Novo coronavírus pode infectar neurônios humanos?

O novo coronavírus é capaz de infectar neurônios humanos, segundo pesquisadores brasileiros. O estudo foi desenvolvido na Unicamp.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O novo coronavírus é capaz de infectar neurônios humanos, segundo pesquisadores brasileiros. O estudo, desenvolvido na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), descobriu através de testes em laboratório como o vírus acessa as células neurológicas humanas. O próximo passo será entender quais as mudanças biológicas causadas pelo vírus nos neurônios dos indivíduos.

O ponto de partida do estudo foi a constatação clínica de que pacientes com a Covid-19 apresentaram dificuldade de fala, de organizar os pensamentos e até convulsões. Esses sintomas levaram os pesquisadores a cultivarem as células neurológicas e infectá-las com o novo coronavírus para identificar como elas podem ser atingidas.

A proteína utilizada pelo novo coronavírus para se conectar ao corpo humano, a ACE-2, também está presente nos neurônios, segundo explica o coordenador da pesquisa, Daniel Martins-de-Souza, que também é professor do Instituto de Biologia da Unicamp.

“Possuímos em laboratório estes neurônios cultivados, sabemos que os neurônios têm a porta de entrada do vírus, que é a proteína ACE-2. Sabemos que os vírus conseguem invadir essas células e estamos investigando agora como eles se transformam biologicamente dentro do neurônio”.

Leia também: Covid-19: heparina pode reduzir infecção pelo SARS-CoV-2?

A porta de entrada descrita pelo pesquisador, a ACE-2, é uma das proteínas envolvidas no controle da pressão arterial. Essa enzima está presente na membrana de diversas células espalhadas pelo corpo humano.

“Imagine que essa proteína é uma porta na qual o vírus tem a chave para entrar. Então, ele se utiliza dessa proteína para invadir as nossas células”, esclarece o pesquisador.

Hipóteses estudadas

Os cientistas estão estudando duas principais hipóteses sobre a maneira que o novo coronavírus chega os neurônios.
Uma delas é através do próprio sangue, com o vírus passando pela barreira hematoencefálica.

“É para proteger o cérebro de patógenos. Em princípio, vírus e outros micro-organismos não deveriam conseguir passar pela barreira hematoencefálica, mas alguns passam. Ainda temos que descobrir se o novo coronavírus consegue passar por essa barreira”, afirma Daniel Martins-de-Souza.

Outra hipótese é a entrada do vírus pelo nervo olfatório, uma vez que um dos sintomas dos pacientes é a anosmia. “Esse nervo tem uma terminação nervosa no nariz, então, eventualmente, poderia ser que o vírus se instalasse e chegasse por lá”.

Veja mais: Covid-19: médicos do RJ organizam formulário para investigar ligação da doença à anosmia

Próxima etapa do estudo

Para a segunda etapa do estudo, as substâncias que compõem as células serão comparadas antes e depois da contaminação para localizar as diferenças existentes a partir das células produzidas em laboratório.

“Mesmo que in vitro, podemos comparar melhor como o vírus funciona dentro de neurônios, para nos ajudar a melhor compreender o caminho percorrido pela Covid-19 dentro do corpo humano”, afirma o professor.

Daniel Martins-de-Souza ressalta que é ainda cedo para conclusões clínicas, mas afirma que a infecção dos neurônios pelo vírus traz a possibilidade de mais riscos aos pacientes.

“Começamos a observar na literatura científica o surgimento de sintomas neurológicos em pacientes. Mas, antes disso até, um dos primeiros sintomas que aparecem em pessoas acometidas pelo coronavírus é a anosmia”, disse.

“O fato de haver anosmia, dos pacientes apresentarem sintomas neurológicos e já ter alguns estudos sendo publicados, mostrando algumas lesões observadas pós-morte no cérebro de pacientes com Covid-19, pode sugerir que, se o novo coronavírus de fato chegar ao cérebro, pode ser prejudicial para o paciente”, explicou.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão