Coronavírus

Ministério da Saúde aprova dose de reforço para profissionais de saúde

Tempo de leitura: 2 min.

Na última sexta-feira, 24, o Ministério da Saúde anunciou a aplicação da dose de reforço contra Covid-19 para profissionais de saúde. A medida foi aprovada em reunião na Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização (CTAI – Covid).

A dose de reforço deve ser preferencialmente administrada com a vacina da Pfizer, independentemente da vacina que foi tomada na vacinação regular. A dose adicional deve ser aplicada, pelo menos, seis meses após o profissional de saúde ter a vacinação completa com a segunda dose. Essa iniciativa tem como objetivo garantir o aumento da imunidade de quem está na linha de frente do combate contra a Covid-19.

Saiba mais: Pacientes transplantados e terceira dose da vacina contra a Covid-19

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Dose de reforço para a população

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, 412,5 mil brasileiros já receberam a dose de reforço até o momento, sendo eles idosos com mais de 70 anos e imunossuprimidos.

Estudos sobre a dose adicional

Com a emergência da variante Delta e o aumento no número de casos no Brasil e em outros países, surgiu a preocupação em relação à eficácia das vacinas existentes. Ao mesmo tempo, a durabilidade da proteção conferida pela vacina e se a resposta vacinal é a mesma em todas as populações são questões ainda não totalmente elucidadas.

No Brasil, a Anvisa já autorizou a realização de dois estudos que irão avaliar uma dose complementar aos esquemas vigentes. Paralelamente, a FDA aprovou o uso de terceira dose em pessoas imunossuprimidas.

Leia também: Afinal, quantas doses da vacina anti-Covid-19 serão necessárias?

O CEO da Pfizer, Albert Bourla, anunciou que, diante dos dados coletados pela indústria, uma dose adicional do imunizante provavelmente seria necessária de 6 a 12 meses após a imunização com duas doses e que doses de reforço provavelmente serão necessárias anualmente. Esses comentários vão ao encontro do que afirmou o CEO da Johnson & Johnson (grupo a qual pertence a Janssen), Alex Gorsky, que também acredita que a vacinação contra Covid-19 deverá ser anual.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referência bibliográfica:

Compartilhar
Publicado por
Luciano Lucas

Posts recentes

Os novos anticoagulantes orais estão sendo mais utilizados que os antagonistas da vitamina K em pacientes com FA?

Os novos anticoagulantes surgiram como uma alternativa e mostraram eficácia e segurança semelhante ou melhor…

15 horas atrás

Whitebook: coombs indireto – o que é e como solicitar?

Essa semana, falamos sobre o coombs indireto em obstetrícia. Em nossa publicação de conteúdos do…

19 horas atrás

Diagnóstico de policitemia vera: conceitos importantes

Policitemia vera é uma síndrome mieloproliferativa caracterizada por aumento da massa eritrocitária. Saiba mais.

1 dia atrás

AAP 2021: avaliação de sepse tardia e terapia empírica em prematuros extremos

O objetivo de um estudo apresentado na AAP 2021 foi definir a frequência da sepse…

2 dias atrás

Podcast da Pebmed: dissecção da artéria vertebral. Como diagnosticar e tratar? [podcast]

No episódio de hoje, Henrique Cal, vai discutir sobre causas que podem levar à dissecção…

2 dias atrás

Destaque das diretrizes no manejo do tabagismo

O tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. Atualmente são cerca de…

2 dias atrás