Saúde Pública

O mês de junho e a sua importância para o Movimento LGBTI+

Tempo de leitura: 4 min.

O dia 28 de junho é considerado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+. Essa data é o marco-zero da luta pelos direitos LGBTI+ nos EUA e no mundo. Foi no ano de 1969, nos EUA, que uma das mais importantes rebeliões civis da história aconteceu. Ela ficou conhecida como a Rebelião de Stonewall, onde gays, lésbicas, travestis e drag queens enfrentaram a força policial em um episódio que serviu de base para o Movimento LGBTI+ em todo o mundo. A data tem como principal objetivo, a conscientização da população sobre a importância do combate à homofobia e a transfobia para a construção de uma sociedade livre de preconceitos, independente da orientação sexual e identidade de gênero.

No Brasil, o movimento LGBT ganhou força na década de 70, em meio a ditadura civil-militar (1964-1985). Na década de 80, a comunidade LGBT sofreu um grande golpe. No mundo todo, uma epidemia do vírus HIV matou muitas pessoas e alterou significativamente as organizações políticas do movimento. Hoje, o Movimento LGBTQIA+ abrange diversas orientações sexuais e identidades de gênero de modo que, mesmo sem uma organização central, promove diversas frentes de luta pelos direitos civis da comunidade.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Direito de Acesso à Saúde à população LGBTI+

O direito à saúde para toda a população foi reconhecido como direito humano na Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948, e influenciou as Cartas Constitucionais dos países no período pós-guerra. Inclui-se nesse rol o Brasil, que incorporou a saúde como direito social na Constituição de 1988, com garantias de acesso universal e gratuito à saúde pela população. Não obstante, observa-se que entre a previsão legal e sua efetiva materialização há diversos problemas que geram exclusão social no campo da saúde pública.

As instituições de saúde devem ter um ambiente acolhedor, livre de preconceitos e atenção integral à população LGBTI+, com reconhecimento de suas especificidades na oferta de ações e serviços correspondentes. Ainda assim, a população LGBTI+ se encontra marginalizada nos serviços de saúde devido ao preconceito e ao estigma que sofrem, o que, aliado à falta de conhecimento dos prestadores de cuidado de saúde e à falta de sensibilidade às suas necessidades, acarreta em uma prestação de serviços de má qualidade. 

Demandas de Saúde da População LGBTI+

O conhecimento das principais demandas da população deve nortear a prática, como por exemplo, o alto índice de violência sofrido por esse grupo social, resultado da LGBTfobia, deve despertar no profissional de saúde a investigação de possíveis violências que a pessoa possa estar sofrendo no âmbito familiar, escolar, de trabalho ou na sua comunidade.

A Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS) nos desafia a promover a saúde, considerando os determinantes sociais da saúde da população. Alguns de seus valores são o respeito às diversidades, incluindo a orientação sexual e a identidade de gênero, a justiça e a inclusão social. 

No Brasil, o marco das políticas públicas de saúde voltadas à população LGBTI+ é a década de 1980, a partir da epidemia da Aids, quando, em princípio, se acreditava erroneamente que havia uma associação entre os vírus HIV e a população homossexual, tornando-os ainda mais estigmatizados e reforçando o preconceito contra algumas minorias.

Atuação da Enfermagem

A atuação do Enfermeiro na Atenção Primária à Saúde, como membro de uma equipe de Saúde da Família, implica no desempenho de funções pautadas nos princípios do SUS que, por princípio, não admite exclusões de qualquer natureza e tem o dever de promover a equidade. E, de acordo com a Política Nacional de Atenção Básica, o enfermeiro responsabiliza-se por realizar e supervisionar o acolhimento em qualquer etapa do ciclo de vida do indivíduo, sendo quase sempre o primeiro profissional de nível superior que os usuários têm contato quando procuram por atendimento em uma Unidade Básica de Saúde.

As necessidades específicas e os desafios enfrentados pela população LGBTI+ exigem preparo. A falta de treinamento pode perpetuar o preconceito e a discriminação, resultando em cuidados de baixa qualidade e aumento na incidência de doenças e seus fatores de risco. Por isso, deve-se investir na educação profissional e em diretrizes práticas para que haja oferta ampla e abrangente, científica e humana a esse grupo populacional. 

Sendo uma  ciência e arte de cuidar de seres humanos em todos os ciclos vitais e contextos de vida que, no Brasil, ocupa metade dos postos de trabalho nos serviços de saúde, a Enfermagem tem como principal função, estabelecer uma relação de confiança com todos que estão sob a sua responsabilidade no âmbito da Atenção Primária à Saúde

Aos profissionais de enfermagem cabe assumir a responsabilidade expressa, por princípio e natureza, na dimensão não somente política, mas ética e legal do cuidado, clamando às instituições formadoras e associações científicas, de promover o debate em prol do desenvolvimento técnico, científico, cultural e político em favor das minorias sexuais e de gênero.

Para celebrar um mês tão representativo, o Nursebook vai trazer um especial com conteúdos, artigos e outras iniciativas para os profissionais da enfermagem. Fique ligado! 

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Ramos JGG, Esquivel CLW. The right to health as a fundamental human right: brief observations regarding its legal form to effective social. Ciências Sociais Apl em Rev – UNIOESTE/MCR [Internet]. 2015;
  • Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.
  • Hafeez H, Zeshan M, Tahir MA, Jahan N, Naveed S. Health Care Disparities Among Lesbian, Gay, Bisexual, and Transgender Youth: A Literature Review. Cureus [Internet]. 2017 apr
  • Prado EAJ, Sousa MF. Políticas Públicas e a saúde da população LGBT: uma revisão integrativa. Tempus, Actas de Saúde Colet [Internet]. 2017 nov;
  • Pelullo CP, Di Giuseppe G, Angelillo IF. Frequency of Discrimination, Harassment, and Violence in Lesbian, Gay Men, and Bisexual in Italy. PLoS One [Internet]. 2013
  • Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde (PNaPS): Revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006 [Internet].

 

Compartilhar
Publicado por
Thalita Neiva Breda Vettori

Posts recentes

Uso da inteligência artificial para otimização do tratamento da sepse

Estudo avaliou modelo computacional no campo da Inteligência Artificial, capaz de sugerir tratamentos otimizados para…

32 minutos atrás

Check-up Semanal: semana da sepse, dieta vegetariana em crianças e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre semana da sepse, dieta vegetariana em crianças, apendicite…

2 horas atrás

Anestesia e síndrome carcinoide: o que precisamos saber?

A síndrome carcinoide pode surgir quando os peptídeos vasoativos secretados pelas células tumorais entram na…

3 horas atrás

Anvisa aprova uso de baricitinibe em pacientes hospitalizados com covid-19

A Anvisa aprovou uma nova indicação para o baricitinibe: o tratamento de adultos hospitalizados com…

4 horas atrás

Qual é a melhor combinação no tratamento conservador de lesões do manguito rotador?

Um estudo analisou o melhor regime de supervisão dos exercícios e o benefício das infiltrações…

5 horas atrás

AVC: como obter certificação online para aplicação da NIHSS

Foi criada uma escala para quantificar a magnitude e gravidade do AVC, a NIHSS, sendo…

6 horas atrás