Imunologia

Ministério da Saúde assume compromisso para erradicação do câncer de colo de útero

Tempo de leitura: 2 min.

O Ministério da Saúde assumiu o compromisso de acelerar a erradicação do câncer de colo do útero no Brasil. O anúncio ocorreu durante o lançamento da estratégia global da Organização Mundial da Saúde (OMS) em novembro de 2020, promovido pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Entre as iniciativas, está a realização de um plano de ação para o combate à doença, que abrange a vacinação, o teste e o tratamento contra o HPV (Papilomavírus humano).

“O governo brasileiro assume publicamente, junto à OMS e à OPAS, o compromisso de erradicar o câncer de colo de útero nas mulheres brasileiras”, afirmou diretor do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas da Secretaria de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, Antônio Braga, que ainda ressaltou que a pasta irá atuar na construção de um plano conjunto para o combate à doença.

Leia também: Câncer de colo de útero associado ao HIV: estimativa de prevalência mundial

“Estaremos ao lado das instituições brasileiras, em especial do Instituto Nacional de Câncer (INCA), para pensarmos em como aplicar a estratégia da OMS para ajudar a erradicar esse problema das mulheres brasileiras”.

Na reunião foi apresentada a estratégia global da OMS para a eliminação desse tipo de câncer aos representantes do Brasil, do Suriname, da Costa Rica e dos Estados Unidos. Os presentes apresentaram as ações de cada país e fortaleceram o compromisso de atuar em conjunto na estratégia.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Estratégia global da OMS

A estratégia global lançada pela OMS tem três grandes metas:

  • 90% de cobertura da vacinação contra o HPV em meninas antes dos 15 anos;
  • 70% de cobertura com teste de HPV entre mulheres de 35 a 45 anos;
  • 90% de cobertura no tratamento.

O câncer de colo do útero é o quarto tipo que mais atinge o público feminino no país.

“Na cobertura de vacinação, teremos a introdução da vacina no Sistema Único de Saúde (SUS) para meninos e meninas e o sistema de registro individual para monitoramento das doses das meninas”, informou a diretora-geral do INCA, Ana Cristina Pinho.

Em relação à cobertura de teste do HPV, será implementado um sistema que registra os exames papanicolau das mulheres, permitindo o monitoramento dos casos e o pronto acompanhamento e tratamento necessário para evitar o câncer de colo de útero.

Avanços no calendário vacinal brasileiro

O Ministério da Saúde implementou no calendário vacinal, em 2014, a vacina tetravalente contra o HPV para meninas de 9 a 13 anos. A partir de 2017, a pasta incluiu as meninas de 9 a 14 anos e os meninos de 11 a 14 anos.

O imunizante protege contra os tipos mais incidentes de HPV, que causam verrugas genitais e são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero.

Saiba mais: Rastreamento de câncer de colo uterino no Brasil: existe valor clínico para jovens?

A vacinação e a realização do exame preventivo se complementam como ações efetivas de prevenção desse tipo de câncer. Mesmo as mulheres vacinadas na pré- adolescência, na adolescência e aquelas a partir dos 25 anos deverão realizar o exame preventivo periodicamente, uma vez que a vacina não protege contra todos os tipos de HPV que podem causar a enfermidade.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Metformina pode ser usada para prolongar a gestação em pré-eclâmpsia pré-termo?

Um ensaio clínico randomizado avaliou o uso da metformina de liberação estendida em pacientes com…

2 horas atrás

Whitebook: anemia por deficiência de ferro

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos fazer a apresentação clínica da…

6 horas atrás

Blog do Nurse: live “O suicídio como um problema de saúde pública”!

Na próxima segunda-feira (27/09), às 20h, o Nursebook convida Cleudo Menezes e Rafael Polakiewicz para…

23 horas atrás

Podcast Integrado: prevenção ao Suicídio: como detectar fatores de risco? [podcast]

Confira o podcast dos canais da PEBMED sobre fatores de risco na prevenção ao suicídio.…

23 horas atrás

Como diferenciar doenças inflamatórias desmielinizantes em crianças por exames de imagem?

“Crianças não são adultos em miniatura”. Devemos nos lembrar disso na avaliação das doenças desmielinizantes…

1 dia atrás

Qual é o melhor tratamento para fraturas do terço distal do rádio a longo prazo em idosos?

Um estudo avaliou qual é o melhor tratamento a longo prazo para fraturas instáveis do…

1 dia atrás