Novas memórias não se formam apenas no hipocampo, mostra estudo - PEBMED

Novas memórias não se formam apenas no hipocampo, mostra estudo

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Cientistas acreditavam que todas as novas memórias começavam como uma memória a curto prazo, que era lentamente convertida em uma de longo prazo. Mas agora, pesquisadores americanos e japoneses descobriram que o cérebro faz, simultaneamente, duas lembranças de um evento, uma para o “agora” e outra para o resto da vida.

A ideia dominante até então era que duas partes do cérebro estavam envolvidas na lembrança de experiências pessoais: o hipocampo, lugar onde as memórias eram formadas, e o córtex, lugar onde memórias eram “armazenadas” a longo prazo.

Essa teoria se formou após o caso de Henry Molaison na década de 1950, um americano que teve seu hipocampo danificado durante uma cirurgia e ficou incapaz de fazer novas memórias, mas preservou todas as lembranças de antes da operação.

Pesquisadores do Riken-MIT Center for Neural Circuit Genetics realizaram experimentos em roedores para comprovar que essa não é a maneira que a memória se desenvolve no cérebro.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

O experimento consistiu em observar memórias específicas se formarem como um aglomerado de células cerebrais conectadas em reação a um choque. Os pesquisadores usaram então a luz transmitida para o cérebro para controlar a atividade dos neurônios individuais, podendo assim, literalmente, ligar ou desligar as memórias.

Ao desligar a memória de curto prazo no hipocampo, os roedores esqueceram os choques recebidos. Foi possível fazê-los se lembrar do evento ao ligar manualmente a memória de longo prazo.

Os resultados mostraram que as memórias foram formadas simultaneamente no hipocampo e no córtex.

Os pesquisadores também demostraram que a memória de longo prazo não amadurece caso a conexão entre o hipocampo e o córtex seja bloqueada. Portanto, ainda há uma ligação entre as duas partes do cérebro, com o equilíbrio de poder deslocando do hipocampo para o córtex ao longo do tempo.

Mais estudos serão feitos para compreender melhor essa ligação.

Referências:

  • https://science.sciencemag.org/content/356/6333/73
  • https://www.bbc.com/news/health-39518580

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar