Novo medicamento tem bons resultados em pacientes com diabetes e doença renal crônica

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Finerenona é um antagonista do receptor mineralocorticoide seletivo, não esteroidal. Dados de modelos de laboratório indicam que o medicamento diminui a inflamação e a fibrose, provavelmente pela redução da atividade do receptor mineralocorticoide.

novo medicamento finerenona

Finerenona

O finerenona foi testado em um estudo, financiado pela Bayer e publicado no NEJM, que mostrou redução no risco de progressão da doença renal crônica (DRC) em pacientes com diabetes tipo 2.

Trata-se de um estudo fase 3, em que foram randomizados cerca de 5700 adultos com diabetes e DRC, que estavam tomando uma dose máxima de inibidor da enzima de conversão da angiotensina ou bloqueador do receptor da angiotensina. Um grupo recebeu finerenona oral diariamente, enquanto o outro recebeu placebo.

O desfecho primário foi definido como insuficiência renal, redução de pelo menos 40% na Taxa de filtração glomerular em relação à linha de base por pelo menos 4 semanas ou óbito por causas renais.

Leia também: Metformina e o risco de acidose láctica na doença renal crônica: o que fazer?

Os pacientes foram acompanhados por uma média de 2,6 anos e o desfecho primário ocorreu significativamente menos frequentemente com finerenona do que com placebo (17,8% vs. 21,1%). O grupo da finerenona também teve uma incidência significativamente menor de mortalidade cardiovascular ou hospitalização por ICC. No geral, a frequência de eventos adversos foi semelhante nos dois grupos.

Mensagem prática

  1. Em pacientes com DRC e diabetes tipo 2, o tratamento com finerenona resultou em menores riscos de progressão da DRC e eventos cardiovasculares do que o placebo.
  2. Outros estudos fase 3 com antagonistas de receptores mineralocorticoides são aguardados.
  3. Cabe ressaltar que a estratégia de reduzir hiperaldosteronismo relativo em pacientes com DRC parece um caminho promissor.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Bakris, G. L., Agarwal, R., Anker, S. D., Pitt, B., Ruilope, L. M., Rossing, P., … Filippatos, G. (2020). Effect of Finerenone on Chronic Kidney Disease Outcomes in Type 2 Diabetes. New England Journal of Medicine. doi: 10.1056/nejmoa2025845 https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2025845
  • Ingelfinger, J. R., & Rosen, C. J. (2020). Finerenone — Halting Relative Hyperaldosteronism in Chronic Kidney Disease. New England Journal of Medicine. doi:10.1056/nejme2031382

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar