Saúde da Mulher

O cuidado da enfermagem à mulher vítima de violência

Tempo de leitura: 4 min.

A pandemia do novo coronavírus tem trazido muitas discussões sobre esse novo cenário de convívio social, que por meio da tecnologia aumenta o alcance das discussões. A pandemia trouxe o aumento da sobrecarga de trabalho doméstico para as mulheres e o cuidado e educação dos filhos, em sua grande maioria, também recai sobre elas. Esses fenômenos não são novos e é papel de todos essa discussão. Hoje a violência é um problema de saúde pública.

A sociedade chegou na discussão da importância da efetivação das políticas públicas de saúde e segurança em relação à violência contra a mulher. Esta discussão transcende a questão jurídica, já bem definida. No entanto, sua efetivação possui um problema social-cultural-educacional, que deve estar presente na vida dos jovens e adultos. A discussão deve ser ampla e a punibilidade rígida, uma vez que os dados epidemiológicos de violência e morte, de acordo com Marques et.al. (2020),

No âmbito relacional, o maior tempo de convivência com o agressor é crucial. Ademais, ao se reduzir o contato social da vítima com amigos e familiares, reduzem-se as possibilidades de a mulher criar e/ou fortalecer uma rede social de apoio, buscar ajuda e sair da situação de violência.

Por esse motivo, é importante termos espaços de discussão de uma nova constituição sobre uma contracultura da violência contra a mulher, sendo necessário desconstruir um ideal de violência banalizado pela cultura imposta. O sistema de saúde recebe inúmeras mulheres, vítimas de violência, todos os dias. “O fenômeno da violência contra a mulher não escolhe cultura, grupo étnico e religioso, classe e escolaridade, mas as experiências das mulheres mudam conforme a desigualdade no acesso à justiça e aos serviços de saúde”(CURIA et.al., 2020)

Acesse o Nursebook e saiba tudo sobre os procedimentos!

“A violência contra a mulher (VCM) pode ser definida como qualquer ato ou conduta que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual, psicológico, patrimonial e moral, tanto na esfera pública quanto na privada” (BRASIL, 2006). Há de se compreender que a lei Maria da Penha não possui natureza penal punitiva. No entanto, há um dispositivo no código penal que coloque o ato violento contra a mulher como qualificador e estabelece condutas preventivas. A tentativa é pelo aumento da pena, ter resposta social. No entanto, os números de violência contra a mulher não tiveram declínio.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

O papel da enfermagem na luta da violência contra a mulher

Para Machado et.al (2020), “A Política Nacional de Enfrentamento da violência contra a mulher propõe um trabalho articulado em rede, para superar a desarticulação dos diferentes níveis de atenção no combate à violência contra a mulher”.  Os profissionais de enfermagem devem estar atentos no atendimento às vítimas de violência. O atendimento às mulheres deve ser realizado, dentro de um conceito de compreensão em saúde, que seja benéfico para a construção social. De certa forma, a maneira que o acolhimento é feito potencializa denúncias, retira mulheres de uma condição de vulnerabilidade e efetiva leis de proteção a mulheres. Aguiar et.al. (2013) já revelava que:

A assistência de enfermagem às vítimas de violência doméstica deve ser planejada para promover a segurança, o acolhimento, o respeito e a satisfação das usuárias em suas necessidades individuais e coletivas. Refletir sobre o seu planejamento, pautado nos instrumentos básicos da enfermagem, das políticas públicas de saúde e na legislação vigente é fundamental para a proteção das vítimas e prevenção de agravos futuros.

Ciclo de parceiros íntimos:

  • Insultos, humilhações, intimidações, provocações mútuas;
  • Ameaças;
  • Agressões;
  • Episódio agudo de violência;
  • Figura feminina (passiva) x figura masculina (dominadora);
  • Pequenos conflitos frequentes;
  • Tensão;
  • Volta ao primeiro plano ( Insultos…)

A violência contra a mulher em uma relação com o parceiro se estabelece de forma insidiosa, repetitiva e crescente. As agressões físicas, psíquicas, morais e sexuais expõem as mulheres a uma conduta de vulnerabilidade. O processo de violência pode chegar ao feminicídio e diversas formas de violência podem ser atribuídas: física, psicológica, econômica ou financeira, patrimonial, institucional e moral. A violência no ciclo de vida da mulher possui muitas variáveis, de acordo com as fases da vida.

Atenção às condutas e observância aos sinais:

Condutas gerais dos profissionais de saúde, diante da violência contra a mulher:

  • Identificação;
  • Acolhimento;
  • Abordagem multiprofissional;
  • Registro e notificação;
  • Orientações e acompanhamentos;
  • No caso de violência sexual, realizar testes de IST para prevenir agravos a mulher;
  • Caso a usuária não relate a violência no primeiro momento, qualquer referência deve estabelecer a necessidade de uma atenção por parte da equipe de saúde;
  • Identificar a rede de apoio a saúde mental e os órgãos de proteção à mulher;
  • Inserir a mulher em grupo de apoio

Ficar atento aos sinais e sintomas:

  • Entrada tardia no pré-natal;
  • Companheiro muito atento, controlador e que reage na separação à mulher;
  • Infecção urinária de repetição;
  • Dor pélvica;
  • Transtornos sexuais;
  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Transtorno de estresse pós traumático;
  • História de tentativa de suicídio ou ideal suicida;
  • Lesões físicas que não são explicadas;
  • Vulnerabilidades psíquicas

A violência contra a mulher é um grave problema de saúde pública. Hoje há um canal de comunicação de denúncias de violências contra mulheres, crianças e idosos. O disque 100 é uma alternativa mais silenciosa de pedir socorro. Lembre-se que este problema é de todos nós. As informações sempre devem ser partilhadas para que possamos ter uma sociedade que discuta mais essa temática. Os enfermeiros podem ainda buscar a escola e realizar a educação necessária para que o futuro seja diferente, pois esse é um caminho que deve ser cuidadosamente pensado por todos nós.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • AGUIAR RS. O cuidado de enfermagem à mulher vítima de violência doméstica. R. Enferm. Cent. O. Min. mai/ago; 3(2):723-731, 2013. 
  • BRASIL. (2006). Lei n. 11340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher e outras atribuições. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm
  • CAMPOS, Brisa; TCHALEKIAN, Bruna; PAIVA, Vera. Violência contra a mulher: vulnerabilidade programática em tempos de sars-cov-2/ covid-19 em são paulo. Psicol. Soc.,  Belo Horizonte ,  v. 32,  e020015,    2020 
  • CURIA, B. G., Gonçalves, V. D., Zamora, J. C., Ruoso, A. L., Isadora, S., & Habigzang, L. (2020). Produções Científicas Brasileiras em Psicologia sobre Violência contra Mulher por Parceiro Íntimo.Psicologia: Ciência e Profissão,40, e189184. Epub May 18, 2020. https://dx.doi.org/10.1590/1982-3703003189184
  • MACHADO, D.F. Violência contra a mulher: o que acontece quando a Delegacia de Defesa da Mulher está fechada?. Ciênc. saúde coletiva 25 (2) 03 Fev 2020.
  • MARQUES E. S. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela COVID-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cad. Saúde Pública 36 (4) 30 Abr 2020
Compartilhar
Publicado por
Rafael Polakiewicz

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

6 horas atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

10 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

1 dia atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

1 dia atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás