Coronavírus

Ministério da Saúde retira grávidas sem comorbidades do grupo de vacinação contra a Covid-19

Tempo de leitura: 2 min.

Depois da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendar a paralisação da aplicação de vacina da AstraZeneca/Oxford em gestantes, o Ministério da Saúde confirmou nesta terça, 11, a suspensão para esse grupo e para puérperas com a vacina da marca.

Além disso, o Ministério autoriza o uso das vacinas da Pfizer e Coronavac em gestantes apenas nos casos em que haja algum tipo de comorbidade. Porém, aquelas que não apresentarem condições de saúde adequadas a esta categoria, não fazem mais parte da priorização da imunização.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Motivo da decisão

A decisão foi tomada por precaução até que as investigações sobre a morte de uma gestante de 35 anos que havia tomado a vacina da AstraZeneca/Oxford sejam concluídas.  A vítima sofreu um acidente vascular cerebral hemorrágico (AVC) e as autoridades analisam se o óbito pode ter algum tipo de ligação com o imunizante.

No mês passado, em 26 de abril, o Ministério da Saúde decidiu fazer a inclusão de todas as grávidas e puérperas no grupo prioritário para receberem a vacinação contra a Covid-19. No dia 15 de março, o governo já tinha incluído as gestantes com comorbidades.

Protocolo após a orientação

Segundo a coordenadora do Plano Nacional de Imunização (PNI), Francieli Fantinato, ainda não foi definido um protocolo para o caso das gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca. Enquanto não há definição, a principal orientação é que essas mulheres não recebam a segunda dose. 

Leia também: Casos de trombose e trombocitopenia em vacinas da Oxford/AztraZeneca preocupam?

Além disso, Francieli Fantinato acrescentou que a orientação deste dia 11 pode ser revista diante das conclusões da investigação sobre o caso da gestante morta e do avanço dos casos e mortes da pandemia. Ela também apresentou dados sobre a vacinação das gestantes. De acordo com os dados apresentados, pelo menos 22 mil mulheres grávidas já receberam vacinação contra a Covid-19.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referência bibliográfica:

Ministério recomenda suspensão da vacinação de grávidas sem comorbidades. Ministério da Saúde. 12 de maio de 2021. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/ministerio-recomenda-suspensao-da-vacinacao-de-gravidas-sem-comorbidades

 

Compartilhar
Publicado por
Luciano Lucas

Posts recentes

Podemos usar a troponina para diferenciar IAM tipo 1 de outras causas de lesão miocárdica?

Há muitas causas de aumento de troponina além do IAM, identificar a causa do aumento…

59 minutos atrás

Delirium em pacientes com Covid-19

Artigo abordou o delirium na Covid-19, chamando a atenção dos profissionais de saúde para um…

2 horas atrás

A felicidade nas empresas: Chief Happiness Officer (CHO), uma nova possibilidade profissional

Felicidade não é só uma questão pessoal. Pessoas felizes adoecem menos e desenvolvem maior resiliência…

3 horas atrás

Manejo das infecções virais durante a gestação

Infecções virais durante a gestação são muito comuns e podem levar a aumento da morbimortalidade…

19 horas atrás

Anestesia no Paciente Chocado: confira os conteúdos atualizados em Anestesiologia

O app nº 1 do Brasil conta mais de 100 conteúdos publicados esta semana. Atenção…

19 horas atrás

Diagnóstico e manejo da encefalopatia de Hashimoto

A encefalopatia de Hashimoto é caracterizada por início subagudo de confusão com alteração do nível…

20 horas atrás