Cardiologia

Novo corte de d-Dímero pode mudar protocolos no tromboembolismo venoso

Tempo de leitura: 2 min.

O diagnóstico de tromboembolismo pulmonar (TEP) nem sempre é tão claro, e por se tratar de uma patologia potencialmente ameaçadora a vida a importância da sistematização diagnóstica se faz presente.

Os protocolos diagnósticos de TEP tem como objetivo definir quais são os pacientes que se beneficiarão da terapêutica e os que não terão benefício. Os primeiros são pacientes que possuem TEP com possibilidade de progressão ou recorrência e o segundo grupo são aqueles que não possuem a doença ou possuem doença com pouca probabilidade de progressão.

Escores clínicos diagnósticos, como o escore de Wells, são utilizados para classificar esses pacientes entre baixa, média e alta probabilidade de TEP, e junto com dosagem do d-Dímero podem excluir o diagnóstico. Pacientes com média e alta probabilidade podem ser encaminhados a angiotomografia de tórax, exame que envolve alto custo, difícil realização e disponibilidade, problemas com contraste e radiação.

O teste do d-Dímero costuma ser interpretado de maneira dicotômica (negativo ou positivo), sendo utilizado o ponto de corte de 500 ng/mL como seguro para afastar TEP em pacientes com baixa e média probabilidade pelos escores clínicos, entretanto isso ocorre em apenas 30% dos pacientes.

Quer receber as principais novidades em Cardiologia? Participe do nosso grupo do Whatsapp!

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

D-Dímero no tromboembolismo venoso

O estudo In the Pulmonary Embolism Graduated d-Dimer (PEGeD) testou o ponto de corte de 1000 ng/mL para exclusão diagnostica de pacientes com baixa probabilidade de TEP pelos escores clínicos e manteve o corte de 500 ng/mL para pacientes com moderada probabilidade.

O estudo envolveu 2.017 pacientes provenientes de fora do hospital e avaliou como desfecho primário o algum evento trombembólico sintomático, objetivamente verificado.

Conclusões

O resultado foi animador, pois, de todos os pacientes (1.325) classificados como baixa probabilidade de TEP e d-Dímero menor que 1000 ng/mL, nenhum apresentou tromboembolismo venoso, reduzindo a execução de exames de imagem em 33,9%. Para os pacientes de risco moderado o corte de 500 ng/mL foi mantido.

Sendo assim é de se esperar que os protocolos se adequem a permitirem uma maior margem de aceitação de valores de d-Dímero reduzindo assim o número de exames desnecessários e gastos em geral.

Mais do autor: AHA 2019: colchicina no tratamento do infarto agudo do miocárdio

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Clive Kearon, M.B., Ph.D., Kerstin de Wit, M.B. et al. Diagnosis of Pulmonary Embolism with d-Dimer Adjusted to Clinical Probability n engl j med 381;22, 2019.
Compartilhar
Publicado por
Gabriel Quintino Lopes

Posts recentes

Uso dos antídotos dos novos anticoagulantes em pacientes com sangramento grave

O manejo do sangramento por anticoagulantes consiste de tratamento de suporte, uso de pró-coagulantes e…

11 horas atrás

Síndrome do Intestino Irritável: causas e sintomas [podcast]

Neste episódio, a Dra. Mariane Sávio, especialista em Coloproctologia e conteudista do Whitebook, falará sobre…

12 horas atrás

Anvisa alerta sobre casos raros de síndrome de Guillain-Barré pós-vacinação

A Anvisa emitiu um alerta para o acompanhamento de casos raros da síndrome de Guillain-Barré…

13 horas atrás

Efeitos adversos associados ao uso de cigarro eletrônico por gestantes

O tabagismo materno, sem dúvidas, é uma causa relevante e evitável de efeitos adversos na…

14 horas atrás

Hipertensão em adolescentes com doença renal crônica: usar definição de adultos ou de crianças?

Foi conduzida uma análise retrospectiva do “Estudo de Coorte de Doença Renal Crônica em Crianças”…

15 horas atrás

Melhores práticas perioperatórias em pacientes obesos

O anestesiologista precisa estar familiarizado com as melhores práticas atuais no manejo perioperatório de pacientes…

16 horas atrás