Colunistas

Neuralgia pós-herpética: o que é?

Tempo de leitura: 6 min.

O herpes zoster é causado pela reativação do vírus varicela-zoster. Este persiste por um período de anos nos gânglios dos nervos cranianos ou espinhais após a resolução da infecção original. À medida que a imunidade celular diminui com a idade ou alguma condição associada à imunocomprometimento, o vírus é transportado ao longo dos nervos periféricos, produzindo uma neurite aguda.

Existem três fases de dor associadas ao herpes zoster:

  • A neuralgia herpética aguda: refere-se à dor que precede ou acompanha a erupção cutânea, que persiste por até 30 dias a partir do seu início.
  • A neuralgia herpética subaguda: refere-se à dor que persiste além da cura da erupção, mas que se resolve dentro de quatro meses após o início.
  • Neuralgia pós Herpética (NPH): refere-se à dor que persiste por mais de quatro meses desde o início da erupção.

Os nervos torácico (especialmente T4 a T6), cervical e trigêmeo são mais comumente afetados. A dor associada à infecção aguda por zoster e neuralgia pós-herpética pode ser relatada como uma dor em queimação ou facada, constante ou intermitente. Mais de 90% dos pacientes também têm alodinia, definida como dor evocada por estímulos normalmente não dolorosos, como toque leve.

Na maioria das vezes, a NPH representa um continuum de dor que nunca se resolveu após um episódio agudo de herpes zoster

O diagnóstico é clínico e feito quando a dor persiste além de quatro meses na mesma distribuição de um episódio documentado anterior de herpes zoster.

Os fatores adicionais que apoiam o diagnóstico são:

  • Idade avançada.
  • Dor prodrômica intensa com herpes zóster.
  • Erupção cutânea anterior grave.
  • Distribuição nos dermátomos do plexo braquial ou trigêmeo.
  • A presença de alodinia.

A gabapentinapregabalina e antidepressivos tricíclicos são geralmente os medicamentos de primeira escolha para o tratamento. Em revisões sistemáticas, os tratamentos mais eficazes incluiram essas três drogas e opióides

A escolha entre os tratamentos deve ser individualizada de acordo com as características específicas do paciente, comorbidades, perfil de efeitos colaterais da medicação, valores e preferências do paciente. 

Leia também: Papel da eletroneuromiografia na Covid-19

Os opioides estão associados ao potencial de abuso e dependência e, portanto, muitos especialistas os consideram opções de tratamento de segunda ou terceira linha.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Edelsberg JS, Lord C, Oster G. Systematic review and meta-analysis of efficacy, safety, and tolerability data from randomized controlled trials of drugs used to treat postherpetic neuralgia. Ann Pharmacother 2011; 45:1483.
  • Attal N, Cruccu G, Baron R, et al. EFNS guidelines on the pharmacological treatment of neuropathic pain: 2010 revision. Eur J Neurol 2010; 17:1113.
  • Finnerup NB, Attal N, Haroutounian S, et al. Pharmacotherapy for neuropathic pain in adults: a systematic review and meta-analysis. Lancet Neurol 2015; 14:162.
  • Johnson RW, Rice AS. Clinical practice. Postherpetic neuralgia. N Engl J Med 2014; 371:1526.
  • Moore A, Derry S, Wiffen P. Gabapentin for Chronic Neuropathic Pain. JAMA 2018; 319:818.
  • Derry S, Bell RF, Straube S, et al. Pregabalin for neuropathic pain in adults. Cochrane Database Syst Rev 2019; 1:CD007076.
Compartilhar
Publicado por
Felipe Resende Nobrega

Posts recentes

Confira a novidade: Escore de Padua

Mais de 30 novos conteúdos publicados no Whitebook esta semana e o destaque é para…

13 horas atrás

PEBMED e Saúde Global: gestão de consultórios: como montar e manter? [vídeo]

No episódio de hoje, Rodrigo Abreu e Lima traz dicas importantes para a gestão de…

14 horas atrás

Queixas dermatológicas no verão: conheça as mais comuns e saiba como preveni-las

Como parte do nosso especial de verão, separamos as principais queixas dermatológicas no verão e…

15 horas atrás

Covid-19: O que precisamos saber sobre os testes rápidos para a prática clínica?

Os testes rápidos foram desenvolvidos para confirmar a Covid-19 na fase aguda. O que devemos…

17 horas atrás

Risco de sepse neonatal precoce em bebês nascidos de parto de baixo risco

A sepse neonatal é uma causa frequente de morbimortalidade no período neonatal e seu diagnóstico…

18 horas atrás

Imunobiológicos no tratamento da asma

A diferenciação entre as vias fisiopatológicas da asma é fundamental para utilização das drogas existentes,…

20 horas atrás