Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / Novas recomendações americanas de seguimento pós-polipectomia em colonoscopia
Pacientes ouve as recomendações seguimento pós-polipectomia em colonoscopia

Novas recomendações americanas de seguimento pós-polipectomia em colonoscopia

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Essas novas recomendações seguimento pós-polipectomia em colonoscopia são referentes a atualização das Diretrizes da United States Multi-Society Task Force on Colorectal Cancer (USMSTF on CRC), atualizando a anterior de 2012, e têm a chancela da American College of Gastroenterology (ACG), da American Gastroenterological Association (AGA), e da American Society for Gastrointestinal Endoscopy (ASGE).

O público alvo são os adultos com risco “médio” que fazem colonoscopia com ótimo preparo com ou sem a retirada de pólipos, excluem pacientes com síndromes hereditárias de câncer colorretal (CCR), doenças inflamatórias intestinais, portadores de síndrome de polipose intestinal e história pessoal ou familiar de câncer colorretal que tem um risco diferenciado.

Leia também: ACSCC 2020: Como e quando realizar o screening de câncer colorretal?

Principais recomendações:

  • Repetir colonoscopia em 7-10 anos após a retirada COMPLETA de 1-2 adenomas tubulares menores que 10 mm;
  • Repetir colonoscopia em 3-5 anos após a remoção completa de 3-4 adenomas tubulares < 10 mm;
  • Repetir colonoscopia em 3 anos após a remoção completa de 5-10 adenomas tubulares < 10 mm;
  • Repetir colonoscopia em 3 anos após a remoção completa de 31 adenomas tubulares > 10 mm;
  • Repetir colonoscopia em 6 mm após a remoção INCOMPLETA de 1 adenoma ou pólipo séssil > 20 mm.

Importância do rastreamento

A colonoscopia de rastreamento tem sido recomendada para o adulto de risco médio com mais de 45 anos, exame fundamental para o diagnóstico precoce de CCR, para a remoção de pólipos, estratégia que reduz a mortalidade por CCR. É fundamental estimular a participação cada vez maior dessas recomendações pós-colonoscopia, cobrar a execução do exame com qualidade (bom preparo, retirada e análise adequada de eventuais pólipos) pois com estas estratégias aumentamos a efetividade deste rastreamento que salva vidas.

Saiba mais: O café pode estar associado à melhor sobrevida no câncer colorretal?

Uma vez encontrado um pólipo (ou mais) é fundamental que nós médicos (clínicos, gastros, oncologistas, cirurgiões, etc) saibamos quais as melhores condutas com relação à repetição do exame, evitando exames desnecessários em intervalos muito curtos ou a perda de seguimento. Por isso essas novas recomendações são tão importantes, mesmo num país que tem dificuldades brutais para conseguir uma colonoscopia em tempo hábil, em especial no SUS.

O pólipo de “hoje” pode ser o CCR de amanhã.

Autor(a):

Referência:

  • Zhang C; Cifu AS; Patel A et al. Recommendations for Follow-Up After Colonoscopy and Polypectomy: A Consensus Update by the United States Multi-Society Task Force on Colorectal Cancer (USMSTF on CRC). Published Online: November 6, 2020. doi:10.1001/jama.2020.15001

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.