nossos sistemas, sobretudo a pele e o trato gastrointestinal. O pulmão foi considerado um órgão estéril durante muitos anos, muito pela dificuldade de identificação pelos meios de culturas disponíveis. Porém, há mais de uma década já se acredita que a flora pulmonar está constantemente modulando o nosso sistema imunológico em íntima relação com o trato gastrointestinal. A interação entre o pulmão e o microbioma gera toda a metabolômica responsável pela modulação das reações imunes em indivíduos sadios e também em momentos de disbiose, quando ocorrem infecções e doenças que prejudicam o trato respiratório.

Fatores determinantes do microbioma pulmonar incluem a inalação de antígenos e a microaspiração que ocorrem desde o nascimento, gerando a tolerabilidade do sistema imune e sua normofunção. É importante lembrar que a aspiração de conteúdo gástrico no ser humano é fisiológica e ocorre durante vários momentos do dia e durante a noite. Estudos recentes mostram que o microbioma pulmonar pode ser mais semelhante ao microbioma gástrico quando comparado à via aérea superior, por exemplo. No microbioma normal, fazem parte os streptococcus, prevotella, pseudomonas, haemophilus, entre outros, e ele pode variar de acordo com as exposições, alimentação, genética, e é diferente de uma população para outra considerando a etnia. Recentemente, a teoria do influxo-efluxo foi proposta para justificar o que ocorre com o microbioma pulmonar. Segundo ela, a microbiota não é residente e está em constante recolonização, há baixa biomassa microbiana apesar da exposição, e está em constante balanço com o influxo e o efluxo microbiano gerando homeostase.

Saiba mais: Lesão pulmonar induzida por radiação — RILI

Durante episódios de pneumonia, ou seja, infecções do trato respiratório, a homeostase dá lugar à disbiose. Ocorre um aumento de determinadas bactérias a despeito de outras, levando ao aumento da atividade inflamatória e doença. Nesse processo, há uma interferência direta do uso de antibióticos, exposições ambientais e ventilação mecânica, por exemplo. Além disso, pode ocorrer simultaneamente prejuízo e alteração da flora gastrointestinal como consequência da doença pulmonar. Em ventilação mecânica, há uma relação com pior prognóstico e maior tempo de ventilação naqueles pacientes em disbiose do que aqueles com flora pouco alterada. Não apenas na pneumonia associada à ventilação mecânica, mas em doenças como asma, fibrose cística, bronquiectasias e no DPOC há uma relação do microbioma possivelmente associada ao curso da doença.

Na prática, meios de quantificação do microbioma são de difícil acesso, porém há ainda uma gama de estudos e mais perguntas do que certezas sobre o assunto. O papel de vírus e fungos ainda é pouco estabelecido e durante a pandemia de Covid-19 já se observou diversas mudanças na flora pulmonar pela própria infecção.

Mensagens práticas:

  • O pulmão não é estéril e sua relação com o meio externo e o trato gastrointestinal são importantes fatores na homeostase do sistema imune;
  • A disbiose é predominante em processos infecciosos e o uso indiscriminado de antibióticos é um fator predisponente;
  • Há inúmeras doenças relacionadas como a asma, a fibrose cística, o DPOC, tuberculose e o próprio câncer.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Fernández-Barat L, López-Aladid R, Torres A. Reconsidering ventilator-associated pneumonia from a new dimension of the lung microbiome. EBioMedicine. 2020 Oct;60:102995. doi: 10.1016/j.ebiom.2020.102995.
  • Budden KF, Shukla SD, Rehman SF, Bowerman KL, Keely S, Hugenholtz P, Armstrong-James DPH, Adcock IM, Chotirmall SH, Chung KF, Hansbro PM. Functional effects of the microbiota in chronic respiratory disease. Lancet Respir Med. 2019 Oct;7(10):907-920. doi: 10.1016/S2213-2600(18)30510-1.
Compartilhar
Publicado por
Guilherme das Posses Bridi

Posts recentes

APPRAISAL: como interpretar os resultados de um estudo clínico?

Nesse texto, trazemos um resumo dos aspectos fundamentais para a correta interpretação de um estudo/artigo…

21 horas atrás

Whitebook: como identificar a candidemia?

Esta semana, noticiamos mais um caso confirmado de Candida auris. Por isso, vamos abordar a…

1 dia atrás

Confira: Profilaxia de TVP atualizado

O Whitebook teve 97 conteúdos atualizados, entre eles Profilaxia de TVP. Saiba os detalhes da…

2 dias atrás

Interpretação da Troponina. Como avaliar o exame? [vídeo]

No episódio de hoje, confira o bate-papo entre especialistas sobre a indicação da troponina. Quando…

2 dias atrás

Medicina Baseada em Evidências: como avaliar um guideline?

Os guidelines são importantes instrumentos na prática médica e em outras profissões relacionadas aos cuidados…

2 dias atrás

Covid-19: OPAS/OMS alerta sobre o uso racional de testes de diagnóstico

A OPAS/OMS emitiu um alerta epidemiológico sobre o uso e priorização dos testes diagnósticos (antígeno…

2 dias atrás