Pediatria

Mídias sociais na infância e adolescência: qual o impacto na vida da família?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O uso das mídias sociais estão entre as atividades mais realizadas entre crianças e adolescentes atualmente. Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, sites de jogos multiplayers, blogs, dentre outros. Logo, precisamos entender alguns termos e estar aptos a monitorar certas situações inadequadas.

Crianças e adolescentes têm capacidade de autocontrole limitada e estão muito sujeitos às pressões do seu meio social. Essas peculiaridades as colocam em risco aumentado no ambiente virtual.

As mídias permitem conexão com amigos e familiares, trocas de ideias e fotos, logo trazem certos benefícios e oportunidades, incluindo a possibilidade de estudo, discussão de deveres de casa, trabalhos da escola, projetos, etc. Porém, durante buscas na Internet podem ter acesso a conteúdos inadequados à sua idade e maturidade, o que requer o envolvimento dos pais no processo, para um correto direcionamento. Além disso, não têm entendimento sobre privacidade online, o que os coloca no foco para cyberbullying, perseguição online, que são situações cada vez mais comuns e que podem causar danos psico-sociais graves como depressão, ansiedade, isolamento social, automutilação e, em casos extremos, o suicídio.

Cuidados na prevenção do suicídio

Um fenômeno que ocorre com a população adolescente é o “sexting”, que é o envio ou recebimento de mensagens, fotos ou outras imagens por via virtual, com conteúdo explicitamente sexual. Muitas dessas imagens são rapidamente distribuídas pela Internet, impactando diretamente na vida das vítimas. Temos ainda, “Facebook depression”, que é a depressão que se desenvolve entre pré-adolescentes e adolescentes que passam grande parte dos seus dias em sites de mídia social e começam a exibir sintomas de depressão. Esse grupo tende a se isolar, estando em risco de encontrar sites e blogs que ofereçam “ajuda” e que na verdade podem estimular o abuso de substâncias e comportamentos autodestrutivos.

Como clínicos, devemos estar abertos ao diálogo e atualizados nesse contexto, para que possamos dar assistência tanto às crianças e adolescentes, como às suas famílias. Orientar os pais a dar mais atenção às necessidades sociais de seus filhos, encorajando-os a participar de atividades com eles, promovendo encontros com seus pares sociais. Lembrando sempre que uma das maiores ansiedades dessa idade é a de ser aceito socialmente.

É médico e também quer colaborar com o nosso Portal? Clique aqui para se inscrever!

Autora:

Referências:

  • O’KEEFE, GWENN SCHURGIN; CLARKE-PEARSON, KATHLEEN. Clinical report- The impact of social media on children, adolescents, and families. Pediatrisc, 2011, 127: 800-804.
  • STRASBURGER, VICTOR C.; HOGAN, MARJORIE J. Children, adolescents, and the media. Pediatrics, 2013,132: 958-961.
Compartilhar
Publicado por
Rita Gonçalves

Posts recentes

Dia nacional de conscientização sobre retinoblastoma: o que eu preciso saber sobre esse tumor?

Dia 18 de setembro é o Dia Nacional de Conscientização e Incentivo ao Diagnóstico Precoce…

2 horas atrás

Whitebook: Dia Mundial da Sepse

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos fazer a apresentação…

6 horas atrás

Origens e fundamentos da MBE – Parte 1: Relação entre o tratamento precoce com antibióticos para sepse e ida à feira

Nesse artigo, vamos analisar mais detalhadamente o primeiro princípio fundamental da medicina baseada em evidências…

8 horas atrás

Infecção puerperal e sepse materna: um evento prevenível?

A sepse puerperal é cinco causas mais frequentes de morte materna no mundo, sendo responsável…

22 horas atrás

Podcast Integrado: O papel do SUS para o profissional de saúde [podcast]

Confira o podcast dos canais da PEBMED sobre o papel do SUS para o profissional…

23 horas atrás

O que pode te ajudar no tratamento do paciente séptico?

Como manejar o paciente séptico do ponto de vista hemodinâmico ao longo das próximas horas…

24 horas atrás