Página Principal > Colunistas > Montelucaste e eventos neuropsiquiátricos em crianças com asma

Montelucaste e eventos neuropsiquiátricos em crianças com asma

Tempo de leitura: 3 minutos.

A asma afeta pelo menos 13% das crianças na população em geral e até 300 milhões de pessoas em todo o mundo. É caracterizada por inflamação das vias aéreas e episódios recorrentes de sibilância, tosse, dispneia e aperto no peito, sendo geralmente tratada com uma combinação de terapia de manutenção de longo prazo (medicamentos de manutenção) e terapia de curto prazo para o alívio dos sintomas agudos (medicamentos de alívio).

Os antagonistas dos receptores de leucotrienos (leukotriene receptor antagonists – LTRA), incluindo o montelucaste, são uma classe de medicamentos de manutenção. Os LTRA inibem os mediadores inflamatórios do broncoespasmo e são prescritos, principalmente, como terapia adjuvante aos corticosteroides inalatórios em pacientes com asma moderada a grave, embora possam também ser prescritos como uma alternativa aos corticosteroides inalatórios na asma persistente leve. Somente nos Estados Unidos, 2,6 milhões de crianças com menos de 16 anos de idade receberam prescrições de montelucaste em 2013.

Em 2009, o Food and Drug Administration (FDA) anunciou uma mudança no rótulo do montelucaste, incluindo uma advertência em relação a possível ocorrência de eventos neuropsiquiátricos. Após esta advertência, alguns casos foram notificados no Sistema de Notificação de Eventos Adversos do FDA. Estes eventos incluíram: depressão, ansiedade, distúrbios do sono, agressividade/agitação, ideação suicida, tentativas de suicídio e/ou suicídio consumado.

Leia mais: Como melhorar os resultados da asma pediátrica na emergência?

Estudo sobre o Montelucaste

Dessa forma, para avaliar a associação entre a prescrição de montelucaste e a ocorrência de eventos neuropsiquiátricos em crianças com asma, Glockler-Lauf e colaboradores (2019) conduziram o estudo Montelukast and Neuropsychiatric Events in Children with Asthma: A Nested Case–Control Study, realizado na província de Ontário, Canadá. 

O estudo consistiu em um caso-controle combinado e aninhado usado para identificar casos e controles de uma coorte de crianças de 5 a 18 anos com asma diagnosticada no período de 2004 a 2015, em Ontário, Canadá, e em uso de medicamentos de manutenção. Crianças com histórico de ida ao setor de emergência ou internação em decorrência de um evento neuropsiquiátrico foram consideradas casos.

Os casos foram pareados com até 4 controles por ano de nascimento, ano de diagnóstico da asma e sexo. As exposições foram as prescrições para montelucaste (sim/não) e o número de prescrições de montelucaste dispensadas no ano anterior à data índice. Regressão logística condicional foi usada para medir a odds ratio não ajustada (OR) e ajustada (aOR) com um intervalo de confiança (IC) de 95% para a prescrição de montelucaste e a ocorrência eventos neuropsiquiátricos. As covariáveis no modelo incluíram fatores sociodemográficos e medidas de gravidade da asma. 

Um total de 898 casos com um evento neuropsiquiátrico e 3497 controles foram incluídos. As crianças que experimentaram um evento neuropsiquiátrico de início recente apresentaram quase duas vezes mais chances de terem feito uso de montelucaste, em comparação com os controles (OR 1,91, IC 95% 1,15-3,18; p = 0,01). A maioria dos casos consistiu em ansiedade (48,6%) e/ou distúrbio do sono (26,1%). Outras complicações neuropsiquiátricas incluíram: alterações de humor (17%), transtornos relacionados ao uso/abuso de substâncias (11%), alterações de personalidade (1,6%), esquizofrenia (1,4%) e agitação (1,3%). 

Conclusão do estudo

Portanto, de acordo com este estudo, as crianças que utilizaram montelucaste para terapia de manutenção na asma tiveram quase o dobro de chances de complicações neuropsiquiátricas comparadas àquelas que fizeram uso de outros medicamentos. O FDA’s Pediatric Advisory Committee já havia também discutido o uso do montelucaste em crianças em 2014. Este comitê, assim como os autores do presente estudo, recomenda o aumento da conscientização dos pediatras sobre a possibilidade da ocorrência destes eventos em crianças que fazem uso de montelucaste e da necessidade da monitoração contínua em pacientes pediátricos que utilizam este medicamento. 

Autora: 

Referências:

  • Glockler-Lauf SD, et al. Montelukast and Neuropsychiatric Events in Children with Asthma: A Nested Case–Control Study. J Pediatr,v.209, p. 176–182.e4, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.