Home / Colunistas / Microbiota e exercício físico: uma relação ambígua
gastroenterite

Microbiota e exercício físico: uma relação ambígua

Colunistas, Gastroenterologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

A microbiota, que é a população de microrganismos existentes no trato gastrointestinal humano, como bactérias, vírus e fungos, vem sendo cada vez mais estudada em virtude da sua relação com a saúde e doenças. Já se sabe que o tipo de dieta do indivíduo pode modificar as variedades de espécies presentes e, consequentemente, a dinâmica metabólica.

Recentemente, alguns estudos mostraram que atletas e praticantes de exercício físico apresentavam uma maior diversidade na microbiota intestinal em comparação com indivíduos sedentários. Como resultado, a microbiota modificada promove maior síntese de ácidos graxos de cadeia curta, fundamentais para vias metabólicas, e também de aminoácidos de cadeia ramificada (os conhecidos BCAA), importantes para a recuperação muscular. Esses dados parecem indicar que a modulação da microbiota pode melhorar o desempenho de atletas.

Saiba mais sobre esse tema: 

Por outro lado, o excesso de treinamento parece dar espaço para uma microbiota mais nociva, que levaria a um aumento da permeabilidade intestinal, inflamação, estresse oxidativo e susceptibilidade a infecções.  Sendo assim, postulou-se que a modulação da microbiota intestinal nestes indivíduos, através do uso de probióticos (que são cepas de determinadas bactérias) poderia reduzir os efeitos deletérios.

Os estudos disponíveis neste sentido utilizaram cepas variadas de Lactobacillus e Bifidobacterium, demonstrando alguns efeitos benéficos como redução de inflamação, redução de infecções e melhora de performance. As grandes limitações destes trabalhos foram o número pequeno de participantes em cada um (muitos não compararam o probiótico com placebo e também não contemplaram a análise de diferenças entre o sexo masculino e feminino), além da desigualdade nas cepas e nas doses administradas.

De qualquer forma, mais estudos são necessários para se estabelecer, de forma precisa e individualizada, quais cepas e em que concentração o uso de probióticos podem ser benéficos nos atletas.

Autora: 

Referência bibliográficas:

  • Wosinska, L.; Cotter, P.D.; O’Sullivan, O.; Guinane, C. The Potential Impact of Probiotics on the Gut Microbiome of Athletes. Nutrients 2019, 11, 2270.

One comment

  1. Avatar

    Excelente oportunidade para testar conhecimentos bem como adquiri novos. Estava precisando de um programa como este (aliás não conheço outro) Gostei muito , parabéns !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.