Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Novembro roxo: o que é a doença metabólica óssea?
médico, que vai cuidar de paciente prematuro com doença metabólica óssea, segurando estetoscópio

Novembro roxo: o que é a doença metabólica óssea?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Neonatos prematuros de muito baixo peso são aqueles que nascem com peso inferior a 1.500g. Estes bebês possuem um maior risco de desenvolverem doença metabólica óssea (DMO), isto é, doença óssea secundária ao conteúdo diminuído de minerais. Neste mês, que a campanha Novembro Roxo volta o olhar para a prematuridade, vamos falar um pouco mais sobre isso.

Doença metabólica óssea

A DMO também é conhecida como raquitismo da prematuridade. O risco é maior em prematuros de muito baixo peso, porque a maior absorção de minerais no tecido ósseo acontece durante o terceiro (e último) trimestre de gestação (principalmente de cálcio e fósforo). A DMO em prematuros resulta, além da absorção escassa de minerais, da ingesta não apropriada de cálcio e de fósforo na vida extrauterina.

A incidência de DMO é inversamente proporcional à idade gestacional e ao peso ao nascimento, podendo ser presumida em 50% para neonatos com peso inferior a 1000g ao nascer e de 30% em bebês com menos de 1500g.

Leia também: Novembro Roxo: como identificar apneia da prematuridade?

Fatores de risco para DMO incluem:

  • Recebimento de quantidades insuficientes de cálcio, fósforo e vitamina D na vida extrauterina;
  • Displasia broncopulmonar (principalmente nos bebês que recebem diuréticos);
  • Tratamento com corticosteroides em longo prazo após o nascimento;
  • Enterocolite necrotizante;
  • Intolerância à fórmula ou leite humano.

Diversas são as manifestações clínicas da DMO. Estas manifestações surgem, em geral, entre a sexta e a décima segunda semanas de vida do bebê. Os seguinte sinais sugerem a presença de DMO:

  • Interrupção do crescimento longitudinal;
  • Persistência do perímetro cefálico;
  • Craniotabes;
  • Edema de articulações costocondrais (rosário raquítico);
  • Alargamento epifisário de ossos longos.

Nutrição: O alimento ideal para os bebês prematuros é o leite humano. Infelizmente, o leite materno não fornece as necessidades de cálcio, cálcio, fósforo, zinco e vitamina D nestes pacientes que devem, portanto, receber suplementação para prevenir a DMO.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, a oferta precoce de dieta por via enteral e uma maior oferta de cálcio e de fósforo por via enteral e parenteral têm reduzido a incidência dos casos de DMO em prematuros. ]

Quer receber as principais novidades em Pediatria? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • DOMBROVSKI, F. M. O. S.; MÉNDEZ, C. K. I.; VARGAS, D. M. Ocorrência de doença metabólica óssea em prematuros de muito baixo peso internados em UTI neonatal. Arquivos Catarinenses de Medicina, v.48, n.2, p.12-20, 2019
  • OLIVEIRA, N. D. Prematuridade e Crescimento Fetal Restrito. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Tratado de Pediatria. V. 2. Manole: Barueri, 2017. Seção 16. Cap 1. p.1209-1214

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.