Novo estudo de hidroxicloroquina na Covid-19 não tem bons resultados

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Há poucos dias, o Ministério da Saúde anunciou que recomendaria a cloroquina e a hidroxicloroquina para o tratamento das formas graves de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Os fundamentos científicos são escassos, baseados em uma pequena meta-análise e um estudo francês com redução de viremia, mas mesmo assim ganharam muito destaque na imprensa, como noticiamos previamente no Portal.

Hidroxicloroquina para coronavírus

O problema é que essa semana foi noticiado e muito difundido no aplicativo Whatsapp outro estudo chinês no qual os resultados foram negativos. Chen e colaboradores randomizaram 30 pacientes para receber hidroxicloroquina 400 mg/dia versus placebo.

Os doentes apresentavam formas sintomáticas, porém não graves de Covid-19, com uma média de idade de 60 anos e cerca de seis a sete dias do início dos sintomas.

Os resultados mostraram que a duração dos sintomas, o tempo até resolução da febre e a negatividade da viremia não diferiram entre os grupos de intervenção e placebo. O problema é que, além do diminuto tamanho amostral, a dose utilizada foi baixa, bem como não incluíram doentes graves.

Desse modo, na prática nada muda: continuamos com pouca evidência e muita fé no uso de cloroquina para tratar as formas graves de Covid-19.

Acompanhe tudo sobre o coronavírus em nossa página especial!

Autor:

Referência bibliográfica:

  • CHEN J, et al. A pilot study of hydroxychloroquine in treatment of patients with common coronavirus disease-19 (COVID-19). J Zhejiang Univ (Med Sci) 2020, Vol. 49 Issue (1): 0-0 DOI: 10.3785/j.issn.
Relacionados