Página Principal > Saúde & Tecnologia > Mulheres e seus prêmios Nobel na Medicina
medico olhando no microscopio

Mulheres e seus prêmios Nobel na Medicina

*Artigo cedido pelo nosso parceiro AEMED

Dos 107 prêmios Nobel já concedidos na área da Medicina, apenas 11 foram destinados a mulheres. Ainda são poucos, porém, servem para tornar cada vez mais inquestionável a competência das mulheres no meio médico. São estas mulheres que engrandecem a Ciência e inspiram outras mulheres a buscarem seu espaço no mundo científico.

O prêmio Nobel é uma das premiações internacionais mais conhecidas mundialmente, por isso, o simbolismo destas mulheres laureadas quebrou muitos paradigmas ao longo da história e traz consigo uma significação de que as mulheres podem crescer muito na Medicina e na pesquisa e alcançar feitos históricos que, na maioria das vezes, são dominados pelos homens.

De sexo frágil, mulheres vêm provando mundo afora que não têm é nada. A epidemia de Zika no Brasil, nos últimos tempos, foi e ainda é pauta de muitas discussões. Pode adivinhar qual é o principal nome citado quando se pensa em pesquisadores da Zika no Brasil? É Celina Turchi, uma brasileira indicada entre as 10 cientistas mais importantes de 2016 pela revista científica Nature. Mais uma prova de que Ciência é lugar de mulher.

O histórico de prêmios Nobel para as mulheres começou há um certo tempo com a pioneira Marie Curie na área da Física, no ano de 1903. Marie Curie ainda ganhou mais um Nobel, a única mulher a ser laureada por duas vezes até os dias de hoje. Outras também já foram laureadas com prêmios Nobel da Paz, de Literatura, de Física, de Química e de Economia.

A história das mulheres com os prêmios Nobel na Medicina começou em 1947 com Gerty Cori, que descobriu, junto de Carl Cori, um dos mecanismos de glicogenólise, o chamado Ciclo de Cori. A partir de então as mulheres vêm discretamente conquistando mais alguns prêmios.

Na tabela abaixo é possível conferir as mulheres que já foram laureadas com prêmios Nobel ao longo da história:

Nobel da paz Nobel da Literatura Nobel da Medicina Nobel da Química Nobel da Física Nobel da Economia
1 Bertha Von Suttner, 1905 1. Selma Lagerlöf, 1909 1. Gerty Cori, 1947 1. Marie Curie, 1903 1. Marie Curie, 1911 1. Elinor Ostrom, 2009
2. Jane Adams, 1931 2. Grazia Deledda, 1926 2. Rosalyn Yalow, 1977 2. Irène Joliot-Curie, 1935 2. Maria Goeppert-Mayer, 1963
3. Emily Greene Balch, 1946 3. Sigrid Undset, 1928 3. Barbara McClintock, 1983 3. Dorothy Crowfoot Hodgkin, 1964
4. Mairead Corrigan, 1976 4. Pearl S. Buck, 1938 4. Rita Levi-Montalcini, 1986 4. Ada Yonath, 2009
5. Betty Williams, 1976 5. Gabriela Mistral, 1945 5. Gertrude Elion, 1988
6. Madre Teresa de Calcutá, 1979 6. Nelly Sachs, 1966 6. Christiane Nüsslein-Volhard, 1995
7. Alva Myrdal, 1982 7. Nadine Gordimer, 1991 7. Linda Buck, 2004
8. Aung San Suu Kyi, 1991 8. Toni Morrison, 1993 8. Françoise Barré-Sinoussi, 2008
9. Rigoberta Menchú, 1992 9. Wislawa Szymborska, 1996 9. Carol Greider, 2009
10. Jody Williams, 1997 10. Elfriede Jelinek, 2004 10. Elizabeth Blackburn, 2009
11. Shirin Ebadi, 2003 11. Doris Lessing, 2007 11. Tu Youyou, 2015
12. Wangari Maathai, 2004 12. Herta Müller, 2009
13. Ellen Johnson Sirleaf, 2011 13. Alice Munro, 2013
14. Tawakel Karman, 2011 14. Svetlana Alexijevich, 2015
15. Leymah Gbowee, 2011
16. Malala Yousafzai, 2014
17. Wided Bouchamaoui, 2015

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Mais detalhes sobre as premiações Nobel de Medicina e Fisiologia:

1. Gerty Cori, 1947 – Descoberta do curso da conversão catalítica do glicogênio;
2. Rosalyn Yalow, 1977 – Desenvolvimento da técnica de radioimunoensaio em hormônios peptídicos;
3. Barbara McClintock, 1983 – Descoberta da transposição genética sobre elementos móveis;
4. Rita Levi-Montalcini, 1986 – Descoberta do fator de crescimento NGF (nerve growth factor);
5. Gertrude Elion, 1988 – Desenvolvimento de drogas bloqueadoras de infecções virais;
6.  Christiane Nüsslein-Volhard, 1995 – Descobertas acerca do controle genético nas fases precoces do desenvolvimento embrionário;
7. Linda Buck, 2004 – Descoberta de receptores olfativos e organização do sistema olfatório;
8. Françoise Barré-Sinoussi, 2008 – Descoberta do vírus HIV;
9 e 10. Elizabeth Blackburn e Carol Greider, 2009 – Descoberta da proteção cromossômica pelos telômeros e da enzima Telomerase;
11. Tu Youyou, 2015 – Descoberta da artemisinina, uma terapia para a malária.

Portanto, as mulheres e seus prêmios Nobel têm uma história não tão recente, mas ainda escassa. O que mostra o tamanho potencial que ainda pode ser desenvolvido pelo sexo feminino na Medicina, na pesquisa e na Ciência como um todo, já que não faz muito tempo que estamos mais envolvidas nestas áreas.

As mulheres estão cada vez mais presentes nas faculdades de Medicina, sendo, em alguns lugares, a maior parte dos estudantes. Mais uma evidência para mostrar que as mulheres podem ser o que quiserem, inclusive laureadas com um prêmio Nobel (ou até dois).

Autora:

Referências:

  • All Nobel Prizes in Physiology or Medicine”. Nobelprize.org. Nobel Media AB 2014. Web. 14 Mar 2017. <https://www.nobelprize.org/nobel_prizes/medicine/laureates/>

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.