Pediatria

O contato pele a pele diminui as respostas à dor no cérebro de recém-nascidos

Tempo de leitura: 3 min.

Pela primeira vez, pesquisadores demonstraram que a presença materna pode atenuar a atividade cortical relacionada a doenças, bem como alterar processos neurais subjacentes após um procedimento nocivo em recém-nascidos (RN) humanos.

Segundo o estudo The impact of parental contact upon cortical noxious-related activity in human neonates, publicado no European Journal of Pain, o contato pele a pele realizado por um dos pais reduz a intensidade com que o cérebro do RN responde à dor.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Contato pele a pele com recém-nascidos

Os recém-nascidos (RN) apresentam fortes respostas comportamentais, fisiológicas e corticais a procedimentos que danificam os tecidos. O contato parental pode regular com sucesso a reatividade comportamental e fisiológica geral do bebê, mas não se sabe se pode influenciar a atividade nociva no cérebro. Esse estudo foi motivado pelo fato de que a atividade cerebral é altamente dependente da presença materna em modelos animais e, portanto, este poderia ser um importante fator contextual na atividade cerebral relacionada à dor do bebê humano.

A análise topográfica global foi usada para identificar a presença e diferenças intergrupos em atividades nocivas relacionadas em três contextos parentais separados. Foram incluídos 27 RN (12 do sexo feminino), com idades entre 0 e 96 dias e nascidos no University College London Hospitals com idades gestacionais (IG) entre 23 e 41 semanas.

Nenhum bebê apresentava qualquer sinal clínico de encefalopatia hipóxica isquêmica. Foram excluídos RN com hemorragia intraventricular > grau 2 ou leucomalácia periventricular. Os RN foram divididos em três grupos (n = 9 cada) com base no tipo de contato (pele-a-pele, segurado com roupa ou submetidos a cuidados individualizados no berço). A proporção do sexo, IG ao nascimento e idade pós-natal não diferiram significativamente entre os grupos.

Leia também: Prevenção da doença estreptocócica do grupo B em recém-nascidos

Os RN foram submetidos a coleta de sangue por meio do uso de lancetas no calcanhar. Todas essas coletas foram realizadas pela mesma enfermeira treinada, usando uma lanceta descartável, e a prática hospitalar padrão foi seguida em todos os momentos.

O EEG foi registrado durante uma punção do calcanhar (clinicamente exigida) nos três grupos de neonatos de mesma idade e sexo (a) enquanto segurado por um dos pais no contato pele-a-pele (n = 9), (b) enquanto segurado por um dos pais com roupas (n = 9) ou (c) não segurado de forma alguma, mas em atendimento individualizado na incubadora (n = 9).

A lanceta desencadeou uma sequência de 4 a 5 potenciais relacionados a eventos (event-related potential – ERPs), incluindo o ERP nocivo (nERP), que era menor para bebês segurados pele-a-pele e maior para bebês segurados com roupas (p = 0,016).

O nERP foi então seguido por ERPs de longa latência adicionais e divergentes (> 750 ms pós-lanceta), não descritos anteriormente, em cada um dos grupos, sugerindo o envolvimento de diferentes processos corticais de nível superior dependendo do contato parental.

Resultados

Os resultados desse estudo mostram que o contexto do binômio mãe/bebê pode modular a magnitude da atividade cerebral relacionada a doenças nocivas após um procedimento de punção do calcanhar exigido clinicamente, o que a chama a atenção sobre a importância dos fatores ambientais na alteração do processamento de estímulos nocivos em RN.

Veja mais: A exposição intraútero ao vírus sincicial respiratório pode ter consequências negativas no recém-nascido?

Os ERPs de latência mais longa dependem das circunstâncias entre mãe e RN e sugere que o processamento de nível mais alto do estímulo nocivo é alterado. Portanto, esse estudo destaca a importância de considerar fatores contextuais na determinação da atividade cerebral infantil e revelam a poderosa influência do contato dos pais sobre a atividade nociva relacionada ao desenvolvimento do cérebro humano.

De acordo com os pesquisadores, a relevância desse estudo é que foi observado que a forma como o cérebro do RN processa um estímulo nocivo é alterada pelo tipo de contato que o bebê tem com a mãe. Dessa forma, de forma específica, o contato pele-a-pele reduz a magnitude da atividade cortical relacionada a doenças.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Jones L, Laudiano-Dray MP, Whitehead K, Meek J, Fitzgerald M, Fabrizi L, Pillai Riddell R. The impact of parental contact upon cortical noxious-related activity in human neonates. Eur J Pain. 2020 Sep 23. doi: 10.1002/ejp.1656. Epub ahead of print. PMID: 32965725.
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

6 horas atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

10 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

1 dia atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

1 dia atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás