Home / Colunistas / Novas perspectivas no tratamento da síndrome dos ovários policísticos em adolescentes não obesas

Novas perspectivas no tratamento da síndrome dos ovários policísticos em adolescentes não obesas

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é uma condição prevalente em meninas adolescentes e mulheres jovens, ​caracterizada por oligomenorreia e efeitos androgênicos, comumente causada pelo excesso de gordura hepatovisceral decorrente de uma incompatibilidade entre nutrição pré-natal e pós-natal, e suscetibilidade genética.

Muitas dessas pacientes iniciam seu tratamento com contraceptivos orais combinados (COC), o que a longo prazo leva à subfertilidade oligoanovulatória, uso de técnicas de reprodução assistida e gestações com um risco duas a três vezes maior de complicações, como diabetes gestacional, pré-eclâmpsia e parto prematuro, além da possibilidade de sequelas para toda a vida da prole.

Jovem com síndrome dos ovários policísticos em consulta

Tratamento da síndrome dos ovários policísticos em adolescentes não obesas

Estudo de casos

A mais recente publicação sobre o tratamento da SOP em adolescentes não obesas analisou os resultados combinados de dois estudos piloto em meninas não obesas com SOP, com idade média de 15/16 anos, e comparou os efeitos dos tratamentos por um ano, com contraceptivo oral combinado (COC) e com uma combinação de baixa dose de espironolactona (diurético poupador de potássio, antiandrogênico e antimineralocorticoide), pioglitazona e metformina (sensibilizadores de insulina), SPIOMET, visando o excesso de gordura ectópica.

O tratamento com COC e SPIOMET reduziu o excesso de andrógeno comparativamente e não teve efeitos diferenciais na massa magra ou gorda do corpo total. No entanto, SPIOMET foi acompanhado por uma normalização mais ampla com efeitos positivos na gordura hepatovisceral e na insulina circulante. Em média, houve trêz vezes mais ovulações pós-tratamento com SPIOMET do que com os COCs, sendo a normovulação observada apenas após SPIOMET, enquanto que a anovulação foi dez vezes mais prevalente pós-COCs.

Leia também: Estatinas como opções para tratamento da Síndrome dos Ovários Policísticos

Conclusão

Os resultados combinados dos estudos randomizados em meninas adolescentes não obesas com SOP indicam que o tratamento com espironolactona, pioglitazona e metformina levam a uma condição geral mais saudável e mais sensível à insulina, com redução da adiposidade ectópica, e é seguido por uma taxa de ovulação mais normal do que com o tratamento com contraceptivos orais combinados (estrogênio e progesterona).

Os presentes resultados ainda precisam ser confirmados com uma maior análise populacional e em populações mais diversificadas, inclusive em meninas com obesidade, diferentes etnias e com outras exposições ambientais.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • IBÁÑEZ, L; DÍAZ, M; GARCÍA-BELTRÁN, C; et al. Toward a Treatment Normalizing Ovulation Rate in Adolescent Girls With Polycystic Ovary Syndrome. Journal of the Endocrine Society, 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.