Colunistas

Neuromodulação não invasiva: uma nova ferramenta no tratamento da dor crônica

Tempo de leitura: 3 min.

Como o próprio nome diz, a neuromodulação é uma técnica empregada com o intuito reorganizar os caminhos (“modulação”) dos neurônios (“neuro”) e suas sinapses no sistema nervoso.

Dentre as técnicas de neuromodulação não invasiva, está a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT (em portugês) ou TMS – Transcranial Magnetic Stimulation). Ela utiliza um aparelho capaz de produzir um campo eletromagnético, o qual atravessa o crânio e estimula uma área cortical próxima. Esse campo eletromagnético gera uma estimulação elétrica (sem eletrodos!) nos neurônios, fazendo com que haja uma movimentação de cargas através da membrana neuronal (lei de Faraday). Esse processo é indolor ao indivíduo.

Usos clínicos possíveis

  • Transtornos neuropsiquiátricos (como depressão, alucinações);
  • Doenças neurológicas (como doença de Parkinson, epilepsia)
  • Distúrbios do movimento (como distonias, tiques, gagueira, zumbido)
  • Reabilitação
    • – Dor crônica (como fibromialgia)
    • – Sequelas pós-AVC (como afasias, ataxias)
    • – Disfagia

Os protocolos ainda não foram totalmente consolidados, sendo assim, os níveis de recomendação estão em fase experimental, mas em crescente evidência. Na prática, já são vistos bons resultados da neuromodulação, quando aplicada em conjunto com outras técnicas de tratamento.

Bases fisiológicas

As bases fisiológicas desse efeito ainda não são totalmente esclarecidas, mas acredita-se que haja duas formas de atuação: a primeira é de estimular a atividade (as sinapses) do hemisfério cerebral com a área lesada ou mal funcionante, e a segunda é de inibir a atividade do hemisfério cerebral normal, através de estimulação de baixa ou alta frequência na região cortical alvo.

Leia também: Neuromodulação no tratamento da incontinência fecal

Neuromodulação na dor crônica

Na dor crônica geralmente ocorre uma disfunção das redes neurais do processamento da dor. As técnicas de neuromodulação não invasiva têm o objetivo de promover mudança no padrão cortical (“melhorar o caminho das sinapses neuronais”) e retorno da ativação normal desses centros da dor.

Estudos mostram eficácia nos tratamentos de fibromialgia. Nas dores neuropáticas e dores osteoarticulares crônicas (como cervicalgia ou lombalgia), os resultados ainda são variáveis.

O alívio prolongado da dor pode ser obtido por sessões repetidas ao longo de dias ou semanas.

Conclusão

A neuromodulação não invasiva parece ser uma boa ferramenta no arsenal de tratamento em reabilitação. O desenvolvimento das pesquisas e dos protocolos de tratamento específicos para cada patologia e respostas clínicas poderão dar maior respaldo à técnica.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Müller VT et al. O que é estimulação magnética transcraniana? Revista Brasileira de Neurologia » Volume 49 » Nº 1 » jan – fev – mar, 2013. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-8469/2013/v49n1/a3589.pdf
  • J.P. Lefaucheur. The use of repetitive transcranial magnetic stimulation (rTMS) in chronic neuropathic pain. Neurophysiologie Clinique 36 (2006) 117–124. doi: 10.1016/j.neucli.2006.08.002.
  • O’Connell NE, Marston L, Spencer S, DeSouza LH, Wand BM. Non-invasive brain stimulation techniques for chronic pain. Cochrane Database of Systematic Reviews 2018, Issue 4. Art. No.: CD008208. DOI: 10.1002/14651858.CD008208.pub5.
  • Khedr, Kotb, Kamel, et al. Longlasting antalgic effects of daily sessions of repetitive transcranial magnetic stimulation in central and peripheral neuropathic pain. J Neurol Neurosurg Psychiatry 2005;76:833–838. doi: 10.1136/jnnp.2004.055806
  • J.-P. Lefaucheur et al. The use of repetitive transcranial magnetic stimulation (rTMS) and transcranial direct current stimulation (tDCS) to relieve pain. Brain Stimulation (2008) 1, 337–44. doi: 10.1016/j.brs.2008.07.003
  • J.-P. Lefaucheur et al. Evidence-based guidelines on the therapeutic use of repetitive transcranial magnetic stimulation (rTMS): An update (2014–2018) Clinical Neurophysiology 131 (2020) 474–528. doi: 10.1016/j.clinph.2019.11.002
Compartilhar
Publicado por
Carmen Orrú

Posts recentes

Imunobiológicos no tratamento da asma

A diferenciação entre as vias fisiopatológicas da asma é fundamental para utilização das drogas existentes,…

2 horas atrás

Associação entre endometriose e risco de menopausa natural precoce

As repercussões sobre o tratamento da endometriose sobre a aceleração da menopausa ainda não tinham…

3 horas atrás

Terapia Nutricional Oral, Enteral e Parenteral: confira os principais pontos da nova Diretriz BRASPEN

Recentemente foi publicada mais uma atualização das Diretrizes Brasileiras de Terapia Nutricional (DITEN): a nova…

4 horas atrás

Duas doses da CoronaVac neutralizam ação da variante Ômicron? 

Um estudo tentou responder se duas doses da CoronaVac seriam capazes de neutralizar a variante…

5 horas atrás

Procedimentos Ortopédicos: condutas para a cirurgia

Ei, temos novidade no Whitebook! O aplicativo passou a ter conteúdos de Procedimentos Ortopédicos. Já…

19 horas atrás

No dia a dia da Emergência, como diferenciar as conjuntivites?

As conjuntivites ou olho vermelho são uma apresentação de várias doenças oftalmológicas. Veja como diferenciar.

21 horas atrás