Página Principal > Oncologia > Novembro Azul: veja como realizar o diagnóstico do câncer de próstata
câncer de próstata

Novembro Azul: veja como realizar o diagnóstico do câncer de próstata

Essa semana no Portal da PEBMED falamos sobre orientações sobre a campanha Novembro Azul e a prevenção contra o câncer de próstata. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, separamos os critérios sobre apresentação clínica e critério diagnóstico do câncer de próstata.

Veja as melhores condutas médicas no Whitebook Clinical Decision!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

 

Anamnese

Epidemiologia:

  • A frequência de um diagnóstico de câncer de próstata tem aumentado em grande parte devido à triagem com a dosagem do antígeno prostático específico (PSA);
  • Quase 80% dos homens atualmente diagnosticados com câncer de próstata foram submetidos a uma biópsia devido a uma dosagem suspeita de PSA;
  • O exame de toque retal mantém um importante papel para a detecção precoce quando 20% dos casos têm um nódulo de próstata que indica biópsia.

Quadro clínico:

  • A maioria dos homens com câncer de próstata precoce não apresenta sintomas atribuíveis ao câncer;
  • Frequência urinária, urgência, noctúria e hesitação são vistos comumente, mas estão normalmente relacionados com a concomitância de doença benigna;
  • Hematúria e hematospermia são apresentações incomuns do câncer de próstata, mas a sua presença em homens mais velhos deve considerar o câncer de próstata no diagnóstico diferencial;
  • Dor óssea pode ser o sintoma de apresentação em homens com doença metastática.

Antí­geno prostático especí­fico (PSA):

    Proteí­na produzida exclusivamente pelas células da próstata: antí­geno é altamente especí­fico para a próstata. Porém não é especí­fico entre as patologias comuns da próstata (hiperplasia benigna, nódulos malignos e prostatite).
    Vários métodos são usados para aumentar a precisão do teste de PSA:

  • Idade: os ní­veis de PSA geralmente aumentam à medida que os homens envelhecem de modo que um único valor deve ter por referência a norma para uma faixa etária especí­fica;
  • Densidade do PSA: calcula a relação entre o tamanho da próstata (por exame de imagem) e o PSA (> 0,15 nanogramas/mL);
  • PSA fracionado: a porcentagem de PSA livre em relação ao PSA total pode ser informativo: uma proporção elevada (> 30%) é considerada favorável; enquanto que uma proporção baixa (< 10%) é mais comumente associada com câncer de próstata;
  • Velocidade do PSA: mudanças no PSA ao longo do tempo, às vezes denominado velocidade de PSA, podem ser altamente informativas. Uma mudança de > 0,35 nanogramas/mL pode indicar uma biópsia se o valor de PSA é entre 2,5-4,0 nanogramas/mL; enquanto um maior que 0,75 nanogramas/mL dentro de um ano pode requerer investigação.

Geralmente o PSA deve ser repetido antes de uma biópsia, já que quase um terço dos pacientes terão uma redução para ní­veis basais após um mês.

Toque retal:

  • No exame de toque retal, áreas assimétricas de endurecimento ou nódulos são sugestivos de câncer de próstata. Em contraste, o alargamento simétrico e firmeza da próstata são mais frequentes em homens com hiperplasia prostática benigna (HPB);
  • Uma biópsia da próstata é indicada em homens com um exame digital suspeito de cancro, independentemente do PSA do soro;
  • Todos os homens com assimetria significativa, endurecimento ou nódulos palpáveis da próstata requerem mais estudos diagnósticos para descartar câncer de próstata, especialmente se tem idade maior ou igual a 45 anos ou apresentam outros fatores de risco para a doença;
  • Os tumores não detectados pelo exame retal digital incluem os 25 a 35% que ocorrem em outras partes da glândula, pequenos, T1 e os nódulos malignos que não são palpáveis.

Ultrassonografia transretal (USTR): Frequentemente utilizada para avaliar anormalidades detectadas pelo exame de toque retal e guiar a biópsia da próstata. No entanto, a biópsia da próstata é recomendada independentemente dos resultados, uma vez que a USTR deixa de revelar um número substancial de tumores.

Biópsia de próstata:

  • Indicações: toque retal prostático alterado; PSA > 4 nanogramas/mL; PSA > 2,5 nanogramas/mL em pacientes jovens (até 55 anos); densidade de PSA > 0,15 nanogramas/mL/g; velocidade de PSA > 0,75 ng/mL/ano; aumento > 0,35 nanogramas/mL em paciente com PSA entre 2,5-4,0 nanogramas/mL;
  • Uma biópsia transretal normalmente é realizada guiada por USTR, porém também pode ser realizada com a utilização de ressonância magnética nuclear para melhorar a precisão do exame.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.