Ginecologia e Obstetrícia

Misoprostol ou conduta expectante? Estudo compara abordagens para retirada de restos ovulares após aborto

Tempo de leitura: 2 min.

Desde a década de 1970 surgiram diversos métodos e drogas, como o misoprostol, como alternativa para o aborto cirúrgico realizado até então e, com o passar dos anos, muitos estudos mostraram a possibilidade de uso de diferentes doses, vias e intervalos de administração, mostrando segurança e eficácia de seu uso em várias revisões da Cochrane.

Leia também: Somente 22% das brasileiras que sofreram aborto buscaram atendimento psicológico, indica pesquisa

Entretanto, em alguns casos essas interrupções de gestação não obtêm o sucesso total desejado, permanecendo a paciente ainda com restos ovulares na cavidade endometrial. Até agora, segundo consenso da FEBRASGO, restos ovulares com medidas acima de 12 milímetros com vascularização ao doppler deveriam passar por abordagem para esvaziamento da cavidade endometrial, sob risco de evoluir para quadros de sangramento persistente ou infecção.

Análise recente

Um estudo randomizado controlado publicado no American Journal of Obstetrics and Gynaecology em 22 de junho deste ano reviu a possibilidade de tratamento clínico expectante para essas pacientes.

Em um centro médico universitário de Israel, pacientes submetidas ao aborto no primeiro trimestre foram acompanhadas durante três semanas de tratamento em cada braço randomizado (de duas a seis semanas tratamento total).

As pacientes foram randomizadas em um grupo que recebeu 800 microgramas de misoprostol administrado sublingual versus outro grupo com conduta expectante. Todas as pacientes apresentavam material endometrial com espessura maior que 12 mm (12-20 mm) com fluxo presente ao doppler. Os grupos não apresentaram diferenças demográficas entre si. A medida do endométrio ao USG foi de 20 mm em média também em ambos os grupos. Não houveram efeitos adversos significativos nos dois grupos. O tratamento médico bem sucedido com misoprostol foi observado em 61,8% dos casos (42/68) e em 57,1% das pacientes com conduta expectante perfazendo um RR de 1,12 (IC 95% ; 0,74 – 1,70; P= 0,590)

Saiba mais: Aborto: 63% das brasileiras consideram que a saúde pública não está preparada para acolher mulheres pós-curetagem

Conclusão

Conclui-se que não há vantagem clinicamente significativa para o tratamento médico com misoprostol em comparação com o manejo expectante após a interrupção médica da gravidez no primeiro trimestre em mulheres com suspeita de retenção de produtos da concepção. A intervenção cirúrgica pode ser evitada em até 60% das mulheres que são tratadas podendo-se acompanhar ao longo de oito semanas após o procedimento.

Compartilhar
Publicado por
João Marcelo Martins Coluna

Posts recentes

Gestão do tempo, um diferencial para o médico

Aprenda a organizar seu tempo de maneira mais eficiente. Participe de evento no próximo sábado,…

8 horas atrás

Como identificar o AVC isquêmico na tomografia computadorizada? [vídeo]

Na emergência é crucial identificar em qual fase do AVC o paciente se encontra, a…

9 horas atrás

Malária: estratégias de diagnóstico precoce e tratamento

A malária é um grande problema de saúde pública. Neste post, iremos revisar os principais…

10 horas atrás

Salbutamol traz benefícios para tratamento de crianças com asma aguda grave?

Estudo não encontrou benefício na adição de uma dose de ataque de salbutamol à infusão…

12 horas atrás

Endometriose confirmada por laparoscopia e o risco de acidente vascular cerebral

A endometriose é uma doença inflamatória com uma prevalência de 10% das mulheres na menacme.…

13 horas atrás

Langya henipavirus: estudo alerta surgimento de novo vírus na China

Um estudo anunciou a detecção de um novo tipo de henipavírus filogeneticamente distinto, o Langya…

16 horas atrás