Naloxona: qual a melhor dose para casos de overdose? 

Estudo apresentado avaliou o uso de naloxona intranasal, por policiais, no combate a intoxicações agudas por opioides

O cloridrato de naloxona é a droga de escolha para reversão dos efeitos dos opioides, sendo utilizada tanto na anestesia em casos de pacientes com sobredosagem da medicação e despertar prolongado, como em casos de emergência de intoxicação aguda por essa classe de medicamentos. Ela tem o poder de reverter os efeitos adversos dos opioides como sedação, depressão respiratória, hipotensão e alterações do estado mental e psíquico. 

Apesar de seu mecanismo de ação ainda não ser totalmente definido, ele atua como um antagonista opioide puro, competindo pelos mesmos sítios de ligação, a nível central, dos receptores µ, κ e σ, tendo maior afinidade pelos receptores µ. Ele pode ser administrado por via venosa, tendo a sua latência e duração mais rápidas do que as vias subcutânea ou intramuscular. 

Leia mais: Opioides no intraoperatório: fatores de uso  

E também pode ser aplicado por via intranasal em casos de intoxicação aguda extra-hospitalar, por opioide. A sua principal proteína de ligação é a albumina. É metabolizada pelo fígado e excretada pela urina, tendo uma meia-vida em torno de 30 a 80 minutos em pacientes adultos. 

Em 2021, a Food and Drug Administration (FDA), lançou uma versão da naloxona intranasal na dose de 8 mg para casos de intoxicação aguda por opioides. 

Habitualmente, a naloxona, é utilizado em doses de 4 a 8 mg, porém estudos sugerem que doses acima de 4 mg não apresentam uma maior eficácia e desencadeiam mais efeitos adversos. 

O New York State Department of Health, publicou um estudo apresentado pelo Central for Disease Control (CDC) no Morbidity and Mortality Weekley Report, avaliando a ação de policiais no combate a intoxicações agudas por opioides com o uso de naloxona intranasal nas doses de 4 e 8 mg. 

Naloxona

Estudo 

O estudo em questão foi realizado com 11 tropas de policiais da cidade de Nova York, devidamente treinados para atender casos de suspeita de intoxicação aguda por opioides. O estudo foi realizado no período de março de 2022 a agosto de 2023 com um total de 354 pessoas com suspeita de intoxicação aguda por opioides.  

Desse grupo, 101 pessoas receberam naloxona intranasal na dose de 8 mg e 253 pessoas receberam naloxona intranasal na dose de 4 mg. Os policiais que participaram do estudo foram orientados a relatar os sintomas encontrados após a administração da naloxona, principalmente aqueles relacionados a abstinência de opioides como náuseas e vômitos, alterações comportamentais, agressividade ou letargia. 

Leia ainda: Cloridrato de Oxicodona + Cloridrato de Naloxona: veja no bulário do Whitebook! 

Os critérios de exclusão foram: ausência de sinais de intoxicação por opioides como depressão respiratória ou inconsciência, mais de uma dose de naloxona administrada e óbito antes da administração de naloxona. 

Os pacientes que receberam doses de 4 mg de naloxona, foram tratados como o grupo referência. 

Resultados 

Os sinais e sintomas relacionados à abstinência de opioides como vômitos, foram de 37,6% no grupo de 8 mg e de 19,4% no grupo de 4 mg. Das pessoas que receberam 8 mg de naloxona, 10,9% apresentaram comportamento agressivo combativo contra 7,9% que receberam 4 mg de naloxona. 

Os sinais e sintomas mais comuns pós-administração de naloxona evidenciado nos dois grupos foram desorientação (66,3% no grupo de 8 mg contra 58,5% no grupo de 4 mg) e letargia (52,5% contra 43,5% respectivamente). 

Os policiais reportaram que a totalidade dos pacientes sobreviventes (99%) tanto do grupo que recebeu 8 mg como no grupo que foi administrado 4 mg de naloxona foi a mesma. 

Discussão 

Nesse estudo, evidenciou-se que as pessoas que receberam doses elevadas de naloxona (8 mg) apresentaram o dobro de sinais e sintomas relacionados principalmente a crise de abstinência como náuseas e vômitos e alterações comportamentais voltadas para a violência, comparados ao grupo de pessoas que utilizaram 4 mg de naloxona.  

Além disso, vômitos foram relatados com uma maior incidência no grupo que foi administrado 8 mg de naloxona, aumentando os riscos de broncoaspiração para casos de pacientes inconscientes. Sendo que a incidência de sobrevida após a administração de naloxona foi estatisticamente a mesma nos dois grupos. 

Devido a esses achados específicos conclui-se que em casos de intoxicação aguda por opioides, a administração de 4 mg de naloxona aparenta ser igualmente efetiva e causar menos efeitos adversos que a administração de doses mais elevadas do antagonista. 

Leia ainda: Analgesia intranasal para dor aguda moderada a intensa em pediatria: boa opção?

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Emily R. Payne, et all. Comparison of Administration of 8-Milligram and 4-Milligram Intranasal Naloxone by Law Enforcement During Response to Suspected Opioid Overdose — New York, March 2022–August 2023. Weekly / February 8, 2024 / 73(5);110–113 

Tags